Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

A moeda nos primórdios de Macau

De autoria de Padre Manuel Teixeira, do livro-caderno Primórdios de Macau editado pelo Instituto Cultural de Macau em 1990, um texto sobre a moeda naqueles velhos tempos:

MOEDA

Os primeiros comerciantes portugueses que chegaram a Tamão (Lintin) não usaram moeda nas suas transacções; seguiram o método que sempre havia sido usado na China – o da “troca directa”, que era o que oferecia maiores facilidades nas operações comerciais.

O método chinês foi adoptado pelos nossos em Tamão, Liampó, Lapa, Chincheo, Lampacao, Sanchoão e Macau, onde se realizavam várias operações de troca, sobretudo de porcelanas, sedas, chá e vernizes chineses, por jóias, ouro e especiarias.

A nau que, de Macau, levava mercadorias ao Japão, vinha de lá carregada com ouro e prata no valor de cerca de três milhões de libras esterlinas, pelo que recebeu o nome de “Nau da Prata”.

Apareceram depois vários instrumentos de troca e, finalmente, a moeda: tael, duro espanhol, dólar e duro mexicano ou pataca mexicana, dólar chinês ou pataca da China, dólar de Hong Kong ou pataca de Hong Kong. Mais tarde, vieram os Tai Vonos. divisionários da pataca chinesa, e até os chamados Pang-tang (certificados de Prata). Todas estas moedas circularam livremente em Macau, num regime monetário inteiramente atrabiliário.

Mas (ó ironia das coisas!) nunca circulou nesta terra a moeda portuguesa propriamente dita, nem sequer divisionária. O nosso escudo português nunca conseguiu conquistar Macau.

Pelo diploma legislativo n° 840, de 26 de Fevereiro de 1944, foram proibidos os Pang-tang (certificados de Prata) e todas as outras moedas, excepto a pataca.

Macau primordios moeda - tael

O tael não era moeda propriamente dita, nem jamais teve existência como tal, nunca sendo cunhada. Era um determinado peso de prata, variável conforme as localidades. Um tael, em Macau, equivalia a dez mases, ou cem condrins, ou mil caixas. O termo vem do malaio tahil. que John Crawfurd diz derivar do indiano tolá.

A Santa Casa da Misericórdia de Macau, que, nos seus livros de caixa, registava indistintamente o tael e a pataca, abandonou em 1852 os lançamentos na equivalência de taéis, visto o decreto-lei de 12 de Outubro de 1853 ter legalizado a circulação da pataca mexicana, com o toque de 960/929 milésimos, ou seja, setecentos e vinte milésimos do tael.

Macau primordios moeda - tael.2

  • Fotos recolhidas da Google Imagens n Internet

Tael

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

O Tael (chinês simplificado:两, chinês tradicional:两; pinyin: liǎng), pode referir-se a diferentes medidas de peso do Extremo Oriente. Na China, a unidade tem valor monetário. O termo é frequentemente empregue para se referir ao tael chinês que faz parte do sistema de medição e moeda chinesa.

Em Taiwan, Hong Kong e sudoeste asiático, é equivalente a 10 mace (qián 錢) ou 1⁄16 catty,  apesar de possuir algumas diferenças em ambos os locais. Estas unidades de medida chinesas são normalmente utilizadas em lojas de ervas medicinais chinesas, bem como na troca de ouro e prata.

Origem: livro Fortificações de Macau

Origem: livro Fortificações de Macau

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.081.306 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: