Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Dia de Macau de 24 de Junho

  • Republicação anual da postagem

Para que a comunidade macaense não esqueça o Dia de Macau de 24 de Junho,  todos os anos, este blog republica esta postagem para lembrá-la da data, pois se o tema favorito entre a malta é a Identidade Macaense, tem que necessariamente incluí-la na pauta.

Que adianta bater no peito e dizer que é Macaense, ou querer discutir a Identidade se esquece a história que conta a formação da raça? Pode até uns dizer que não convém, ou têm medo diante das atuais circunstâncias do território, ou que tem que olhar para frente e esquecer o passado pois o que interessa são os casinos e prédios altos, ou por ignorância pura ou por conveniência, ou por teorias catedráticas bobas que até os japoneses são macaenses, ou que acham que ser macaense é gostar de minchi, ou tantas e tantas histórias por aí.

Acho que temos tomar uma postura e agir conforme o que acreditamos e queremos preservar, e não ficar pensando o que os outros pensam e que lhes convém. Não temos que ter vergonha em assumir o que somos, e não ficar usar outros caminhos ou disfarces. É bonito e humano pois não magoa ninguém, nem os chineses, pois nos respeitam pelo que somos e nos diferenciam deles. (Rogério P. D. Luz – 24/06/2017)

Jardim da Vitória

 

24 DE JUNHO – UMA DATA HISTÓRICA

Todos os povos têm as suas datas históricas.  Para os Macaenses não poderia ser diferente.  O dia 24 DE JUNHO – DIA DE MACAU, DIA DE SÃO JOÃO BAPTISTA – PADROEIRO DE MACAU  é uma data histórica, que não pode ser esquecida.

Nos tempos de Macau administrada pelos portugueses (por cerca de 440 anos), 24 de Junho era comemorado como o Dia da cidade de Macau e do seu Padroeiro.  Deixou de ser comemorado oficialmente após a transição de soberania de Macau para a China em 20 de Dezembro de 1999, e esta última data passou a ser celebrada como tal. No entanto, de uma forma ou outra, a data ainda é comemorada pelas comunidades macaenses da diáspora.  Em Macau é festejada com arraial digno de festas juninas para celebrar o Dia de São João Baptista.

ISTO FOI EM 1964: O CLARIM do dia 25 de Junho de 1964, em sua edição especial, comemorativa da data, falava da nossa terra, noticiava acontecimentos com a nossa gente, trazia farta propaganda.

Uma perspectiva do que poderia ter sido o ataque das forças holandesas a Macau que resultou na sua derrota

O MOTIVO DE COMEMORAÇÃO DA DATA

Quando o padre jesuíta Rho disparou um tiro de canhão e acertou com precisão, um vagão carregado de pólvora pertencente às forças invasoras holandesas, no dia 24 de Junho de 1622, Dia de São João Baptista, iniciava-se a história que originou o DIA DE MACAU.

Oitocentos soldados holandeses desembarcaram na praia de Cacilhas, hoje região do reservatório, para tentar tomar Macau.  Sessenta europeus e noventa macaenses tiveram que retroceder das areias de Cacilhas diante da sua inferioridade numérica.  Os sinos tocavam insistentemente, as senhoras refugiavam-se em São Paulo e os tesouros foram guardados no Seminário.  A cidade do Santo Nome de Deus estava desprotegida.  A maior parte dos portugueses viajara para o estrangeiro, comum naquela época do ano. Os holandeses, felizmente, não sabiam disso.

Avançando com cautela, sofreram pesado bombardeio de canhões da cidadela do Monte e um tiro disparado pelo padre jesuíta Rho acertou, em cheio, aquele vagão de pólvora.  Isto desconcertou as forças invasoras. Dirigiram-se então ao cume a Ermida da Guia onde foram detidos pelas forças lideradas por Rodrigo Ferreira. O golpe final aos holandeses deu-se com a junção de dois grupos de combate de Macau que os atacaram quando se dirigiam a outra elevação.  Em debandada, os holandeses ainda foram atacados pela população local.  No combate final em Cacilhas, os holandeses, derrotados, jogaram-se ao mar na tentativa de alcançar os barcos.  Muitos se afogaram e um dos barcos, superlotado, afundou-se. Dizem os registros portugueses que cerca de 350 holandeses morreram em combate ou afogados. Do nosso lado, os mortos foram 4 portugueses, 2 espanhóis e vários negros, para uma batalha que durou cerca de duas horas.

Para Macau, desprevenida, a vitória foi considerada um milagre.  Após os combates, foram todos à Catedral para uma solene ação de graças, tendo o Senado e os moradores feito votos de comemorar este dia daí em diante, cuja salvação da cidade foi atribuída a São João Baptista. Conta a lenda que pelo seu manto, foram desviados os tiros dos inimigos.

24 DE JUNHO – DIA DE MACAU  foi assim instituída para comemorar esta gloriosa vitória.  É o dia em que se comemora a Macau, que hoje somos nós, os macaenses, pois se tivesse ocorrido a vitória e a ocupação holandesa, a formação do nosso povo teria sido diferente, não teríamos existido.  É o dia em que ser Macaense é motivo de orgulho.  É o dia em que, sem o qual,  Macau não teria assistido ao dia 20 de Dezembro de 1999.  Já pensaram uma Macau holandesa? Poderia ter acabado muito antes daquela data e não haveria histórias para contar, como temos hoje.

Preserve o DIA 24 DE JUNHO, DIA DE MACAU como uma data histórica, DIA DE SÃO JOÃO BAPTISTA, padroeiro da Cidade de Santo Nome de Deus, Não Houve Outra Mais Leal. É o dia em que se comemora a existência do povo Macaense. Não ofende o grande povo chinês, com quem temos que manter um convívio harmonioso.

*Fonte de consulta: “Macau Histórico” de C.A Montalto de Jesus – Livros do Oriente.

Reproduzido do site Projecto Memória Macaense

A missa celebrada na Sé Catedral, em Macau, por ocasião do Dia de Macau e do seu Padroeiro, São João Baptista. Noticiado na edição do Clarim acima.

MACAU NOS TEMPOS ANTIGOS

*Gravuras publicadas no grupo Macau Histórico no Facebook postadas por Luís Dias

JARDIM DA VITÓRIA – MACAU

O Jardim da Vitória situado na Av. Sidónio Pais abriga o monumento comemorativo da vitória portuguesa sobre os holandeses em 24 de Junho de 1622. Veja as fotos que fiz em 2006:

Anúncios

2 comentários em “Dia de Macau de 24 de Junho

  1. Henrique Manhao
    28/06/2017

    Caro Rogerio, Viva Macau

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 881.134 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

%d blogueiros gostam disto: