Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

A histórica Paraty, uma cidade genuinamente dos tempos do Brasil Colônia

Enquanto as naus portuguesas chegavam nos mares da China, em Macau, no inicio do século XVI com a ocupação citada em 1557, Paraty começava a ser fundada, segundo os historiadores entre 1540 a 1560, ou em 1597.

O antigo território português na China, ocupado por cerca de 440 anos, foi devolvido aos chineses em 20 de dezembro de 1999, e hoje é uma cidade repleta de prédios e cassinos com diversos monumentos históricos preservados. A cidade de Paraty que no período colonial brasileiro, entre 1530 a 1815, foi sede do mais importante porto exportador de ouro do Brasil, preserva todo o seu patrimônio histórico, proporcionando-nos a sensação de viver aquela época ao transitar pelas suas ruas. Vale citar que a independência do Brasil foi proclamada em 7 de setembro de 1822.

E foi em agosto de 2017 que, mais uma vez, voltei a visitar esta cidade histórica do litoral do Rio de Janeiro, tirando dezenas de fotografias que compartilho com vocês nesta e em outras postagens com ligações aqui e a contar um pouco da sua história.

Fotografia e edição de/photos & edition by Rogério P D Luz

A história de Paraty (Fonte: Prefeitura de Paraty )

A data de fundação de Paraty diverge de historiador para historiador. Uns falam que em 1540/1560 já havia um núcleo devotado a São Roque no Morro da Vila Velha (hoje Morro do Forte); outros, de 1597, quando Martim Corrêa de Sá empreende uma expedição contra os índios Guaianás do Vale do Paraíba; alguns outros, de 1600, quando havia um povoamento de paulistas da Capitania de São Vicente; e alguns mais, 1606, quando da chegada dos primeiros sesmeiros da Capitania de Itanhahém que, acredita-se, venha a ser a origem do povoamento como, grosso modo, foi o sistema de Capitanias Hereditárias à base da exploração dos bens naturais, defesa e fixação do homem à terra no Brasil.

De todo modo, pode-se afirmar que, no início do século XVII, além dos índios guaianases, já havia um crescente grupo de “paratianos” estabelecidos por aqui.

Veja também:

Por volta de 1640 o núcleo chamado Paratii foi transferido para onde hoje se situa o centro histórico, em “légua e meia de terra entre os rios Paratiguaçu (hoje Perequê-Açu) e Patitiba” doadas por Maria Jácome de Mello. Esta, ao fazer a doação, teria imposto duas condições: que a nova capela fosse feita em devoção a Nossa Senhora dos Remédios e que se guardasse a segurança dos gentios guaianases.

Em 1660, o florescente povoado se rebela exigindo a separação de Angra dos Reis e elevação à categoria de Vila. Surgia em 1667 a Villa de Nossa Senhora dos Remédios de Paratii. Convém salientar que Paraty foi a primeira cidade brasileira a ter sua autonomia política decidida por escolha popular.

Decaindo a extração e exportação do ouro, em meados do século XVIII, Paraty vai perdendo importância.

Com o ciclo do café, a partir do século XIX, a cidade revive, temporariamente, seus prósperos dias de glórias coloniais. A produção de pinga e derivados da cana também ajudou na economia local. Foi nesta época que Paraty virou sinônimo de pinga. No século XVIII, a cidade chegou a ter mais de 200 engenhos de pinga e casas de moenda.

Em 1870, devido à abertura de um novo caminho – desta feita ferroviário – entre Rio e São Paulo, através do Vale do Paraíba, a antiga trilha de burros pela Serra do Mar perdeu sua função, afetando de forma intensa a atividade econômica de Paraty como um todo.

Um segundo fator de decadência do comércio e da cidade foi a Abolição da Escravatura em 1888, causando um êxodo tal que, dos 16.000 habitantes existentes em 1851, restaram, no final do século XIX, apenas “600 velhos, mulheres e crianças” isolando Paraty definitivamente do país por décadas.

Enquanto abriam-se estradas pelo resto do país, continuava se chegando a Paraty como na época Colonial: de barco, vindo de Angra dos Reis ou, a partir de 1950, por terra, via Cunha, em estrada que só comportava movimento quando não chovia e que aproveitava em parte o trecho da velha estrada do ouro e do café.

Este isolamento involuntário foi, paradoxalmente, o que preservou não só a estrutura arquitetônica urbana da cidade como também seus usos e costumes (P.M. de Paraty).

Outras fontes de consulta para os textos abaixo: Wikipédia e Paraty Virtual-Guia

Caminhar por essas calçadas de pedras irregulares exige atenção e cautela. Dizem que foram assim feitas para que os transeuntes não olhassem para dentro das casas e prestassem atenção para dar o próximo passo.

A população de Paraty beira a 40mil habitantes (IBGE-2014) e tem uma área de 928,467 km2.

Topônimo: O tupinólogo Eduardo de Almeida Navarro aponta, para o topônimo “Paraty”, a etimologia tupi antiga parati’y, com o significado de “rio dos paratis”, pela junção de parati (parati) e ‘y (rio). “Parati” é tanto uma espécie de peixe da família dos mugilídeosquanto uma variedade de mandioca.

Em vez de Parati, a Prefeitura Municipal decidiu-se por usar a grafia Paraty, incorreta segundo a ortografia vigente. O gentílico, porém, escreve-se com “i”: seus habitantes são denominados paratienses. (Wikipédia)


A cidade foi, durante o período colonial brasileiro (1530-1815), sede do mais importante porto exportador de ouro do Brasil. Hoje abriga grande parte de embarcações destinadas a passeios turísticos e pesca.

Por estar localizada quase ao nível do mar, a cidade foi projetada levando em conta o fluxo das marés. Como resultado, muitas de suas ruas são periodicamente inundadas pela maré, tanto que foram projetadas em forma de canal para ajudar no escoamento da água. Os turistas, principalmente europeus, se divertem a atravessar as ruas alagadas, tanto que Paraty é tida como a Veneza brasileira.

Paraty é tombada pelo Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico Nacional, porém ainda não tem o reconhecimento pela UNESCO como Patrimônio Mundial, ou Patrimônio da Humanidade (posição em setembro de 2017), tanto que foram investidos milhões (números informados pela imprensa foi de R$ 35milhões) de reais em obras de saneamento básico por meio de parceria público-privada.  E fica a expectativa, por sinal, otimista.

 

 

O Rio Perequê-Açu divide Paraty e tem a nascente no Parque Nacional da Serra da Bocaina.

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios

As igrejas de Paraty foram construídas com pedras trazidas de Portugal. No seu lugar, os barcos que as utilizavam como lastro, na viagem de volta, carregavam ouro e especiarias brasleiras.

A Igreja de Santa Rita de Cássia foi transformada em museu de arte sacra.

 

 

Os turistas podem contratar charretes para passeio por Paraty.

Ainda se pode ver muitas casas e sobrados com as janelas e portas pintadas de branco e azul-hortência que é símbolo da maçonaria que predominou em Paraty, tal como Óbidos em Portugal. Na foto acima, a Casa de Cultura cujo prédio original data de 1754 sofrendo depois várias reformas.

 

Igreja Nossa Senhora das Dores foi erguida em 1800 por iniciativa de senhoras da aristocracia da cidade.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 23/09/2017 por em Paraty 2017 e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 707,399 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: