Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Macau: a ocupação portuguesa das ilhas de Taipa e de Coloane

Você sabia que a bandeira portuguesa só foi hasteada em definitivo na Ilha da Taipa em 1847, e a Ilha de Coloane foi ocupada militarmente pelos portugueses apenas em 1864? Como referência, os chineses cederam a península de Macau aos portugueses em 1557. Julgo que muitos talvez desconheçam esses detalhes.

Sobre isso, veja o que diz o  texto inserido no artigo “Fortalezas Extramuros, Baluartes e Fortins” de autoria de Beatriz Basto da Silva e publicado na Revista Macau em Janeiro de 1999:

Forte da Ilha da Taipa, ca. 1900

Forte da Ilha da Taipa, ca. 1900

SENTINELAS NAS ILHAS

Texto de autoria de Beatriz Basto da Silva do artigo “Fortalezas Extramuros, Baluartes e Fortins” – Revista Macau Janeiro de 1999

Forte da Taipa

O Forte da Ilha da Taipa (por um tempo residência de Verão do Governador) ainda hoje é identificado com fins de segurança já que, apesar de muito remodelado, ali se encontram instaladas Forças Policiais. Foi mandado edificar pelo Governador Ferreira do Amaral em 1847, quando se ocupou aquela Ilha. Os trabalhos de execução estiveram à responsabilidade do Ten. Pedro José da Silva Loureiro e o Governador mostrou-se satisfeito com a construção a que se referiu como Casa Forte da Taipa, e que guardava o canal entre esta Ilha e a de D. João, a ela oposta.

Mas os mandarins do Sul, logo que se iniciou a obra, mostraram-se avessos e disso deram parte ao Vice-Rei de Cantão.

Ferreira do Amaral esclareceu por ofício que se tratava de libertar a Ilha dos piratas que ali se açoitavam, afugentando o comércio de Macau, o que prejudicava portugueses e chineses.

O Vice-Rei não se deu por convencido e pediu a suspensão imediata da obra, mas Amaral acabou por convencê-lo, alegando não poder prescindir dos meios de defesa necessários à paz, à economia e bem-estar de Macau, tanto mais que estava a corresponder ao pedido expresso pelos habitantes da Ilha para que a ocupássemos militarmente.

Foi assim que em Setembro de 1847 a bandeira portuguesa foi arvorada pela primeira vez naquele Forte e Ilha.

O porto da Taipa passou a dispor de convidativa segurança para os navios estrangeiros que nos procuravam, tanto mais que o Forte, elevado a ocidente, face ao mar, era coadjuvado por uma embarcação da sua guarda que fazia a ronda durante a noite.

Junto a um dos muros existe um recinto e um monumento em memória das 188 vítimas da explosão da Fragata D. Maria, em 1848, quando se encontrava fundeada naquele ancoradouro.

Forte da Ilha da Taipa, ca 1900

Forte da Ilha da Taipa, ca 1900

O que era o Forte da Ilha da Taipa, em 1999

O que era o Forte da Ilha da Taipa, em 1999, após os ateros ficando o mar a longa distância do local.

Bateria de Coloane

A Ilha de Coloane foi ocupada militarmente em 1864. Assim o ordenou o Governador José Rodrigues Coelho do Amaral, conformando-se com o pedido de protecção solicitado às autoridades portuguesas pelos habitantes daquela Ilha, tal como tinham também solicitado os da Taipa.

Mas a sua bateria defensiva, construída perto do Templo Chinês, em frente da Ilha da Montanha, data apenas de 1884. Dispunha de uma só peça, um canhão de 32c. assente num rodízio, e destinava-se a proteger as pequenas povoaçoes vizinhas da pirataria que, escorraçada da Taipa, se tinha infiltrado naquela costa, cheia de esconderijos favoráveis às suas pilhagens.

A mais famosa utilização desta peça — e do reduto defensivo — coube paradoxalmente a um bando de piratas que se assenhoreou daquela posição e dali combateu as forças militares portuguesas.

A muito custo, mas enfim, os agentes da ordem acabaram por reduzi-los, depois de uma luta cerrada, em Julho de 1910. Libertaram-se ainda das suas mãos os indivíduos, adultos e crianças que tinham sequestrado para efeitos de posterior resgate.

Mas a presença dos piratas ficou para sempre a marcar a História desta Ilha, onde alguns pormenores toponímicos, como a Azinhaga dos Piratas e a Travessa dos Ladrões, documentam a sua passagem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.114.708 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Em Macau, celebração diferente do 13 de Maio Dia de Nossa Senhora de Fátima em 2020 devido à pandemia

Por medidas de precaução em função da pandemia do novo coronavírus Covid-19, a celebração do Dia de Nossa Senhora de Fátima, no dia 13 de Maio, foi diferente no mundo todo. Até que em Macau a celebração contou com a participação limitada de fiéis na missa realizada na Igreja de São Domingos, mais que no Santuário […]

Por detrás da foto oficial do Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019

Por detrás da foto oficial do Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2019

A sessão fotográfica nas Ruínas de São Paulo é tradição já há vários Encontros das Comunidades Macaenses, e não foi exceção na edição Macau 2019. Aconteceu no dia 26 de Novembro, uma terça-feira, por volta das 16 horas. Ao que parece, uma tradição chinesa em Macau, a foto oficial reuniu os participantes do Encontro de […]

Ruínas de São Paulo e as ruas de acesso à principal atração turística de Macau

Ruínas de São Paulo e as ruas de acesso à principal atração turística de Macau

Após 9 anos de ausência, desde o Encontro das Comunidades Macaenses de 2010, já no segundo dia da chegada a Macau para a edição de 2019, por saudades fomos visitar as Ruínas de São Paulo, mesmo sendo um Sábado quando se espera uma multidão de turistas do Continente da China que costumam congestionar as vias […]

%d blogueiros gostam disto: