Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

A lenda da rocha T’ai Ut do Templo da Barra em Macau

Talvez na sua visita ao Templo da Barra, também conhecido por Templo da deusa Amá, que se atribui a origem do nome de Macau, você não tenha dado a devida importância àquela rocha com a inscrição dos caracteres chineses da foto abaixo.

Pois saiba que existe uma lenda sobre aquela inscrição na rocha que fica localizada na parte alta da área do pagode chinês, subindo as escadarias. Não confunda com a rocha com um desenho de um barco que se encontra em frente ao templo, que será tempo de outra postagem.

A lenda contada por Luíz Gonzaga Gomes no livro Curiosidades de Macau Antiga, foi resumida por Padre Manuel Teixeira no livro Toponímias de Macau e aqui vai reproduzida:

os caracteres T'ai Ut significam 'causa primordial', frase sagrada do tauísmo.

Os caracteres chineses T’ai Ut significam ‘causa primordial’, frase sagrada do tauísmo.

A Rocha T’ai-Ut (Causa primordial)

Reprodução da publicação de Padre Manuel Teixeira no livro Toponímia de Macau, editada pela Macau-Imprensa Nacional em 1979

Luís G. Gomes, em Curiosidades de Macau Antiga, p. 19-22, conta a lenda que deu origem a estas letras e que nós vamos resumir:

O Porto Interior de Macau via-se sempre coalhado de lorchas de todos os portos da China. Esta gente do mar, em face dos perigos experimentados nas viagens, era muito devota da T’in-Hau (Soberana do Céu), venerada no templo da Barra.

Apesar disso, todos os anos, na proximidade da sua festa — o dia 23.º da 3.ª lua — ocorria um naufrágio em frente do templo. Atribuíram o incidente ao facto de ela deixar o santuário, nessa ocasião, para ir visitar a sua terra natal, Tin-Pou, em Fukien.

Um ano, ao aproximar-se a festa, os barcos dos portos fluviais do interior, içaram as velas e velejaram velozmente em direcção a Macau para honrar a T’in-Hau. Além da mercadoria, traziam montanhas de papéis dourados, imitando «sapecas» e papéis litúrgicos para queimarem no templo da Barra a fim de aplacar a deusa.

Aportaram ali todas as lorchas, excepto a de Mak-Kam-Tai. Nisto viu-se para além das Nove Ilhas um ponto negro que depois se verificou ser o barco perdido que voava em direcção à Barra.

De repente, rebenta uma tremenda borrasca. Uma nuvem negra absorveu as vagas, formando uma altaneira coluna que, entumescendo de momento a momento, se concentrou num centro aspirante que, em desvairado revoluteio, envolveu essa lorcha na sua espiral, desconjuntando-lhe, no seu temeroso amplexo, as juntas do cavername.

No entanto, perdido o seu potencial de aspiração, o «rabo do Dragão» desfez-se e a lorcha, elevada a grande altura, veio esfrangalhar-se em mil pedaços de encontro à superfície do mar.

Seguiu-se uma calma impressionante.

Apesar do desastre ter ocorrido em frente do templo da Barra, onde estavam surtas centenas de lanchas, estas nada sofreram nem se aperceberam da tragédia.

Mas ali estavam dois sobreviventes para testemunhar o ocorrido.

Como todos os anos apareciam nesse local destroços de misteriosos naufrágios, cresceu a devoção dos marítimos à deusa.

Nesse tempo, um famoso geomante, da província de Kuang-tung, chamado Lai-Pou-I, veio até Macau e foi visitar o templo da Barra. Ao chegar perto dum enorme rochedo, tirou a sua ló-p’un (bússola dos geomantes), apalpou o long-mak (pulso do dragão) e exclamou para os circunstantes:

«Não há dúvida. É aqui que a virulência nociva do ar é mais acentuada».

Perguntou se nas imediações do templo costumava haver desgraças. Quando lhe narraram os naufrágios, Lai-Pou-I sentenciou:

«Se não tratarem de contrabalançar, quanto antes, a influência do ar nocivo, este local presenciará desgraças muito mais frequentes. É que a corrente da Ribeira Grande, na fronteira ilha da Lapa, entra na porção do rio que fica em frente do templo, escavando no seu ímpeto o leito, de forma a moldá-lo em uma larga e profunda bacia semelhante a uma rede de pesca. A Ribeira Grande, por sua vez, age como um pescador que está de pé a lançar a sua rede, em que é colhida todos os anos uma embarcação».

Ouvindo isto, os marítimos subscreveram uma larga soma para ele neutralizar essa nefasta influência.

O grande Lai-Pou-I foi-se à rocha, traçou com firmeza dois grandes caracteres vermelhos — T’ai-ut, (causa primordial), frase sagrada do taoismo eficacíssima contra qualquer desgraça. Debaixo da rocha, enterrou uma espada com o gume voltado para a Ribeira Grande para cortar as cordas da nefasta rede. E pronto! O malfazejo pescador nunca mais pôde puxar a sua nefasta rede, assim a Barra viu-se para sempre livre de naufrágios.

Tudo isto, graças ao genial Lai-Pou-I, ao T’ai-ut e à tal espada desembainhada.

Templo da Barra, ou Templo Amá nome abreviado de Neang-Má, que se atribui a origem do nome de Macau

Templo da Barra, ou Templo Amá nome abreviado de Neang-Má, que se atribui a origem do nome de Macau

Do alto onde se localiza a rocha, a vista do Rio das Pérolas

Do alto onde se localiza a rocha, a vista do Rio das Pérolas

macau.ama.22

Templo dedicado à deusa Neang-Má (abreviado em Amá ou Má)

macau.ama.19

  • Fotografia de/photos by Rogério P.D. Luz (em 2006)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 14/09/2015 por em Rocha T'ai Ut, Templo Amá e marcado , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.463.388 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: