Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Barbeiros ao ar livre da Macau de 1986

Passaram-se 30 anos e sinceramente, do outro lado do mundo, no Brasil, este macaense que emigrou em 1967 não saberia dizer se lá em Macau (ex-território português na China) porventura, em algum beco, ainda existe barbeiro a “cortar cabeça” ao ar livre! Porém, tratando-se de chineses que têm grande capacidade para sobreviver e se virar para ganhar o pão de cada dia, julgo que ainda é possivel. Os residentes da minha terra natal que o digam!

O artigo abaixo escrito por Paulo José Loureiro, em 1986, nessa Macau que já não era assim tão bucólica e com muitos prédios a ocupar o espaço de antigos sobrados, conta que ainda tais barbeiros ao ar livre ainda resistiam ao progresso:

BARBEIROS DE MACAU – O CORTE DAS CABEÇAS AO AR LIVRE

Artigo de Paulo José Loureiro publicado na Revista Nam Van, edição de Maio de 1986

As fotografias são da revista sem autoria atribuída

macau-barbeiros-ao-ar-livre-1986-4

A barbearia em Macau transitou, desde há cerca de seis anos, do velho beco, onde persistia em ficar, para o moderno e uniformizado salão de beleza. Para além do como e do onde, pergunta-se pelo homem que faz viver a profissão.

É com o barbeiro de rua que a profissão reclama a sua história em Macau. O corte de cabelo, por onze patacas e meia, acontece nos locais mais imprevistos, quotidianos senão mesmo imundos, como por exemplo, num beco ou numa rua apinhada de vendedores ambulantes de ferro velho.

Embora o homem que hoje corta o cabelo, nas ruas de Macau, tenha vindo da China há quatro ou cinco décadas, a barbearia de rua persiste há quase tanto tempo quanto as primeiras casas da cidade.

No movimento constante, na Areia Preta e no Porto Interior, de autocarros e bicicletas, venda de medicamentos chineses e de sopa de fitas, surge o barbeiro da rua, que quase passa despercebido nesta amálgama.

Imagine-se um beco de paredes carcomidas pelo tempo e pela sujidade. Pessoas que passam e correm. Bicicletas e riquechós. Antes de entrar nas curtas – em quase todos os sentidos — instalações da barbearia de rua, surge-nos um cartaz de madeira velha, um pouco insólito: «cortar a cabeça: 11,50». Passando esta barreira lingüística, vêem-se apenas dois ou três objectos parados: em frente do espelho bastante gasto, duas tesouras e uma navalha cobertas de uma camada negra de… uso e duas cadeiras com estofos encarnados.

macau-barbeiros-ao-ar-livre-1986

Para além deste tipo de barbeiro de rua, que podemos considerar de nível superior, há também que ter em conta o barbeiro que não se fixa definitivamente, ou seja, aquele que todos os dias monta os seus apetrechos, em número mais reduzido possível — muitas vezes apenas uma cadeira, um espelho e uma tosquiadora.

Mesmo neste, no que abandonou a actividade nômada mas que também não se fixou de pedra e cal há a considerar dois níveis de apresentação: um que tenta criar o seu espaço debaixo duma tosca tenda de pano ou de plástico, principalmente perto dos vendedores ambulantes (que usam a mesma apresentação); outro, espalhado por toda a cidade – num parque de automóveis, por exemplo — e despido de todas as características próprias duma barbearia de cidade.

Tentando sobreviver ao progresso da moda e do ambiente urbano, o barbeiro de rua talvez seja mais do que uma mera tradição. Substituído pela moderna barbearia de salão, o barbeiro de rua é, todavia, o espírito vivo duma profissão que teima em não desaparecer, ao contrário de tantas outras.

macau-barbeiros-ao-ar-livre-1986-2

HONG KONG, JAPÃO, ETC

A par deste tipo de barbearia, formada na escola de todos os dias, encontra-se em franca progressão o salão de beleza, dominado pelo mundo da moda de Hong Kong, Japão e de algumas capitais ocidentais de moda (Paris, Berlim ou Nova Iorque), onde a profissão de barbeiro é tomada de um ponto de vista muito mais competitivo.

Em primeiro lugar, há que ter em conta a dicotomia entre a barbearia chinesa e o salão de beleza tailandês.

Uma das principais causas da expansão da barbearia em Macau, que se tem verificado desde há cerca de 6 anos, a barbearia tailandesa distingue-se das chinesas, quer pela existência de massagens, como pelo tipo de apresentação.

Concebendo o serviço prestado pela barbearia como um acto de lazer, puro e simples, as poucas barbearias tailandesas existentes assumem-se por si próprias como um modo único de estar e de fazer.

Aqui, em substituição dos vendedores ambulantes, surge a música da rádio ou da televisão, que, para além de assemelhar a barbearia a uma discoteca, cria um ambiente de festa constante, com um coscovilhar intenso em tailandês ou cantonense entre os clientes e as aprendizes.

Um pormenor que ganhe especial importância nesta zona do globo: as barbearias unisexo, quer nas chinesas quer nas tailandesas; e, ao contrário das barbearias da rua, que apenas atendem idosos e crianças.

Continuando a caracterizar a barbearia tailandesa, há a referir também que, desde há um ou dois anos, começou a verificar-se, por parte de algumas casas de massagens e sauna – terreno quase exclusivo de tailandeses – o serviço de barbeiro, dando resultado a urna curiosa fusão que acentuou ainda mais o serviço de lazer oferecido pelo barbeiro tailandês.

A par destas, competem as dezenas de barbearias chinesas, seguindo uma ou outra característica dos salões tailandeses — como a música da televisão e o «design» moderno das instalações – mas não tão abertos a fusões do gênero que se referiu.

macau-barbeiros-ao-ar-livre-1986-3

A relação entre o mestre e o aprendiz quase se não se faz sentir, mas a uniformização de todo o pessoal – que chega a atingir mais de dez elementos – cria um clima fechado e mais linear, em comparação com a facilidade de comunicação entre o cliente o barbeiro nos salões de beleza tailandeses.

Dado que, muitas vezes, surgem barbearias sem interrupção num lado e noutro da rua, a competição é grande. Concorre-se com a moda, procurando possui-la em diversidade e qualidade, quer em videocassetes «Made in Hong Kong» – que normalmente contêm explicações detalhadas que ensinam rapidamente a cortar cabelo segundo a última moda – quer possuindo os melhores mestres disponíveis. Concorre-se também para o melhor local das zonas mais comerciais (Praia Grande — Almeida Ribeiro — Rua do Campo), na procura do movimento de pessoas.

Depois desta tranformação pro­funda de rua para o salão de beleza, seja chinês seja tailandês, talvez a barbearia em Macau esteja ainda à procura de si própria, perdida da tradição e da moda.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 19/01/2017 por em Barbeiros de rua 1986 e marcado , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 663,775 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: