Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Pesqueiros no porto da Marina Farol de Paraty

Viajando pela Rodovia BR-101, a Rio-Santos, que proporciona belas paisagens à beira-mar, antes de chegar a Parati, vindo de Ubatuba, a uns seis quilômetros tem um belvedere com acesso para a Marina do Farol de Paraty Yatchclub. É um bom ponto de parada para um relax observando as embarcações de recreio e de pesca no porto. Uma tranquilidade só!

Foi no inverno de agosto de 2017 que fizemos isso, antes de visitar a histórica Parati, no estado do Rio de Janeiro. Por sorte lá estavam ancorados dois barcos de pesca a desembarcar os pescados de diversas variedades, entre eles, raias (ou arraias) e camarões grandes, chamados popularmente de pistolões. Dizem que chegam a ficar até cerca de 30 dias em alto mar, a pescar com suas redes até encher os porões da embarcação. Seus pontos de parada podem ser também em Santos. Lá já aguardava um caminhão frigorífico que devia ter comprado toda a produção.

Conforme diz o site: enchova.com, embarcações de tal porte, não seriam classificadas de pesca artesanal de barcos de menor porte mas de pesca industrial que é praticada com o uso de embarcações maiores, que realizam viagens com duração entre 4 e 15 dias normalmente, mas que podem chegar a 30 dias, e divide-se em diferentes frotas:

1.    A frota arrasteira, que se utiliza do arrasto-de-fundo como aparelho de captura. Ela ainda subdivide-se na frota dirigida à pesca do camarão-sete-barbas (com embarcações entre 8 e 15 m de comprimento).

2.    A frota de traineiras, que opera com rede de cerco (com embarcações medindo entre 12 e 27 m de comprimento), dirigida à captura de peixes pelágicos (que vivem na coluna d’água), principalmente a sardinha-verdadeira.

3.    A frota espinheleira dividida em duas frotas: a que opera com espinhel-de-fundo na captura de cherne, batata, namorado, etc. em profundidades que podem atingir os 500 m (com embarcações entre 15 e 25 m de comprimento) e a frota que opera com espinheis “de superfície” (aparelhos de pesca cujo cabo principal pode ter mais de 90 km de extensão).

Este cão acompanha os pescadores nas viagens.

Fiz várias imagens para registrar todo esse trabalho, e curioso foi perceber um cachorro a bordo que acompanha os pescadores nas pescarias. Os registros também dão uma noção da marina com embarcações de lazer de todos os portes, as aves que proporcionam boas fotos, além do ambiente do porto.

Fotografia e edição de/photos by Rogério P D Luz (clicar nas imagens para ampliar)

Barcos de pesca e trabalhos de seleção e desembarque de pescados

As aves no porto

 

A marina e as embarcações

 

Visa da Marina e de Paraty do belvedere

Instalações da Marina

 

 

 

 

 

Um comentário em “Pesqueiros no porto da Marina Farol de Paraty

  1. Pingback: A histórica Paraty, uma cidade genuinamente dos tempos do Brasil Colônia | Cronicas Macaenses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.425.850 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: