Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Marcas deixadas pelos portugueses no Japão desde o século XVI

Os portugueses estiveram no Japão nos séculos XVI e XVII. Veja algumas marcas deixadas e que perduram até a atualidade:

MARCAS DE UM VELHO ENCONTRO

Artigo de autoria de Ribeiro Cardoso publicado na Revista Macau edição de Setembro de 1993

Desde 1543, e fundamentalmente durante um século, os portugueses exerceram grande influência no arquipélago — e deixaram marcas que, nalguns casos, ainda perduram.

É geralmente aceite a data de Setembro de 1543 como sendo a do primeiro encontro entre portugueses e japoneses, quando três marinheiros lusitanos a bordo de um junco chinês aportaram à ilha de Tanegashima levando consigo a famosa espingarda que tanto fascinou os nipónicos.

De um modo sintético, e socorrendo-nos de um trabalho feito por Kol de Carvalho, actual (em 1993) adido cultural da embaixada portuguesa em Tóquio, eis algumas das mais significativos marcas desse encontro que agora (em 1993) comemora o seu 450° aniversário (472 anos em 2015).

  • Espingarda

Os portugueses introduziram a espingarda no Japão, cujos habitantes desconheciam por completo as armas de fogo, logo quando deram à costa na ilha de Tanegashima, em 1543. Hoje, aí se celebra todos os anos o festival da espingarda, com a finalidade de recordar esse primeiro contacto entre portugueses e japoneses (para estes, o primeiro contacto com o Ocidente).

Japão legado português 03

Museu da Espingarda em Tanegashima (foto de Leong Ka Tai)

Os japoneses rapidamente copiaram a espingarda portuguesa e iniciaram o seu próprio fabrico, o que veio a alterar profundamente o equilíbrio militar da época, tendo este facto tido uma influência decisiva na unificação do Japão (na altura há mais de 100 anos de guerra civil permanente) sob  a égide de um só senhor.

Em Tanegashima existe um museu onde estão conservadas a primeira espingarda portuguesa e a primeira cópia japonesa.

Festival da Espingarda em Tanegashima (foto de Leong Ka Tai)

Festival da Espingarda em Tanegashima (foto de Leong Ka Tai)

  • Influência na língua japonesa

Cerca de 200 palavras da língua japonesa derivam de palavras portuguesas, algumas das quais já se não usam no português moderno.

Entre as mais correntes registam-se: Pan (pão), Botan (botão), Kappa (capa, gabardina ligeira), Tabako (tabaco), Bidoru (vidro), Koppu (copo), Bisuketo (biscoito), Shabon (sabão — só usado por pessoas de idade), Deusu (deus), Mia (missa), Iesusu (Jesus) e Rozario (rosário).

  • Estudo da língua japonesa

De referir que foram os portugueses pioneiros no estudo da língua japonesa. O primeiro dicionário de japonês conta-se entre os Amakusa-hon e a primeira gramática de língua japonesa é da autoria do jesuíta luso João Rodrigues.

  • Medicina

A medicina ocidental foi introduzida no Japão pelo padre Luís de Almeida em 1556. Realizou em Oita (Kyushu, no Sul do país) a primeira operação feita no arquipélago. Fundou na mesma região uma escola de Medicina e a primeira escola de cirurgia do Japão. Em Bungo (Kyushu) fundou também a primeira leprosaria. Em Oita há hoje um hospital com o nome de Luís de Almeida.

  • Assistência Social

Este padre Luís de Almeida foi igualmente quem introduziu o conceito de assistência social, ao fundar em Oita um Centro de Caridade e um dispensário de leite para crianças. Os japoneses não tinham por hábito consumir leite.

Monumento a Luís de Almeida (foto de Ricardo Fonseca)

Monumento a Luís de Almeida (foto de Ricardo Fonseca)

  • Estudo da língua japonesa

De referir que foram os portugueses pioneiros no estudo da língua japonesa. O primeiro dicionário de japonês conta-se entre os Amakusa-hon e a primeira gramática de língua japonesa é da autoria do jesuíta luso João Rodrigues.

  • Cristianismo

O trabalho de difusão do cristianismo foi conduzido principalmente pela Companhia de Jesus e começou com S. Francisco de Xavier, que chegou ao Japão em 1549. Permaneceu no arquipélago 27 meses (até 1551) tendo convertido milhares de japoneses à fé cristã.

Igreja de Ouro em Nagasáqui (foto de Ricardo Fonseca)

Igreja de Ouro em Nagasáqui (foto de Ricardo Fonseca)

Pormenor do altar evocativo dos 27 mártires de Nagasáqui (foto de Ricardo Fonseca)

Pormenor do altar evocativo dos 27 mártires de Nagasáqui (foto de Ricardo Fonseca)

  • Impressão
Japão legado português 07

Foto de Ricardo Fonseca

As técnicas de impressão também foram introdu­zidas por nós, pois os jesuítas portugueses funda­ram em 1592 em Amakusa (ilha junto de Kyushu) o chamado Colégio de Amakusa no qual ministravam um curso de 10 anos. Anexo a este Colégio estava uma tipografia onde foram feitos os primeiros trabalhos de impressão no Japão. A colecção de livros impressos nesta tipografia tem a designação genérica de Amakusa-hon (livros de Amakusa), e entre eles conta-se o famoso dicionário de Latim-Português-Japonês. Actualmente existe, nesta ilha, um museu dedicado ao Colégio Amakusa, onde está exposta uma réplica da primeira máquina de impressão que os Jesuítas levaram para o Japão.

  • Alimentação
Japão legado português 08

Foto de Leong Ka Tai

Os nossos antepassados introduziram alguns do seus hábitos alimentares. O prato japonês Tempura, semelhante ao nosso “peixinhos da horta”, encontra as suas origens na culinária portuguesa da época das tempuras.

Por outro lado, em todo o Japão é muito apreciado o Kastera, um bolo muito parecido com o nosso “Pão de Ló”. O nome japonês, dizem os entendidos, deve derivar do Tão de Ló Castelar”.

 

Além disso, foram os portugueses a introduzir no Japão o consumo de carne. Baka deriva de vaca e designa não o animal mas sim a carne utilizada na alimentação.

Japão legado português 09

Foto de Leong Ka Tai

  • Geografia

Foram os navegadores lusos quem transmitiu aos japoneses a ideia de que a Terra era redonda e quem introduziu no arquipélago as técnicas ocidentais de cartografia.

Japão legado português 10

Nau portuguesa à entrada de um bairo cristão em Nagasáqui (foto de Ricardo Fonseca)

Nau portuguesa à entrada de um bairo cristão em Nagasáqui (foto de Ricardo Fonseca)

  • Artes

A nosso crédito está igualmente a introdução das técnicas ocidentais de pintura bem como o desenho a carvão. Na altura surgiu também no Japão toda uma arte nova e diferente chamada “Arte Namban”, inspirada na presença portuguesa e no cristianismo.

Biombo evocativo da Guerra de Osaka (foto de Ricardo Fonseca)

Biombo evocativo da Guerra de Osaka (foto de Ricardo Fonseca)

* Fotos cedidas pela Embaixada de Portugal no Japão

Anúncios

Um comentário em “Marcas deixadas pelos portugueses no Japão desde o século XVI

  1. Pingback: Marcas deixadas pelos portugueses no Japão desde o século XVI | Crônicas Macaenses | AICL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 954.860 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

‘A promoção do ‘Dia do Patuá’ é um esforço para preservar o dialecto na Comunidade Macaense da Califórnia, nos Estados Unidos da América do Norte’ é o que define Henrique Manhão da Casa de Macau dos EUA. Diz, conciliando com o pensamento de outros membros da comunidade presente, ‘enquanto houver apoio de Macau, o patuá não […]

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Jorge Giga Robarts, macaense residente em Portugal, atendendo ao pedido de um conterrâneo, identifica as pessoas que estão numa fotografia enviada, informando ter sido tirada em Dezembro de 1953 em Macau. A 2ª imagem com legenda e que lista as pessoas da foto, foi editada para apenas mostrar o que escreveu quanto à identificação, excluindo […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

%d blogueiros gostam disto: