Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

As Igrejas Católicas da cidade histórica de Paraty

Entre os nos de 1540 a 1606, Paraty, a cidade histórica no litoral do Rio de Janeiro foi fundada com o estabelecimento de povoações. No início do século XVII,  já havia um número considerável de paratianos que convivia com os índios guaianases.

Em 1640, o núcleo que se chamava Paratii mudou-se para o local onde está o centro histórico, por doação de  Maria Jácome de Mello, que no entanto fez duas exigências: a nova capela fosse feita em devoção a Nossa Senhora dos Remédios e que os índios guaianazes não fossem molestados.

Nesta postagem vou apresntar a vocês, quatro igrejas católicas que fotografei na nossa viagem realizada em agosto de 2017, em pleno inverno brasileiro.

(Fotografia/edição de/photos by Rogério P D Luz, salvo duas com atribuição de autoria especificada)

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ

Igreja Matriz de Nossa Senhora de Remédios

O primitivo templo foi erguido, de acordo com a tradição, como uma das condições exigidas por Maria Jácome de Melo para a doação da sesmaria para onde se expandiu o núcleo de povoamento original, em 1640. As suas obras só se iniciaram, entretanto, em 1646.

Pouco tempo depois, em 1668, este templo foi demolido, dando lugar a um novo, posteriormente ampliado, e cujas obras só foram concluídas em 1873, graças aos recursos (em espécie e em mão-de-obra escrava) assegurados por Geralda Maria da Silva. Ainda assim, o templo não teve o seu projeto original concluído, tendo ficado inacabadas as torres sineiras e os fundos do templo, como ainda hoje é possível observar. (Wikipédia)

 

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ.

A igreja é de estilo neoclássico e foi concluída e aberta ao público em 7 de setembro de 1873. Na inauguração, na qual se procedeu a benção, foi realizada uma procissão com a transferência das imagens da Igreja de Santa Rita à nova Matriz.

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ

Conta o site Paraty Guia Virtuaque, acredita-se que as duas torres não foram concluídas, não só por falta de dinheiro e mão de obra escrava, mas também que pelas condições do terreno a igreja teria afundado inclinando-se para a frente devido ao peso no seu frontispício.

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ

Conforme informações colhidas na igreja, em maré alta que inunda parte das ruas da cidade, a água chega a alcançar os degraus da parte interna logo na entrada.

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ. O altar mor com a imagem de Nossa Senhora dos Remédios do século XVIII

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ. Capela do Santíssimo Sacramento com a imagem do Sagrado Coração de Jesus do século XX.

Imagem de Nosso Senhor dos Passos do século XVIII na Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ.

Abaixo: à esquerda, altar de São Miguel com a imagem do século XVIII, e à direita, a imagem de madeira policromada do século XVIII de Nossa Senhora do Terço.

Loja de artigos religiosos na Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ

Abaixo: à esquerda, o altar de São Roque, imagem em madeira do século XVIII, e à direita, o altar com imagem de São Francisco de Paula do século XIX.

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty RJ. Pia em mármore do século XVII, provavelmente pertencente à igreja anterior que foi demolida.

Igreja de Santa Rita de Cássia

Igreja de Santa Rita de Cássia, Paraty RJ

A Igreja Santa Rita de Cássia localiza-se em um largo fronteiro à baía de Paraty.

Erguida pela Irmandade de Santa Rita dos Pardos Libertos, data de 30 de junho de 1722 sob a invocação original de Menino Deus, Santa Rita e Santa Quitéria. Era seu vigário à época o padre Manoel Braz Cordeiro.

Recorde-se que no século XVIII, no Brasil Colónia, as igrejas atendiam às classes sociais, que então se distinguiam pela cor da pele: brancos, pardos (mulatos) e negros. Em Paraty, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito destinava-se aos negros, a de Nossa Senhora das Dores atendia à elite branca, e a Matriz de Nossa Senhora dos Remédios (1712) era frequentada por populares brancos. Neste contexto, a Igreja Santa Rita de Cássia foi construída para atender aos pardos(mulatos) de Paraty.

A igreja funcionou como matriz, ainda no século XVIII, em substituição à Sé, que então se encontrava em precário estado de conservação e incapacitada de atender à crescente população da cidade. Para este fim, a Igreja de Santa Rita passou por obras de reforma e ampliação.

O conjunto encontra-se tombado pelo IPHAN desde 1952. No período de 1967 a 1976 tiveram lugar campanhas de restauração, requalificando o conjunto como Museu de Arte Sacra de Paraty (1976).

A tradicional festa de Santa Rita de Cássia é um evento religioso realizado nesta igreja desde sua fundação, com procissões, missas, ladainhas, cânticos e outras formas de celebração. Após ter sido por 6 anos realizada na Igreja Matriz devido a obras de revitalização e restauração, o evento retorna a seu local original. Esta festa é preparada ao longo do ano por comissão de jovens da comunidade local e é considerada por esta um momento de fé, tradição e devoção católica do povo paratyense.

Igreja de Santa Rita de Cássia, Paraty RJ. Hoje é o Museu de Arte Sacra de Paraty.

O conjunto, composto de igreja, consistório, sacristia, cemitério e pátio ajardinado é construído de pedra e cal.

Em estilo jesuítico do período colonial, a fachada possui pilastras em cantaria, com portas em madeira trabalhada, frontão curvilíneo e trabalhos em ferro nas três sacadas do coro. O campanário possui um galo de grimpa, em cobre.

Acima da nave, em sua parte frontal, localiza-se o coro, acessado pela escada do campanário. Ao fundo encontra-se a capela-mor, separada da nave por um arco cruzeiro entre dois altares.

É considerada uma igreja barroca, embora não apresente a ornamentação rebuscada e profusa características do estilo, e que se nota nas igrejas do mesmo período em Minas Gerais.

 

Igreja de Santa Rita de Cássia, Paraty RJ

Igreja de Santa Rita de Cássia, Paraty RJ

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e de São Benedito

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e de São Benedito, Paraty.

Foi construída em 1725 pelas Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, integradas por negros, sendo reconstruída poucos anos mais tarde, em 1755.

Sofreu intervenção de restauro em 2002 com recursos do Ministério da Cultura, sob a supervisão do arquiteto e museólogo paratiense Júlio César Dantas.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e de São Benedito, Paraty. Origem: Wikimedia

As festividades da igreja ocorrem no mês de Novembro, com missa, procissão, ladainhas e celebrações tradicionais como as figuras do Rei e da Rainha, as Folias e o mastro com as imagens dos santos.

Apresenta planta retangular e decoração no estilo maneirista. Nela se destacam os altares de São Benedito e de São João, em talha dourada, e um lustre em cristal, com suporte em forma de abacaxi. O altar-mor é dedicado a Nossa Senhora do Rosário.

Igreja de Nossa Senhora das Dores

Igreja de Nossa Senhora das Dores, Paraty.

Foi erguida em 1800 por iniciativa de senhoras da aristocracia da cidade. Até 1820 não se encontrava concluída, tendo se constituído em uma capela da moda durante o período do Brasil Império.

Igreja Nossa Senhora das Dores, interior. Origem: Paraty Guia Virtusl

Com a decadência da cidade, a igreja ficou abandonada até 1901, quando a Irmandade de Nossa Senhora das Dores, composta exclusivamente por mulheres, a reformou.

Atualmente é conhecida como “Capela das Dores” ou simplesmente “Capelinha”.

Projetada para ter duas torres, apenas uma foi concluída. Os altares em seu interior encontram-se sob a invocação dos santos da Semana Santa. Destacam-se, internamente, os rendilhados de sua sacadas, em madeira. Externamente, o galo no alto da torre, indicador da direção dos ventos.

Igreja de Nossa Senhora das Dores, Paraty.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 31/08/2017 por em Igrejas católicas e marcado , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 695,172 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: