Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Macau no século XVI: feitoria comercial

Padre Manuel Teixeira no seu livro “Primórdios de Macau”, faz o seguinte relato a respeito de feitoria comercial no ano de 1581:

FEITORIA COMERCIAL

De Padre Manuel Teixeira – em “Primórdios de Macau”

Num precioso documento de 1581, diz-se que Macau foi crescendo tão rapidamente “que tem hoje passante de dous mil vizinhos ( habitantes), havendo menos de vinte anos que se começou a povoar dos Portugueses(5), por dantes os não consentirem os chins na terra nem a outros estrangeiros alguns, e irá sempre pelo discurso do tempo aumentando-se cada vez mais, por ser esta Ilha uma escala geral de todas as mercadorias que da Índia vão para a China e Japão e outras partes daquele Oriente e delas vêm para a Índia.
Porque todos os navios estrangeiros, que vão a esta província de Cantão, hão-de ir surgir ao porto desta Ilha de Macau e dali fazem seus comércios com os da terra firme, por os não consentirem passar mais adiante(6), e por razão deste concurso de estrangeiros, que aqui há, concorrem das outras províncias de dentro do sertão da China muitas mercadorias de toda a sorte.
Do que tudo resulta ser esta povoação de Macau mui célebre em trato e haver nela muitíssimo concurso de várias mercadorias de todo Oriente.
Pelo que, assim por causa deste comércio que nela há, como por ser terra muito pacífica, se vai acrescentando por momentos em povo e grandeza, de maneira que se espera que em mui breve tempo venha a ser uma das mais ricas e prósperas cidades daquelas partes.
Os moradores da qual são quase todos portugueses e outros cristãos mestiços e naturais da terra, os quais, posto que a terra seja de El-Rei da China, que tem seus oficiais que recebem os direitos que se ali pagam, são governados pelas leis e ordenações deste Reino de Portugal”.
(5) Com a mudança dos portugueses de Lampacao para Macau, a população aumentou muito.
(6) Os navios ancoravam no porto da Taipa Pequena.

Carta da Ásia Oriental de Fernão Vaz Dourada (1571)

Carta da Ásia Oriental de Fernão Vaz Dourada (1571)

Um comentário em “Macau no século XVI: feitoria comercial

  1. Pingback: Macau no século XVI: feitoria comercial | Crônicas Macaenses | AICL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.462.099 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: