Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Essa tal de “diáspora” para denominar os macaenses residentes no exterior

“Comunidade macaense residente no exterior”. Todos, meramente “macaenses”

Queria saber, se antigamente chamávamos os macaenses residentes em Hong Kong ou noutros países de “diáspora macaense”? Até queria lembrar se na minha juventude em Macau nos anos 50 e 60, ouviamos falar dessa tal de ‘diáspora’? Empregávamos tal termo, ou sabiamos o que significava?

Vou apenas divagar sobre o tema, sem nenhuma pretensão de criar polêmica ou tirar conclusões, apenas falar sem consequências!

Notadamente a emigração macaense acentuou-se após os acontecimentos do tal de “1, 2, 3” com as agitações promovidas pelos ‘guardas vermelhos’ na revolução cultural ocorrida na China. Muitos partiram para outros países, como eu, meus irmãos, meus pais, com a conclusão que não se via mais futuro para Macau e logo os comunistas iriam tomar o poder, e tudo se acabava, já imaginando com o que ocorrera em Xanghai. O drama de virarmos “refugiados de Macau” tal como chamavamos os “refugiados de Xanghai” na época, isso bem claro na memória daqueles que residiram em Macau.

Painel Os Macaenses montado por Rogério P.D. Luz

Mas o que quer dizer “diáspora” e qual a origem da palavra?

Conforme a enciclopédia livre Wikipédia“: o termo diáspora (em grego clássico: διασπορά, “dispersão”) define o deslocamento, normalmente forçado ou incentivado, de grandes massas populacionais originárias de uma zona determinada para várias áreas de acolhimento distintas. O termo “diáspora” é usado com muita frequência para fazer referência à dispersão do povo judaico no mundo antigo, a partir do exílio na Babilônia no século VI a.C. e, especialmente, depois da destruição de Jerusalém em 70 d.C. Em termos gerais, diáspora pode significar a dispersão de qualquer povo ou etnia pelo mundo. Todavia o termo foi originalmente cunhado para designar à migração e colonização, por parte dos gregos, de diversos locais ao longo da Ásia Menor e Mediterrâneo, de 800 a 600 a.C. Associada ao destino do povo hebreu, a palavra foi utilizada na tradução da Septuaginta (em grego) da Bíblia, onde se inscrevia como uma maldição: “Serás disperso por todos os reinos da terra.”

O que o website ‘Significados‘ também conclui que: Diáspora é um substantivo feminino com origem no termo grego “diasporá”, que significa dispersão de povos, por motivos políticos ou religiosos. Este conceito surgiu pela primeira vez graças à dispersão dos judeus no mundo antigo, principalmente depois do exílio babilônico, dispersão que continuou a ocorrer ao longo dos séculos e que se verifica até hoje. Apesar da sua origem, o termo diáspora não é usado exclusivamente no caso dos judeus e serve para descrever qualquer comunidade étnica ou religiosa que vive dispersa ou fora do seu lugar de origem.

Ao olharmos num tradutor, como do Google, vemos que a palavra “diáspora” não muda em vários idiomas, tais como, no inglês, italiano, espanhol, alemão, francês, norueguês, ou malaio, com única diferença no uso ou não do acento.

Se partimos pela origem do termo, conforme acima, que depois foi popularizada para praticamente significar a emigração de povos para outros países, talvez não seja muito simpático o uso popular dessa palavra. Lembro-me numa das viagens a Macau, ter ouvido de um macaense residente que não gostava desse termo. Aquilo ficou na minha cabeça! Sabe, aquelas coisas que se ouve uma vez e marca!

Apesar de já tê-lo utilizado várias vezes neste blog, ‘mea culpa‘ numa reflexão, sempre dá aquela sensação que dizer ‘Diáspora Macaense” cria uma linha divisória entre macaenses. É estranho! Espero que seja só minha sensação.

Para constatar, o termo é bastante utilizado nos Encontros das Comunidades Macaenses, e até um website dos EUA, hoje inativo,  o utilizou como seu nome. Talvez acentuou-se o uso a partir dos Encontros.

No Brasil, pouco ou nada do seu uso. Até se perguntar a um cidadão comum se ele sabe o que é diáspora, acredito que a resposta será majoritariamente negativa, apesar dos brasileiros terem se espalhado pelo mundo afora em busca de oportunidades profissionais. Nas conversas informais, os parentes ou amigos dirão apenas que tal fulano ou fulana está a morar nos EUA ou no Japão, por exemplo, como um esforço da pessoa por uma vida melhor. Até acredito que isso ocorre com outros povos, por exemplo, os chineses.

Fico a imaginar se não seria mais simpático, meramente dizer: “Macaenses residentes no Exterior“? (Rogério P. D. Luz)

Anúncios

2 comentários em “Essa tal de “diáspora” para denominar os macaenses residentes no exterior

  1. JOAQUIM MORAIS ALVES JUNIOR
    06/04/2017

    NÃO ENTENDO PORQUE CHAMAR A SAIDA DOS MACAENSES DE DIASPORA,CERTO É EMIGRANTES QUE FORAM PARA O MUNDO FORA,COMO OS PORTUGUESES QUE EMIGRARAM PELO MUNDO FORA. SOU IMIGRANTE MORANDO NO BRASIL Á MAIS DE 40 ANOS E PONTO FINAL.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 02/04/2017 por em Diáspora o termo e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 717,803 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: