Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Gastronomia macaense: Cecília Jorge fala sobre a ‘Capela” e dá a receita

‘Capela’ é um dos mais populares pratos da gastronomia macaense e a Cecília Jorge faz o seu comentário e dá a receita. Como diz, tem muita variação na sua confecção, e posso dizer que a receita preparada pela minha irmã Yolanda difere um pouco mas é muito deliciosa. Vejamos:

Capela

Capela

CAPELA

autoria de Cecília Jorge (Macau) – artigo publicado na Revista Macau edição Maio 1992

A capela é um assado. O nome, deve-o, segundo várias versões ouvidas, à sua forma circular que faz lembrar uma capela, ou, na opinião de outros, ao facto de trazer uma espécie de pequena capa (capela) formada pela crosta de queijo e pão ralados, com ameias de toucinho.

Trata-se de um prato extremamente aromático e de confecção fácil, desde que a carne de porco seja bem escolhida. Da perna do animal, totalmente magra e tenra, sem veios. A única gordura, que a leva como convém a todos os assados para não secar em demasia, vai por cima, a enfeitar.

Como tantas outras receitas de Macau em que cada um tem a sua maneira de a cozinhar, a diferença nas muitas receitas de capela encontradas, quer lidas quer ouvidas ou sopradas a correr, muito laconicamente, está nos ingredientes. Quanto ao seu aspecto, mantém-se, havendo apenas quem lhe dê a forma redonda, para facilitar

Desde a receita mais simples, que apresentamos, até à mais elaborada, a lista dos ingredientes inclui azeitonas (pretas ou verdes) descaroçadas e picadas, amêndoas, pinhões, cebola da índia ou mesmo amendoim e chouriço picado. O queijo, pode ser parmesão ou holandês, tendo encontrado mesmo uma versão, em Portugal, com um leve toque picante do queijo da Ilha de S. Jorge. Verifica-se unanimidade quanto ao acompanhamento: arroz branco cozido sem sal.

Quando sobra, a capela constitui uma óptima alternativa às carnes frias.

 A RECEITA DE CECÍLIA JORGE

CAPELA

(Dose para oito pessoas)

Carne de porco magra: 1 quilo

queijo ralado: 250 gramas

azeitonas picadas: 50 gramas

toucinho gordo: 6 a 8 tiras, finas

ovos: 1 inteiro, e duas gemas

miolo de pão (demolhado e espremido): 10 gramas q.b.(a gosto)

pão ralado, sal, pimenta

limão

Pica-se a carne de porco e coloca-se numa malga grande. Tempera-se com pouco sal, pimenta e umas gotas de limão. Mistura-se bem com os restantes ingredientes, deixando apenas ficar de fora um pouco de queijo ralado, as duas gemas de ovo e as tiras de toucinho (cortadas com as dimensões de 1X20 cm).

Pode-se formar a capela de duas maneiras: enrolando a massa na mesa da cozinha e unindo as duas extremidades do rolo, para fechar o anel, ou servindo-se da mesma malga e comprimindo bem a massa, abrindo depois um buraco ao meio que se vai aperfeiçoando e alisando, para formar o anel.

A capela é colocada numa forma levemente oleada ou num prato de ir ao forno; enfeitada com as tiras de toucinho, pintada com as gemas batidas e polvilhada com o pão ralado e metade do queijo que sobrou, antes de ir cozer em forno moderado. O resto do queijo é colocado antes de servir.

A cozedura leva cerca de 45 minutos e convém deixar secar bem o molho que a carne costuma deitar, para que a capela se apresente enxuta e com uma crosta aloirada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 02/02/2015 por em Capela, Cecília Jorge e marcado , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.408.219 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

Macau em 1997 – entrevista com Anabela Ritchie sobre a transição da soberania em 1999

Macau em 1997 – entrevista com Anabela Ritchie sobre a transição da soberania em 1999

A recordar os tempos que antecederam a transição da soberania de Macau para a República Popular da China que ocorreu em 20 de Dezembro de 1999, transcrevemos em três postagens, as entrevistas concedidas ao Diário de Notícias em 1997 e que foram publicadas no antigo website A-Ma Gau – Ecos de Macau. Nesta postagem, a […]

%d blogueiros gostam disto: