Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Crónica do “Ser Macaense”

Caros leitores(as), aqui uma crónica (crônica) que fala de forma fantasiosa e resumidamente desta raça macaense, em vias de extinção, não tão para já, mas com base na história do que teria sido real. Assim não leve tão a sério o que está escrito e nem se exalte, pronto para meter a faca e críticas ao autor, certo? Vai dizer que esse Rogério gosta de criar encrencas, como uns me acham assim!!! O texto mistura lá o português falado em Portugal e no Brasil, às vezes uma bagunça, uma tarefa complicada para o autor residente em território brasileiro de onde vem a maioria dos visitantes deste blog. ‘Tá meio bagunçado mesmo. Se a crónica contribui, se realmente contribui, você que o diga, para falar um pouco da nossa gente fruto da presença portuguesa em Macau por cerca de 440 anos, enfim, para falar “ser macaense”, é um pouco disso aí, mas há muito o que falar. Inspirei-me e pensei no texto em plena madrugada quando custou um pouco para pegar o sono de novo!  Abraços, Rogério P D Luz

Para início de conversa, Macau não seria Macau se os portugueses não tivessem pisado no território lá no século XVI, o mesmo período em que chegaram ao Brasil. Ponto!

Foram ficando, ficando, uns negócios aqui e acolá, bom para os chineses do pequeno povoado condenado a ser mais um das milhares parecidos na China. Provavelmente seria hoje apenas uma cidade chinesa comum como as vizinhas, com inúmeros prédios mas sem a personalidade deixada pelos portugueses, fato que a presença não foi imposta, nem conquistada como os ingleses em Hong Kong por conta da exigência na Guerra do Ópio. Por tudo isso, dizem que não é para chamar Macau de antiga colónia (colônia) portuguesa, mas melhor chamá-la de território. Nos tempos de Salazar, era uma província ultramarina de Portugal.

Neste “fica fica”, os portugueses acabaram obtendo autorização do imperador chinês para lá ficar e desenvolvê-la. Óptimo, diriam os portugueses e os chineses que na sua sabedoria secular sabem bem selecionar o que lhe é útil sem patriotada. Aí, as chinesinhas eram meigas, um jeito feminino que lhe é peculiar e que até hoje atrai muitos ocidentais. Os gajos marinheiros e comerciantes atraídos pela seda não eram bobos nem tontos e nem cegos, e logo aparecem uns putinhos/as (meninos/as) com feições mestiças de china/portuga, fora que outros gajos que trouxeram suas esposas e também geraram filhos no terra que São João abençoaria no futuro, por ocasião da falida invasão holandesa que não poupou o Brasil.

Acontece que esses jovens não foram estudar em escolas chinesas, não senhora, mas sim em escolas portuguesas e falavam português, talvez até proibidos de falar o chinês. Assim, como o território chamava-se Macau, então esses novos gajos, além de portugueses teriam que ser chamados de um outro nome , de uma raça de gente lá nascido. Vai que um ilustre cidadão, que a história esqueceu de anotar seu nome nos registros, pensou: seria macauense, o que seria certo tal como Macau+ense, mas não seria melhor abreviar? Então raciocinou: Maca+ense, que ficaria mais simples de pronunciar sem que o “u” ficasse muito acentuado.

Daí ao longo dos anos, essa nova raça em Macau, o macaense, começava a se diferenciar dos chineses, que orgulhosamente e simplesmente se chamavam de “chineses de Macau” e se alguém os chamasse de macaenses, diriam logo: “tiu ah” (fod_-s_), somos “ou mun chai” (filhos da terra). Provavelmente achavam que era um palavrão (asneira) e julgo que até hoje, muitos chineses nem sabem pronunciar ou nem sabe o que é macaense! Uns cidadãos até querendo fazer uma média com os chineses, chamava-os de ‘macaense’ e logo recebiam um “tiu ah“, hehehe

Essa nova raça, macaense, cheio de estilo, falava português para china não entender e até que ensaiavam umas palavras em chinês no comércio, pois como iriam comprar “char siu” ou “vá mui” com o china da esquina. Poderiam até levar “siu háp” e “kéon” no lugar daqueles itens, sem perceber! Ora bolas … hehehe.

Com o tempo, foram estabelecendo umas regras para determinar quem era macaense e quem não era “a nossa malta“. Até foram democráticos, diria eu, pois admitiram que para ser da malta, poderia ser de outra mistura de raças, ou o chinês que adotou o nome português que na minha época diziam de “baptizado”, mas não era unanimidade. As rixas entre os próprios macaenses eram frequentes, pois as rivalidades originariam entre aqueles que eram dessa ou aquela escola ou bairro, sem falar que se viam situações que chegavam “às vias de fato” com aqueles que por infortúnio tiveram que abandonar a hoje próspera Xanghai por conta da revolução chinesa. Conta uma piada que se no universo existisse apenas dois macaenses, seguramente eles passariam o tempo todo a discutir por divergência pessoais.

Até Dezembro de 1999, com o Rocha Vieira ainda a governar Macau como o último governador português da história de 440 anos, o nascido no território nas condições que você leu acima, desde que não tenha pulado de parágrafo, tinha a sua naturalidade anotada nos registros como Macau – Portugal, tal como vejo no meu bilhete de identidade de estrangeiro emitido no Brasil. Hoje, seguramente, constaria, para quem nasceu após 20 de Dezembro de 1999 como Macau – China. Isto é o começo de uma nova história dos macaenses, e se, ao longo do tempo continuariam a se chamar de macaenses aqueles nascidos no território já chinês e que perderiam o elo português, se ainda saberiam falar o idioma no futuro? Talvez pela minha idade não viveria para ver essa transformação ou o fim de uma raça que se formou ao longo dos 440 anos de Portugal na China.

Caros amigos(as), Ser Macaense é além da consciência da história de formação da sua raça, é também ter o sentido de preservação, pois no futuro isso cairá em desuso. Assim aproveite para ser macaense enquanto pode. Seguramente, os últimos sobreviventes ouvirão  dos filhos em chinês “pára (para) com isso de macaense, é o passado, Portugal já foi embora há muito tempo“. Provavelmente não saberão como se definir, ou se chamarão simplesmente de “chineses de Macau“, pois com o tempo e a partida para o além daqueles que ainda carregam aquela mistura de raças acabará prevalecendo apenas a raça chinesa. É um processo normal de vida, só ver as Malacas ex-portuguesas ou até a Índia ex-portuguesa onde ainda poderá ter bons resistentes de quem ainda tem aquele espírito lusitano, mas poucos, muito poucos!

É isso aí, e assim caminha a humanidade! Numa outra crónica ainda falarei mais sobre este negócio de Ser Macaense, ou o tal Orgulho, se não tiverem lido isto na minha entrevista ao boletim A Voz da ADM, mas mesmo assim, há muito o que se falar. Sei que vão dizer que esta explanação fantasiosa está incompleta, e está mesmo, mas vale para uma crónica sem consequências!

À memória do meu irmão Álvaro (da direita), com os amigos Virgílio Mendonça e Frederico Martins, em Macau, anos 60.

Foto publicada por Hugo Silva Jr no Facebook

Primeiro cd da Tuna Macaense. Anteriormente, em 1980, com outra formação, foi lançado um cassete do grupo.

o autor deste blog à direita e esposa Mia com o nobre escritor macaense Henrique Senna Fernandes, mais Júlio Branco e Alex Airosa, em São Paulo.

Anúncios

2 comentários em “Crónica do “Ser Macaense”

  1. Xavier Vicencia Marques
    24/09/2017

    Por ter vivido cerca de 50 meses em Macau, onde me nasceu um filho, este artigo foi lido com interesse. Conforme ia lendo ia-me recordando dos Goeses que ainda hoje resistem. Os Macaenses também vão perdurar, creio. Ainda me recordo do sr Henrique da Senna Fernandes e respectiva família. Força Macaenses.

    • Obrigado Xavier pelo comentário. A expectativa na crónica seria a longo prazo, embora a torcida é para que o prazo seja ainda bem maior. Ainda há uma geração de pré-transição ainda viva e pode dar um bom fôlego, mas conforme relatos, dá para sentir nuns novos o modo de ver Macau e a forma de sentirem-se cidadãos do território.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 22/09/2017 por em Cronica Ser Macaense e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 707,399 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: