Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Igreja Nossa Senhora Achiropita, no bairro do Bixiga em São Paulo

Igreja Nossa Senhora Achiropita

Igreja Nossa Senhora Achiropita

A Paróquia Nossa Senhora Achiropita, conhecida pela Festa da Padroeira que é realizada anualmente durante o mês de agosto, foi oficializada em 1926, porém com o nome de São José do Bixiga. Foi uma decisão do arcebispo diante da rivalidade existente entre os imigrantes italianos que se instalaram na região, pois aqueles que vieram da Calábria, tinham devoção pela Madona (Nossa Senhora) Achiropita, enquanto que os oriundos do sul da Itália, os cerignolanos, eram devotos de Nossa Senhora da Ripalta. Assim, cada grupo reivindicava a sua Santa como Padroeira.

No entanto a devoção por Nossa Senhora Achiropita foi crescendo entre os moradores do Bixiga, e além de tudo a igreja foi construída no lugar onde se encontrava uma capela dedicada à Santo. Diante da situação, o vigário pediu ao arcebispo para que mudasse de Padroeiro, o que foi aceito, e em junho de 1949 a igreja mudou de nome para Paróquia Nossa Senhora Achiropita.

A data comemorativa da Padroeira é no dia 15 de agosto, tanto que nos finais de semana do mês ocorre a Festa Nossa Senhora Achiropita amplamente divulgada pelos meios de comunicação, o que atrai milhares de pessoas ao bairro do Bixiga. Aliás, Bixiga não é nome oficial do bairro que se chama Bela Vista, mas popularmente assim é conhecida (veja mais abaixo a origem do nome).

(Fotografia de/photos by Rogério P.D. Luz – fotos feitas antes e após a missa de domingo)

Igreja Nossa Senhora Achiropita 10

Igreja Nossa Senhora Achiropita 08

Conheça a história da devoção à Nossa Senhora Achiropita, extraída do site oficial da Paróquia:

Nossa Senhora Achiropita

Nossa Senhora Achiropita

História de Nossa Senhora Achiropita

“No ano de 580 um certo capitão Maurício enfrentou uma grande tempestade em alto mar. Gritava por socorro a Nossa Senhora e prometeu que, se fosse salvo com sua tripulação, construiria um santuário em sua homenagem. Desviado pelos ventos, por milagre, conseguiu salvar-se e, na aldeia em que atracou, encontrou um monge que lhe disse: “Não foram os ventos que o trouxeram para este lugar. Foi Maria, para que lhe construa um santuário, quando o senhor for eleito imperador”. A profecia cumpriu-se e o santuário foi construído em Rossano – Calabro.

Um artista da região iniciou uma pintura da imagem de Maria. Ocorria, no entanto, que tudo o que pintava durante o dia, desaparecia durante a noite. Assim, colocaram um vigilante para impedir a entrada de possíveis intrusos, que estivessem danificando a pintura.

Numa certa noite, uma formosa mulher, com uma criança no colo, pediu para entrar e rezar. Após insistir, obteve a permissão. Que mal poderia fazer aquela gentil senhora?

Passaram longos minutos e a mulher não saía da igreja. Quando o vigilante entrou, viu a imagem da mulher e do menino estampada no lugar da pintura. Por esta razão o vigilante saiu gritando pelas ruas: Nossa Senhora Achiropita! Nossa Senhora Achiropita! (A-kirós-pita – não pintada por mãos humanas).

Esta é a devoção Mariana que nossos irmãos italianos trouxeram para o Brasil e que nós veneramos como protetora e Mãe de nossa comunidade. Sua festa é celebrada no dia 15 de agosto, dia da Assunção de Nossa Senhora. No Brasil, só existe uma igreja dedicada a Nossa Senhora, com o título de Achiropita que se encontra em São Paulo no bairro da Bela Vista – Bixiga. Sua festa é a maior comemoração religiosa da cidade. Que a Mãe de Deus, Achiropita, nos proteja como filhos e cuide de nós com amor!” (Fonte: Paróquia Nossa Senhora Achiropita)

Igreja Nossa Senhora Achiropita 05

Igreja Nossa Senhora Achiropita 09

A Igreja Nossa Senhoa Achiropita num dia de festa, na Rua 13 de Maio

A Igreja Nossa Senhora Achiropita em dia de festa na Rua 13 de Maio

Bixiga (Wikipédia): O primeiro registro de ocupação da área é de 1559, como Sítio do Capão, de propriedade do português Antônio Pinto, e mais tarde passou a chamar-se Chácara das Jabuticabeiras, por causa do alto número de árvores dessa espécie. Nos anos 1820 um homem conhecido como Antônio Bexiga, por causa de suas cicatrizes de varíola (popularmente conhecida como “bexiga”), comprou as terras, o que é a explicação para o nome do bairro.

Por volta de 1870 Antônio José Leite Braga decidiu lotear parte de sua “Chácara do Bexiga”. O loteamento já estava anunciado em 23 de junho de 1878 e foi inaugurado em 1 de outubro do mesmo ano, com a presença do imperador Pedro II, lançando a pedra fundamental de um hospital que, no entanto, jamais foi construído. Lotes pequenos e baratos interessaram aos imigrantes italianos, pobres e recém-chegados ao Brasil, a maior parte deles vindos da Calábria, que não se interessavam por dirigir-se aos cafezais do interior do estado.

Com o intuito de afastar o sentido pejorativo do apelido dado ao bairro, seus moradores passaram a mudar a grafia de Bexiga para Bixiga. Outra explicação para a grafia seria uma adaptação ao jeito coloquial de se falar.

Igreja Nossa Senhora Achiropita 13

Anúncios

Um comentário em “Igreja Nossa Senhora Achiropita, no bairro do Bixiga em São Paulo

  1. Pingback: Festa de Nossa Senhora de Achiropita de 2015 em São Paulo | Crônicas Macaenses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 707,530 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: