Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

A Búzios que Brigitte Bardot fez famosa

A estátua em homenagem a Brigitte Bardot em Armação de Búzios

Em 1964, Búzios, de nome completo, Armação de Búzios, cidade litorânea do Estado do Rio de Janeiro, era um desconhecido vilarejo de pescadores, um distrito de Cabo Frio. Foi aí que naquele ano, em janeiro, Brigitte Bardot com 29 anos, a famosa atriz francesa conhecida como um símbolo sexual dos anos 50 e 60, foi ao Rio de Janeiro passar férias com seu namorado marroquino.

Brigitte Bardot em visita ao Rio de Janeiro em 1964. Foto de Domínio Público – Acervo do Arquivo Nacional

Pela sua fama já no auge na época, foi muito assediada pelos jornalistas e fotógrafos. Não conseguiu o sossego que queria! Foi assim refugiar-se em Búzios na casa de um amigo do namorado situado na Praia de Manguinhos, e gostou tanto que acabou ficando por três meses e meio. Em entrevista ao site de uma rádio francesa, Brigitte revela que guarda belas recordações do vilarejo que nem tinha eletricidade ou água encanada, a viver como “Robinson Crusoé” em praias selvagens e desertas. Alimentavam-se de pescados, frutas e da boa farofa brasileira.

Ainda voltou no mesmo ano para passar o réveillon de 1965 e ficou por pouco mais de 20 dias, tendo se alojado na casa de um argentino onde hoje é a badalada Rua das Pedras. Só que desta vez não teve sossego pois os fotógrafos descobriram o seu esconderijo e invadiram a aldeia que não tinha infraestrutura, como pousadas e restaurantes para receber tantos visitantes.

Após esta última visita, Bardot nunca mais voltou para Búzios, e naquela entrevista lamentou a modernização e urbanização de Búzios que passou a ser conhecida no mundo inteiro graças a ela, a ponto de ser um dos 10 pontos turísticos mais visitados no Brasil. A atriz francesa dizia que o lado selvagem do lugar era o que a seduzia.

Bardot hoje (agosto/2018) com 83 anos é ativista dos direitos animais, após se retirar do mundo do entretenimento e se afastar da vida pública.

Estátua de Brigitte Bardot

Pesando cerca de 160 kgs, a estátua de bronze em sua homenagem e inaugurada em 1999, é de autoria da escultora Christina Motta que procurou retratar a atriz da forma como ela vivia descontraída em Búzios. O local onde foi instalada passou a se chamar de Orla Bardot e é muito procurada por turistas que querem tirar uma foto ao seu lado.

Orla Bardot

Ao fundo, a Praia do Canto, o Cais onde atracam as embarcações de navios de cruzeiro e onde fica a Rua das Pedras

(Fotografias de/photos by Rogério P D Luz)

Orla Bardot, o Cais, Praia do Canto e a Rua das Pedras

Na sua segunda e última visita a Búzios, Brigitte Bardot ficou hospedada na casa de um argentino que ficava aonde é hoje a turística e badalada Rua das Pedras com desenvolvido comércio e uma grande variedade de restaurantes, podendo o turista sentir-se um pouco na Argentina pela presença marcante dos hermanos a falar o castelhano nas ruas e nos estabelecimentos comerciais.

Orla Bardot possui uma variedade de restaurantes

Orla Bardot

O Cais onde atracam os botes dos navios cruzeiros

Cais

Ilha do Caboclo

 

Praia do Canto

Praia do Canto vista do Cais

Rua das Pedras próximo ao Cais

Ao lado do Cais e uma continuidade da Orla Bardot fica a Rua das Pedras à direita

A Rua das Pedras

Passando pela Rua das Pedras e seguindo por essa rua dá na Praça Santos Dumont com ponto de táxi, lojas e sanitário público.

Praia de Manguinhos

Foi na Praia de Manguinhos que a Bardot ficou hospedada na sua 1ª visita a Búzios entre 13 janeiro e 28 de abril de 1964. Além dessa praia a francesa também frequentava a Praia João Fernandes. É um local muito procurado para assistir um belo pôr de sol e onde também é explorado para casamento na beira de praia.

A Praia de Manguinhos também serve de palco para casamento na praia que o autor deste blog participou.

  • Fontes de consulta e pesquisa: O Globo, blog Viaje Comigo e Wikipédia
Anúncios

Um comentário em “A Búzios que Brigitte Bardot fez famosa

  1. Pingback: Assim vi em Búzios o pôr do sol, a Rua das Pedras, casamento na praia e as praias | Cronicas Macaenses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 879.323 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

%d blogueiros gostam disto: