Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Igreja da Ordem Terceira do Carmo de São Paulo do século XVIII

Igreja Terceira do Carmo (28)

A Igreja da Ordem Terceira do Carmo (São Paulo) é uma igreja de aparência simples externamente, porém surpreende com a riqueza e beleza do seu interior que foi todo reformado recentemente, ainda mais por estar localizada no centro de São Paulo, ao lado da Praça da Sé e da monumental Catedral de São Paulo. Conheça-a:

Igreja Terceira do Carmo (31)

Igreja da Ordem Terceira do Carmo (São Paulo)

(Wikipédia) A Igreja da Ordem Terceira do Carmo, também chamada de Capela da Venerável Ordem Terceira do Carmo, ou ainda Capela dos Terceiros do Carmo, localiza-se no centro da cidade de São Paulo, no Brasil. Foi fundada na segunda metade do século XVII por um grupo de leigos, a maioria bandeirantes, como uma capela contígua à Igreja de Nossa Senhora do Carmo, inaugurada em 1592 e demolida em 1928.

A edificação atual foi erguida em taipa de pilão, entre 1747 e 1758. Entre 1772 e 1802, foi ampliada e ganhou um novo frontispício, executado por Joaquim Pinto de Oliveira, o “mulato Tebas”, escravo do mestre-de-obras Bento de Oliveira Lima, responsável por outras obras da arquitetura religiosa da São Paulo colonial. Em 1929, o templo passou por uma ampla reforma, sendo parcialmente reconstruído.

A Igreja do Carmo abriga um representativo conjunto da arte colonial paulista, destacando-se as pinturas dos tetos da capela-mor e do coro, de autoria do mestre ituano Frei Jesuíno do Monte Carmelo, além do altar rococó do século XVIII e painéis do demolido Recolhimento de Santa Teresa. É tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo órgão congênere do município (CONPRESP).

Fica localizada na Avenida Rangel Pestana, 230, centro, ao lado da Secretaria da Fazenda, Poupatempo Sé e a 8 minutos do Parque Dom Pedro. Por metrô, descer na estação Sé.

Fotografia de/photos by Rogério P.D. Luz – clicar nas fotos menores para ampliar

Igreja Terceira do Carmo (02)

Igreja Terceira do Carmo (22)

Nas paredes laterais as esculturas de madeira do século XIX chamam a atenção. É o Cristo da Pedra Fria. É a imagem, tristemente mutilada, do Cristo levando a cruz. É o Ecce Homo (o Cristo de pé com as mãos atadas). É Nosso Senhor Jesus Cristo na cruz. É Jesus no horto, vencendo a dor e a morte. (origem: http://www.partes.com.br – Lincoln Secco)

O forro da nave foi feito pelo padre Jesuíno do Monte Carmelo (1798), discípulo de Silva Manso.

Igreja Terceira do Carmo (12)

A igreja abriga obras expressivas da arte colonial paulista com o altar rococó de madeira do século 18, com a imagem de Nossa Senhora das Dores, trajada com vestes de seda bordadas de ouro.

Igreja Terceira do Carmo (15)

Igreja Terceira do Carmo (20)

Sobre o altar rococó de madeira do século 18 está o túmulo de Pedro Dias, pai de Fernão Dias, importante bandeirante paulista. Uma cadeira usada pelo imperador d. Pedro 2º em uma visita foi preservada e segue na igreja.

Pintura restaurada no teto “Nossa Senhora com o Menino e Santa Teresa” (1785), de José Patrício da Silva Manso.

Igreja Terceira do Carmo (17.1)

Igreja Terceira do Carmo (17)

 

Igreja Terceira do Carmo (16.1)

 

Igreja Terceira do Carmo (01)

 

Igreja Terceira do Carmo (33)

* Parte de textos explicativos originários da UOL/Folha.

Anúncios

2 comentários em “Igreja da Ordem Terceira do Carmo de São Paulo do século XVIII

  1. Beatriz
    02/05/2018

    Me casei nesta Igreja recentemente, não me arrependo nenhum pouco! Igreja belíssima, como poucas que se tem hoje.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 954.860 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

‘A promoção do ‘Dia do Patuá’ é um esforço para preservar o dialecto na Comunidade Macaense da Califórnia, nos Estados Unidos da América do Norte’ é o que define Henrique Manhão da Casa de Macau dos EUA. Diz, conciliando com o pensamento de outros membros da comunidade presente, ‘enquanto houver apoio de Macau, o patuá não […]

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Jorge Giga Robarts, macaense residente em Portugal, atendendo ao pedido de um conterrâneo, identifica as pessoas que estão numa fotografia enviada, informando ter sido tirada em Dezembro de 1953 em Macau. A 2ª imagem com legenda e que lista as pessoas da foto, foi editada para apenas mostrar o que escreveu quanto à identificação, excluindo […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

%d blogueiros gostam disto: