Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Catira – dança folclórica do Brasil

Revelando Sao Paulo 2014 folclore dança (12)

Catira é uma dança folclórica brasileira, que surgiu da mistura entre as culturas africanas, espanholas e também portuguesas. Se caracteriza pela batida das mãos e pés.” É o que diz o blog do mesmo títuloe no XVIII Festival da Cultura Paulista “Revelando São Paulo” de 2014 e que foi objeto de postagem neste blog, pude assistir a algumas apresentações desta interessante dança, que teve um dia da programação dedicado a ela.

O que percebi,que é uma combinação de músicos, preferencialmente de duplas, com os dançadores que não necessariamente ficam dançando o tempo todo. Eles dançam a cada trecho da música, como explica o texto abaixo “Coreografia” e que podem depois visualizar no vídeo aqui postado.

E difícil a gente ver essas danças que representam o folclore do Brasil, salvo em festivais do gênero, como este promovido pelo grupo Abaçaí Cultura e Arte que, pelo visto, dedica-se a divulgação deste rico patrimônio do Brasil. Bem louvável! Fiz umas fotos que divulgo com os textos da Wikipedia e do blog “Catira-Dança Folclórica Brasileira”, cujas referências dou a seguir:

Revelando Sao Paulo 2014 folclore dança catira (23)

CATIRA – DANÇA FOLCLÓRIA BRASILEIRA

Texto do blog específico para o tema: catira-dancafolcloricabrasileira.blogspot

Origem

A catira ou cateretê é uma dança genuinamente brasileira.Ninguém sabe ao certo a verdadeira origem dessa dança, alguns acreditam que foi uma mistura de várias culturas como a africana,espanhola,índigena e portuguesa.Mas outras acreditam que foi uma forma encontrada pelos jesuítas para melhor entrosamento com os índios.

Dança

A dança, é muito chamativa devido ao seu vigor e sincronicidade, compõe-se de palmateios e sapateios ritmados que os catireiros executam, em duas fileiras – uma em frente à outra, formando pares.

*Coreografia

Para começar o Catira, o violeiro puxa o rasqueado e os dançadores fazem a “escova”, isto é, um rápido bate-pé, bate-mão e seis pulos. A seguir o violeiro canta parte da moda, ajudado pelo “segunda” e volta ao “rasqueado”. Os dançadores entram no bate-pé, bate-mão e dão seis pulos. Prossegue depois o violeiro o canto da Moda, recitando mais uns versos, que são seguidos de bate-pé, bate-mão e seis pulos. Quando encerra a moda, os dançadores após o bate-pé- e bate-mão, realizam a figura que se denomina “Serra Acima”, na qual rodam uns atrás dos outros, da esquerda para a direita, batendo os pés e depois as mãos. Feita a volta completa, os dançadores viram-se e se voltam para trás, realizando o que se denomina “Serra Abaixo”, sempre a alternar o bate-pé e o bate-mão. Ao terminar o “Serra Abaixo” cada um deve estar no seu lugar, afim de executar novamente o bate-pé, o bate-mão e seis pulos”. O Catira encerra-se com o Recortado, no qual as fileiras trocam de lugar e assim também os dançadores, até que o violeiro e seu “segunda” se colocam na extremidade oposta e depois voltam aos seus lugares. Durante o recortado, depois do “levante”, no qual todos levantam a melodia, cantando em coro, os cantadores entoam quadrinhas em ritmo vivo. No final do Recortado, os dançadores executam novamente o bate-pé, o bate-mão e os seis pulos.

*Essa é uma explicação de apenas uma forma das muitas que existem de dançar a Catira

Localização

Foi uma dança muito usada pelos catequistas, muito conhecida e difundida entre os caipiras do estado de São Paulo. Nas zonas litorâneas ( desde Angra dos Reis até a baía de Paranaguá) era dançado usando-se tamancos de madeira. Já nas zonas pastoris (Barretos, Guaratinguetá, Itararé, sul de São Paulo e Minas, Norte do Paraná e Goiás) usavam-se grandes esporas chilenas para retinir melhor o som. Em muitos locais desses estados, a dança era executada com os pés descalços. O catireiro procura sempre “pisar as cordas da viola”, termo que designa sincronia entre o toque do instrumento com o bater de pés e mãos.

(Consta do blog esta atribuição de autoria: “Essa postagem foi feita pelas alunas :Issis Silva,Rebeca Pombo,Rebeca Rego e Sthefanie Caires, do 8º ano A, turma Matutino do Instituto Francisco de Assis”. O perfil do blog: “Realização do trabalho de Arte sobre danças folclóricas brasileiras. Sob a direção do professor Orley Silva, aos alunos do 8º ano A.”)

– 0 –

Revelando Sao Paulo 2014 folclore dança catira (11)

CATIRA

conforme a enciclopédia livre – Wikipedia

A “Catira“, que também pode ser chamada de cateretê, é uma dança do folclore brasileiro, em que o ritmo musical é marcado pela batida dos pés e mãos dos dançarinos. De origem híbrida, com influências indígenas, africanas e europeias, a catira (ou “o catira”) tem coreografia executada na maioria das vezes por homens (boiadeiros e lavradores) e pode ser formada por seis a dez componentes e mais uma dupla de violeiros, que tocam e cantam a moda.

É uma dança típica do interior do Brasil, principalmente na área de influência da cultura sertaneja (Mato Grosso, norte do Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Tocantins e principalmente Goiás.

A coreografia da catira apesar de parecer semelhante varia bastante em determinados aspectos, havendo diferenças nitidas de uma região para outra. Normalmente é apresentada com dois violeiros e dez dançadores.

Origem

Segundo historiadores, a dança foi incutida no caminho das bandeiras, pois era praticada pelos peões dos Bandeirantes, e assim foi sendo defendida pelos peões por onde eles acampavam.

Diversos autores, entre eles Mario de Andrade, nos contam que a catira no Brasil, se originou entre os índios e que o Padre José de Anchieta, entre os anos de 1563 e 1597, a incluiu nas festas de São Gonçalo, de São João e de Nossa Senhora da Conceição, da qual era devoto. Teria Anchieta composto versos em ritmo de catira para catequizar índios e caboclos e a considerada própria para tais festejos, já que era dançada somente por homens, fato que se observa, ainda hoje, em grande parte do país. Atualmente, ela é dançada também por velhos e crianças.

Há, porém, os que dizem que ela veio da Oceania junto com os australianos e outros acham que é de origem alemã. O certo é que ela adquiriu características desses três grupos citados, podendo até ter recebido influências de outros povos que para o Brasil imigraram. A família Malaquias da região de Mato Grosso do Sul é uma das grandes divulgadoras da dança.

Evolução

A Catira em algumas regiões é executada exclusivamente por homens, organizados em duas fileiras opostas. Na extremidade de cada uma delas fica o violeiro que tem à sua frente a sua “segunda”, isto é, outro violeiro ou cantador que o acompanha na cantoria, entoando uma terça abaixo ou acima. O início é dado pelo violeiro que toca o “rasqueado”, toques rítmicos específicos, para os dançarinos fazerem a “escova”, bate-pé, bate-mão, pulos. Prossegue com os cantadores iniciando uma moda viola, com temática variada em estilo narrativo, conforme padrão deste gênero musical autônomo. Os músicos interrompem a cantoria e repetem o rasqueado. Os dançarinos reproduzem o bate-pé, bate-mão e os pulos. Vão alternando a moda e as batidas de pé e mão. O tempo da cantoria é o descanso dos dançarinos, que aguardam a volta do rasqueado.

Acabada a moda, os catireiros fazem uma roda e giram batendo os pés alternados com as mãos: é a figuração da “serra abaixo”, terminando com os dançarinos nos seus lugares iniciais. O Catira encerra com Recortado: as fileiras, encabeçadas pelos músicos, trocam de lugar, fazem meia-volta e retornam ao ponto inicial. Neste momento todos cantam uma canção, o “levante”, que varia de grupo para grupo. No encerramento do Recortado os catireiros repetem as batidas de pés, mãos e pulos. É uma dança trazida pelos boiadeiros, eles iam tocando os gados, rancho afora quando descobriram que no assoalho daquele rancho fazia um barulho interessante, eles brincavam de bate palmas e pés.

Vídeo do You Tube “Araguaia presente de Deus – Catireiros do Araguaia”

publicado por: Voa Viola – Festival Nacional de Viola

Revelando Sao Paulo 2014 folclore dança (13)

Revelando Sao Paulo 2014 folclore dança catira (22)

Revelando Sao Paulo 2014 folclore dança catira (18)

Revelando Sao Paulo 2014 folclore dança catira (21)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 707,399 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: