Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Ano Novo chinês é comemorado em São Paulo com dança de leão e do dragão

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-02Pelo calendário chinês, o seu ano novo em 2017 aconteceu no dia 28 de janeiro, celebrando neste ano o Ano do Galo, e novamente em São Paulo, a festa foi realizada no bairro oriental da Liberdade nos dois dias do fim de semana, já que a data era um sábado.

Já uma tradição desde 2006, a festividade, no ano seguinte em 2007, foi inserida no calendário de eventos da cidade e o público vem aumentando a cada edição. Nos dois dias da festa, estimou-se que mais de 200 mil pessoas tenham circulado pela região e na Praça da Liberdade, onde foi montado um grande palco com atrações mostrando o dia todo a arte e cultura chinesa que vai conquistando o público brasileiro, além de enorme variedade de barracas com comidas típicas e venda de souvenirs e artigos variados.

Neste ano, pode-se perceber uma evolução do desfile que dá início à festa nos dois dias da programação, com maior número de participantes e figurinos. O público vibra, procura tocar nas fantasias, diria que é para dar sorte, tira fotos de tudo quanto é jeito, apesar do aperto na Rua dos Estudantes e a Praça da Liberdade. Praticamente essas academias são compostas por brasileiros, de aparência ocidental, tendo o mínimo de orientais, apesar da grande população chinesa que deve passar de 200 mil imigrantes. Isso, acredito, deve ter contibuído para uma melhor identificação com o público. Os chineses ficaram limitados às apresentações no palco.

(Fotografia de/photos by Rogério P. D. Luz – clicar nas fotos para aumentar de tamanho)

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-01

Dança do dragão

Entenda o Ano Novo chinês pela Wikipédia

O ano-novo chinês é uma referência à data de comemoração do ano novo adotadas por diversas nações do oriente que seguem um calendário tradicional distinto do ocidental, o calendário chinês.

As diferenças entre os dois calendários fazem com que a data de início de cada ano-novo chinês caia a cada ano em uma data diferente do calendário ocidental.

O calendário chinês é lunissolar, tem em consideração tanto as fases da lua como a posição do sol. O ano-novo chinês começa na noite da lua nova mais próxima do dia em que o sol passa pelo décimo quinto grau de Aquário.

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-03

O motivo de se relacionar a animais – em 2017 é o ano do galo

Os chineses relacionam cada novo ano a um dos doze animais que teriam atendido ao chamado de Buda para uma reunião. Apenas doze teriam se apresentado e Buda, em agradecimento, os transformou nos signos da Astrologia chinesa.

Os doze animais do Horóscopo chinês a que correspondem os anos chineses são, de acordo com a ordem que teriam se apresentado a Buda na lenda acima citada: rato, búfalo/boi, tigre, coelho, dragão, serpente/cobra, cavalo, carneiro/cabra, macaco, galo, cachorro/cão e o javali/porco.

Desta forma, se 2008 é o ano do rato, 2009 é atribuído ao boi (búfalo), 2010 ao tigre, 2011 ao coelho. Em 2016 foi o ano do macaco, 2017 o ano do galo e em 2018 será o ano do cão comemorado no dia 16 de fevereiro.

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-04

A tradição de presentear com um ‘envelope vermelho

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-18

A Mia e as amigas Rosana e Vânia, ganharam os envelopes vermelhos, em chinês cantonense – “lai si”. Desejos de prosperidade e boa sorte no Ano do Galo.

Tradicionalmente, os envelopes vermelhos (em cantonense: lai si ou lai see) (利是, 利市 ou 利事; Pinyin: lìshì); (mandarin: ‘hóngbāo’ (红包); Hokkien: ‘ang pow’ (POJ: âng-pau); Hakka: ‘fung bao’; são dados durante a celebração do ano-novo chinês, de casais ou dos mais velhos para os mais jovens solteiros. É muito comum que adultos e jovens casais deem envelopes vermelhos para crianças.

Os envelopes vermelhos são também conhecidos como 壓歲錢/压岁钱 (yàsuìqián, originalmente 壓祟錢/压祟钱, literalmente, o dinheiro usado para reprimir ou suprimir os espíritos malignos) durante este período.

Os envelopes vermelhos geralmente contêm dinheiro, geralmente em pequenas quantias até grandes valores conforme a disposição de cada um. De acordo com o costume, a quantia presenteada deverá sempre em números pares, pois os números ímpares geralmente são utilizados para as quantias de dinheiro dadas durante cerimônias funerais (帛金: báijīn).

O vermelho no vestuário

As roupas utilizadas durante todo o ano-novo geralmente são da cor vermelha ou de cores vibrantes, pois os chineses acreditam que isso afugenta os espíritos malignos e a má sorte. As pessoas também vestem roupas novas da cabeça aos pés para simbolizar um novo começo em um novo ano. Vestir novas roupas também significa a posse de pertences suficientes para usar e vestir no novo ano. O vermelho é a cor da sorte (fortuna). O branco, utilizado no ano novo ocidental, na cultura chinesa significa luto, como se vê em cortejos fúnebres na China.

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-06

Ameixeira nos vasos

Galhos de ameixeiras costumam ornamentar vasos nas residências, uma prática bastante próxima da tradição ocidental da árvore de natal.

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-09

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-10

A DANÇA DE LEÃO (Wikipédia)

Dança do leão (chinês: 舞獅; pinyin: wu shī) é uma forma de dança tradicional na cultura chinesa, na qual os participantes imitam os movimentos de um leão usando uma fantasia do animal.

O traje de leão pode ser manejado por um único dançarino, que salta e movimenta energicamente a cabeça, as mandíbulas e olhos da fantasia, ou por um par de dançarinos, que constituem as pernas dianteiras e traseiras do animal. O uso do par de dançarinos é visto em exibições de acrobatas chineses, com os dois dançarinos agindo em conjunto para movimentar o animal entre plataformas de várias alturas. A dança é tradicionalmente acompanhada por gongos, tambores e fogos-de-artifício, representando uma chuva de boa sorte.

A dança do leão é especialmente popular na cultura chinesa, com uma história que remonta a mais de mil anos. Existem vários estilos de dança do leão, mas a mais popular são a nortista e a sulista (região de Macau e Hong Kong, Cantão e outros). A dança nortista se originou nas regiões setentrionais da China, onde era usada para o entretenimento da corte imperial. O leão nortista é geralmente de cor vermelha, laranja e amarela (às vezes com pelagem verde para a leoa), é de aparência desgrenhada e têm uma cabeça dourada. A dança nortista é muito acrobática e é realizada principalmente como entretenimento.

A dança do leão sulista é de natureza mais simbólica. Ela é realizada geralmente como uma cerimônia para exorcizar espíritos maléficos e para invocar sorte e felicidade. O leão sulista exibe uma vasta variedade de cores e tem uma cabeça peculiar com grandes olhos, um espelho na testa e um chifre único no centro da cabeça.

Existem três tipos de leão: o leão dourado, representando vigor; o leão vermelho, representando coragem; e o leão verde, representando amizade.

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-12

A DANÇA DO DRAGÃO (Wikipédia)

A Dança do Dragão é importante na cultura e tradição chinesa e se espalhou por toda a China e pelo mundo inteiro. Virou um espetáculo artístico especial nas atividades físicas chinesas. Simboliza trazer boa sorte e prosperidade no ano vindouro a para todos os seres humanos na Terra.

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-academias-02

 

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-15

 

 

 

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-academias-31

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-academias-71

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-danca-leao-19

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-danca-leao-01

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-danca-leao-14

ano-novo-chines-2017-em-sao-paulo-17

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.074.681 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: