Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo (1755/1770) no Rio de Janeiro

Uma ao lado de outra, a da direita – Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo, e da esquerda – a Igreja de Nossa Senhora da Antiga da Sé

A partir da bem conhecida Igreja de Nossa Senhora da Candelária na Praça Pio X, centro do Rio de Janeiro, percorrendo a Rua 1º de Março, chega-se à Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, tendo passado também pela Igreja da Irmandade da Santa Cruz dos Militares e a Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo, as três na mesma rua e caminhando apenas 5 minutos ou 450 metros. Isto sem falar noutras igrejas nas redondezas, mostrando o quanto a cidade maravilhosa é rica em igrejas católicas e históricas na sua área urbana.

Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo

(Fotografia de/photos by Rogério P D Luz)

Nesta postagem vamos falar e mostrar imagens da Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo, que tem como vizinha a Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé. Uma bela igreja histórica que teve as obras iniciadas em 1755 e concluídas em 1770 com as torres inacabadas, que vieram a ser construídas entre 1847 a 1850 pelo arquiteto Manuel Joaquim de Melo Corte Real, professor de desenho da Academia Imperial de Belas Artes. O projeto da igreja é atribuído ao português Manuel Alves Setúbal, também construtor do edifício, com planta modificada por Frei Xavier Vaz de Carvalho. Coincidentemente a igreja vizinha da Antiga Sé também foi sagrada em 22 de Julho de 1770.

A construção da igreja foi decidida em 1752 pela Ordem Terceira do Carmo, que antes ocupava uma capela próxima ao Convento do Carmo. Mas o que é uma ‘Ordem Terceira’? A Wikipédia explica: “As Ordens terceiras são associações de leigos católicos ou confrarias, vinculadas às tradicionais ordens religiosas medievais, em particular às dos franciscanos, carmelitas e dominicanos. Reúnem-se em torno à devoção de seu santo padroeiro. Espalharam-se pela América através dos colonizadores e foram um elemento importante na vida social da América portuguesa e espanhola. As ordens terceiras mais atuantes no Brasil foram a Ordem Terceira do Carmo e a Ordem Terceira de São Francisco da Penitência, hoje Ordem Franciscana Secular. De forma semelhante às irmandades, estas ordens eram organizadas e dirigidas pelos leigos, cabendo aos religiosos o papel de orientação espiritual. Durante o ciclo do ouro no Brasil, algumas ordens terceiras tornaram-se ricas, patrocinando a construção de igrejas barrocas, sobretudo na Bahia, Minas Gerais e Rio de Janeiro”.

Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo, Rio de Janeiro, Brasil

Fachada

A fachada da Igreja da Ordem Terceira do Carmo é muito elegante, com belos portais, janelões e com um frontão contracurvado típico do barroco. A fachada é única entre as igrejas coloniais do Rio de Janeiro por ser totalmente revestida com pedra, sem o contraste entre a cantaria e o reboco branco, característica da maioria das igrejas coloniais brasileiras. A fachada de pedra, assim como o perfil dos janelões, colunas e portais da fachada são influência da arquitetura lisboeta da época pombalina. O uso das fachadas totalmente em pedra não se firmou no Rio, possivelmente pelo fato da pedra carioca ser demasiadamente escura. As torres com suas cúpulas bulbosas cobertas de azulejos.

Interior

A igreja é de nave única com corredores laterais com capelas laterais e capela-mor retangular. A talha dourada da igreja, de feição rococó, é muito valiosa. A decoração interna começou em 1768 com o entalhador Luiz da Fonseca Rosa, que a partir de 1780 foi auxiliado por Valentim da Fonseca e Silva (o Mestre Valentim). Mestre Valentim trabalharia na igreja até 1800. A Capela do Noviciado, construída à direita da capela-mor, é revestida por belíssima talha rococó de Mestre Valentim, uma de suas obras-primas, esculpida entre 1772 e 1773. As telas da capela são obra do pintor colonial Manuel da Cunha.

No Altar-mor abaixo do crucifixo, a Virgem do Carmelo. Santa Teresa de Ávila no lado esquerdo e no lado direito, Santa Emerenciana (avó de Maria, segundo o Proto-Evangelho de São Tiago) que segura nos braços Santa Ana e a Virgem Maria, sua neta.

Entre 1829 e 1855 as paredes da nave foram preenchidas com talha pelo escultor Antônio de Pádua e Castro, o que deu ao interior um aspecto mais homogêneo. Também no século XIX se abriu uma pequena cúpula sobre a capela-mor para permitir a entrada de luz.

Altares laterais com imagens da Paixão de Cristo

Púlpito

 

No coroamento do arco-cruzeiro vemos a representação de Nossa Senhora do Carmo e membros das ordens carmelitas

O coro e a nave da igreja

Pinturas de Santo Elias e Santo Eliseu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.077.081 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: