Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

13 de Maio de 1917, a 1ª Aparição de Fátima

Era uma Senhora mais brilhante que o sol …” é o título do livro escrito por Padre João de Marchi que nas suas 319 páginas, fala a respeito das Aparições de Fátima e dos três pastorinhos, Lúcia de Jesus dos Santos e seus primos Francisco Marto e Jacinta Marto (na foto, na mesma ordem a partir da direita).  No trecho abaixo, está o relato da 1ª Aparição de Nossa Senhora ocorrida em 13 de Maio de 1917:

… Os sinos a repicar na igreja da Fátima chamando para a Missa, diziam-lhes que o meio-dia estava perto. Abriram então os farneis melhorados pela sra. Maria Rosa e a sra. Olímpia com qualquer coisita a mais em honra do dia; benzeram-se, recitaram um Pai-Nosso pelas almas das suas obrigações e comeram, conservando, todavia, uns restos para mais tarde, antes de se pôrem a caminho da casa. Deram graças e, tirando o terço do bolso, puseram-se a rezá-lo.

Do Céu a Virgem devia atender, nesse dia, com particular ternura aquela prece inocente.

Enxotaram, em seguida, as ovelhas mais para o alto e lá foram a construir talvez a sua centéssima casa. O Francisco, o homenzinho, é arquitecto e pedreiro; a irmãzita e a prima, serventes. Uns minutos apenas e já uma paredita forma um círculo em torno duma moita. E a construção teria prosseguido; nem ao hábil mestre de obras falta a iniciativa, nem às ajudantes robustez de músculos para acarretar as pedras…

Mas eis que o reflexo vivíssimo duma luz, que os pastoritos por falta de outros termos mais apropriados chamarão relâmpago, vem estorvar os seus interessantes projectos, as suas construções.

Os pequenos, largando as pedras, entreolham-se assustados: sabem que aos relâmpagos se seguem trovões. Levantam os olhos para o céu a interrogá-lo.

Nem do Nascente, nem do lado de Santa Catarina o mínimo indício de temporal: não há a mais tênue nuvem a empanar a imensidade azul de cobalto; não sopra a mais leve aragem.

Um sol esplendoroso, uma atmosfera quente, uma calma grave.

Lúcia, como sempre, comanda as manobras:

— É melhor irmo-nos embora para casa. Estão a fazer relâmpagos e pode vir trovoada.

— Pois sim — concordam os primos.

Outro clarão mais forte, mais intenso lhes tolhe os movimentos. Quais autômatos, avançam uns passos e movidos, sem saber porque, espontânea e simultaneamente, voltam-se para a direita.

Sobre a copa duma pequena azinheira uma aparição celeste barra-lhes o horizonte. No auge da surpresa, continuam imóveis, envoltos na luz que a visão irradia.

Era uma Senhora vestida de branco — assim no-la descreve a Lúcia —mais brilhante que o sol, espargindo luz mais clara e intensa que um copo de cristal cheio de água cristalina, atravessado pelos raios mais ardentes do sol.

Surpreendidos pela Aparição, os pequenos fixam os olhos extasiados na doce Senhora que com voz suavíssima, toda maternal, os tranquiliza:

— Não tenhais medo, Eu não vos faço mal.

E sorri-lhes tristemente, como que a censurar-lhes esta falta de confiança nela, a dulcíssima Mãe do Céu. Lúcia, então, anima-se a perguntar-lhe:

— Donde é Vocemecê?

— Sou do Céu.

E a bela Senhora ergue a mão a indicar o firmamento azul, por detrás do qual se escondia a sua morada de luz.

— E que é que Vocemecê me quer? — continua Lúcia, mais afoita.

— Vim para vos pedir que venhais aqui, seis meses seguidos, no dia 13, a esta mesma hora. Depois direi quem sou e o que quero. E voltarei aqui ainda uma sétima vez.

Uma Senhora que vinha do Céu — pensa a Lúcia. O Céu!… Como devia ser lindo o Céu!

— E eu também vou para o Céu ?

A voz agora treme-lhe levemente.

— Sim,  vais — assegura-lhe  a   Senhora.

— Que  bom! — diz  consigo a Lúcia.

Mas mesmo assim, não quer ir sozinha para o Céu. E pensa, em primeiro lugar, nos primitos.

— E a Jacinta?

— Também.

O coração da Lúcia dilata-se a ponto de parecer estalar-lhe.

— E o Francisco?

— Também irá, mas terá de rezar muitos terços.

Desta vez os olhos puríssimos daquela visão resplandecente poisam sobre o zagalete, numa magoada censura de qualquer coisa que a nós não é dado conhecer. Falta desconhecida?… Habituados a ver as coisas com os nossos olhos carnais que só vêem as grandes manchas, não sabemos que os olhos de Deus, também no Oceano de luz que é o sol, encontram sombras.

Embora atingido pela mesma claridade que envolvia a Lúcia e a Jacinta,, Francisco ainda não via a divina Aparição. Ouvia, sim, a Lúcia falar, mas nada da voz da Senhora.

O pensamento do Céu é o que mais absorve a Lúcia. O Céu!… Ela estava já segura de lá chegar um dia, e os primitos também… Que bom! Mas logo uma dúvida a atormenta. Recentemente tinham falecido duas raparigas de Aljustrel que freqüentavam a sua casa para aprender com as irmãs a coser e a tecer.

— E a Maria do Rosário do José das Neves está no Céu? —pergunta .ansiosa.

— Sim — respondeu a Senhora.

— E a Amélia?

— Ainda está no Purgatório.

Que tristeza! E os olhos da Lúcia enchiam-se de lágrimas. É então que .a Senhora, qual mãe amargurada, pede aos pequenos:

— Quereis oferecer-Vos a Deus para suportar todos os sofri¬mentos que Ele quiser mandar-vos, em acto de reparação pelos pecados  com  que  é  ofendido  e  de  súplica  pela  conversão  dos pecadores?

Por todos, respondeu a Lúcia com decidida singeleza:

— Sim, queremos!

Desde aquele momento os três pastorinhos começaram a ser heróis.

— Ides pois ter muito que sofrer, mas — promete a Senhora — a graça de Deus será o vosso conforto.

Ao pronunciar estas palavras —comenta a Lúcia — abriu as mãos comunicando-nos uma luz muito intensa — como um reflexo que delas expedia penetrando-nos no peito e no mais íntimo da alma e fazendo-nos ver a nós mesmos em Deus, que era essa luz, mais claramente do que nos vemos num espelho. Então, por um impulso íntimo também comunicado, caímos de joelhos e repetimos intimamente:

Ó Santíssima Trindade, eu Vos adoro. Meu Deus, meu Deus, eu Vos amo no Santíssimo Sacramento.

Ficaram assim instantes naquele mar de luz em que a Virgem os tinha mergulhado.

— Rezai o terço todos os dias — acrescenta a branca Senhora. — para alcançar a paz para o mundo e o fim da guerra.

O que é a guerra?… o que é a paz?… Os pequenos talvez não o saibam: mas a Virgem lê de novo nos seus coraçõezinhos e nos olhos inocentes, deslumbrados, o consentimento.

E assim terminou o primeiro colóquio da bondosa Rainha do Céu com os três serranitos portugueses.

Começou então — continua a Lúcia — a elevar-se serenamente, subindo em direcção do Nascente, até desaparecer na imensidade do espaço, circundada duma vivida luz que ia como que abrindo caminho no cerrado dos astros.

Os pequenos permaneceram ainda algum tempo encantados, de olhar cravado no Céu, no ponto em que se sumira a Celeste Visão.

Quando voltaram a si e olharam em volta, em procura do gado, qual não foi a sua alegria, observando que as ovelhas, tran¬quilamente, iam roçando à sombra das azinheiras as ervinhas cres¬cidas entre o tojo.

Sem mais receio de trovões, passaram a tarde naquela Cova abençoada, relembrando e saboreando os mínimos particulares do extraordinário acontecimento.

Uma exuberante alegria enchia a alma e transbordava do coração da Jacinta; uma alegria mesclada de tristeza fazia de vez em quando calar pensativa a Lúcia.

CASA DA FAMÍLIA DA LÚCIA

CASA DA FAMÍLIA MARTO, DE FRANCISCO E JACINTA

OS VALINHOS ONDE A VIRGEM APARECEU EM 19 DE AGOSTO DE 1917

O SANTUÁRIO DE FÁTIMA NA NOITE DE 13 DE OUTUBRO DE 1954

A IRMÃ LÚCIA NO QUINTAL DA CASA PATERNA COM O AUTOR DO LIVRO, PADRE JOÃO DE MARCHI, E AS SOBRINHAS

A FOTO EXPÕE A VISTA DE DOIS TERÇOS DA MULTIDÃO PRESENTE À CERIMÓNIA DE ENCERRAMENTO DO ANO SANTO NO ANO DE 1951, EM FÁTIMA, QUE FOI CALCULADO EM 800.000 PESSOAS

EXUMAÇÃO DOS RESTOS MORTAIS DA SERVA DE DEUS JACINTA MARTO

EXUMAÇÃO DO SERVO DE DEUS, FRANCISCO MARTO

*Fotos e suas legendas copiadas do livro.

*Republicação de postagem de 13/05/2012

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 724,120 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: