Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Macau vivia só do comércio no século XVII

No século XVI e XVII Macau vivia só do comércio, conforme explica Padre Manuel Teixeira no livro “Primórdios de Macau”. Leiam:

MACAU VIVIA SÓ DO COMÉRCIO

de Padre Manuel Teixeira – livro Primórdios de Macau edição de 1990 do Instituto Cultural de Macau

O comércio rendoso era o do Japão; mas iam também anualmente corvetas, juncos, fragatas e barcos pequenos a Manila, Tonquim, Anam, Chiampa, Camboja (reinos da Indochina), Macassar, Solor e Timor (na Indonésia).

Marco d’Avalo informava, em 1638: “Esta cidade de Macau, ainda contém algumas belas lojas chinesas, como também um grande número de chineses que vendem roupas e artigos de seda, de porta em porta.

Quando estes chineses ouvem dizer que chegou um estrangeiro de além-mar, trazendo frete consigo, vão às suas instalações diariamente a fim de venderem os seus produtos e em tais grupos e com tanto zelo que têm de ser postos fora de casa por meio de força, sendo a Nação mais cobiçosa e avara aonde a prata e o dinheiro dizem respeito.

Pelas razões acima apontadas, parece-me que Macau pode justamente ser considerada a melhor, a mais forte e a mais rendosa das possessões portuguesas nas Índias, tendo eu visitado a maioria delas.

O negócio que ali se faz consiste em ouro, de acordo com o toque; prata refinada, seda crua branca; mercadorias manufacturadas sem conta; laça dourada; pérolas; rubis; almíscar, azouge; zinco; linda porcelana chinesa; raízes chinesas; ruibarbo.”

Note-se que, de 1557 a 1578, o comércio se fazia em Macau, onde se vendiam as mercadorias e se comprava seda para levar ao Japão; só esporadicamente iam a Cantão. Mas, em 1578, os nossos começaram a ir regularmente a Cantão. Ali havia uma feira anual mas, em 1580, a feira passou a abrir-se duas vezes ao ano.

Macau em 1640

Macau em 1640

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.238.017 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Hércules António e suas filmagens dos anos 50 e 60

Foi graças a um dvd distribuído por um dos seus filhos, que possibilitou ao Projecto Memória Macaense – PMM montar diversos vídeos filmados por Hércules António que nos trazem velhas e memoráveis lembranças daquela Macau antiga que mora no coração dos macaenses e daqueles que tiveram vivência no território. Os vídeos publicados no YouTube nos […]

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

“Macau linda” música adaptada por J. J. Monteiro, foi interpretada por Rubye de Senna Fernandes

No livro “Meio Século em Macau” de J. J. Monteiro (José Joaquim Monteiro) composto por dois volumes, nas últimas páginas do Volume II estão as letras da canção “Macau (linda)”, que infelizmente não temos a gravação e nem se sabe se houve, talvez nos arquivos pessoais de algum macaense ou familiares. Trata-se de uma música […]

Brasão de Armas de Macau

Brasão de Armas de Macau

Os Brasões de Macau portuguesa são todos inspirados nos estilos heráldicos tradicionais da Europa. O primeiro brasão de armas de Macau foi usado até ao final do século XIX. É apenas constituído pelas armas de Portugal cercado pela inscrição Cidade do Nome de Deus, Não Há Outra Mais Leal. O segundo brasão de armas foi […]

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: