Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Cataratas do Iguaçu, uma das 7 Maravilhas Naturais do Mundo, revisitadas em 2017

Não dá para cansar de visitar as Cataratas do Iguaçu! Toda vez que vamos à cidade de Foz do Iguaçu, especialmente para passar o Natal, esta que foi a 3ª mais votada para as 7 Maravilhas Naturais do Mundo é visita obrigatória, nem que seja por anos seguidos. E no Natal de 2017 não foi diferente. A cada visita você imagina antes se as cataratas estarão com grande volume de água, o que normalmente acontece no mês de dezembro por conta do verão brasileiro com frequentes chuvas, e era exatamente isso!

Cataratas do Iguaçu (em espanhol: Cataratas del Iguazú) é um conjunto de cerca de 275 cachoeiras ao longo de 2,7 km do rio Iguaçu, localizada entre o Parque Nacional do Iguaçu, Paraná, no Brasil, e o Parque Nacional Iguazú em Misiones, na Argentina, na fronteira entre os dois países. Os dois parques possuem mais de um milhão de hectares de florestas protegidas ou ainda nativas, distantes de centros urbanos e de prédios, salvo um hotel de luxo em cada lado. Dois terços das cataratas ficam em território argentino e os hermanos (irmãos) ‘provocam’, dizendo orgulhosamente que proporcionam o espetáculo para o lado brasileiro. E não é que é verdade mesmo!

De onde estávamos hospedados, no Hotel Carimã, aliás, que gostamos muito, praticamente em linha reta pela Avenida (ou Rodovia) das Cataratas, de carro chega-se ao Parque Nacional de Iguaçu em cerca de 10 minutos percorrendo uns 8 kms. Pela estrada interna asfaltada com velocidade controlada, há duas paradas para passeios radicais de barco ou por trilhas no meio da floresta. Eventualmente pode-se ver onças pelo caminho. Você deixa o carro no amplo estacionamento pago e depois de comprar o ingresso nas várias bilheterias no bem organizado centro receptivo, embarca num ônibus (autocarro) que faz o percurso de cerca de 15 minutos até o início da trilha para visita a pé para ver o incrível espetáculo das cataratas.

Hotel Carimã

Fotos abaixo: esquerda-o ônibus que sai do centro receptivo às cataratas / direita-uma das paradas para ir ao passeio radical pelo rio.

(Fotografia de/photos by Rogério P D Luz – clicar nas fotos para ampliar)

Início do passeio pela trilha das cataratas. As quedas de água estão do lado argentino onde você pode vê-las de perto.

Para quem não tem medo, aventure-se nesse passeio de barco (Macuco Safari) pelo rio Iguaçu e chegar perto das quedas de água:

O passeio pela trilha para apreciar as cataratas pode levar de duas a três horas, dependendo do tempo que você for parar para fotos ou contemplar este maravilhoso e incrível espetáculo:

Para conhecer as cataratas por completo, exige um passeio no Brasil para contemplar à distância de um modo geral, e na Argentina para ver de perto essas quedas de água nas várias passarelas em dois pisos, o superior e o inferior.

Esta é a Garganta do Diabo em forma de ferradura, local de encontro das maiores quedas de água com 80 metros e sempre envolta de uma névoa permanente à medida que se aproxima dela, aliviando o calor intenso no verão.

Iguaçu significa “Água Grande” na língua tupi-guarani, os índios que moravam na região.

 

Foto à esquerda: no final de trilha há essa construção que tem 3 plataformas de observação em 3 níveis, com loja de souvenires e elevadores para chegar ao topo que leva aos ônibus para retorno e uma ampla praça de alimentação. Lá você pode ver o rio e o início das quedas de água da Garganta do Diabo. Foto à direita e a próxima: a longa passarela para observar a Garganta do Diabo. Se não quiser se molhar devido à permanente névoa, leve uma capa de chuva e proteja seu celular (telemóvel).

As Cataratas de Iguaçu são maiores e duas vezes mais largas do que as quedas do Niágara, na fronteira entre Canadá e Estados Unidos, e estão localizadas em parques com mais de 600 mil hectares de áreas protegidas, tanto no brasil como na Argentina, sem prédios ou centros urbanos à volta.

Na foto abaixo, do lado esquerdo, a queda das águas do lado brasileiro e à direita e no fundo, o lado argentino.

No final do passeio e próximo ao terminal de ônibus para retorno ao centro receptivo, você pode ver o início das quedas de água na Garganta do Diabo e a plataforma de observação do lado argentino.

Abaixo: também é possível fazer passeios de barco no topo das cataratas, menos radicais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 820,306 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: