Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Macau 1963, por Harry Redl

Arco iluminado que era erguido por ocasião de datas festivas como o Dia da China etc. Em primeiro plano um triciclo que era um meio de transporte na época. Cabe dois adultos e uma criança e na chuva era colocada uma capa protetora com um visor em plástico, como se vê na foto.

Na minha imigração de Macau para o Brasil em 1967, precisava levar na minha bagagem alguns livros para lembrar a minha terra natal.  Tinham poucos, bem diferente dos dias de hoje quando há abundância de publicações.  Tinha poucas fotos, nem dinheiro e capacidade suficiente para sair por aí e fotografar como na era digital, quando seriam milhares.  Foram apenas poucas dezenas feitas por uma simples Yashica.

Das poucas opções de livros sobre Macau, tinha este “Macao, by Harry Redl”.  Acredito que muitos macaenses devem ter um exemplar.  Conservei-o razoavelmente bem até hoje, quando decidi digitalizar algumas fotos para publicação em duas ou mais postagens neste blog. Algumas páginas se soltaram e o conjunto despreendeu-se da capa.  Tudo bem, vale por uma boa causa, mas vai dar para reparar o dano. Fiz uns recortes, alguns acertos por photoshop e tive a preocupação de atribuir a autoria na própria foto, inserindo em inglês “photo by Harry Redl”.  Afinal,na medida possível, é preciso respeitar os direitos autorais, e espero que saibam respeitá-la na publicação em outros blogs etc., sem recortar o texto ou “carimbá-lo” pelo photoshop.

Harry Redl nasceu em Austria e é(era?) um cidadão canadense/canadiano. Era um famoso fotógrafo conhecido em jornais e revistas no mundo. Morava em Hong Kong e passou cerca de um ano, nas suas horas vagas, a fotografar Macau para o seu livro. Para ele, Macau é um lugares mais fascinantes no mundo.m (texto do livro)

*Fotografias de/Photos by Harry Redl (clicar para aumentar/click to enlarge)

Panorama de Macau visto da Colina e Farol da Guia

Resumo do texto sobre Macau extraído do livro escrito em inglês em 1963

Macau, Cidade do Santo Nome de Deus , é a única mistura de raça e cultura da costa do Sul da China  e do Mediterrâneo que existiu por quatro séculos no Rio das Pérolas. É um décimo do tamanho da minúscula Alpine, Principado de Liechtenstein, tem cerca de vinte vezes do tamanho de população e é o paraíso do fluxo interminável  de refugiados da China comunista.

Macau é a mais antiga colônia européia no Extremo Oriente.  Utilizada pelos comerciantes portugueses como porto de parada para as suas naus a caminho do Japão nos idos 1516, foi  formalmente estabelecida em 1557, exatamente um ano antes de Elizabeth I suceder ao trono de Inglaterra e sessenta e três anos antes de Mayflower viajar de Southampton para América.

Os chineses a chamavam de A-Ma-Kao, que significa a Baía de A-Ma – A-Ma, a Padroeira dos Marinheiros, cujo templo ainda é reverenciado até a atualidade.

Incluindo as duas pequenas ilhas de Taipa e Coloane,  Macau abrange apenas 15,5 quilômetros quadrados (dados de 1963).   A população é composta por cerca de 235 mil chineses, 1.080 portugueses e 20 mil naturais da terra “macaenses”.

Juncos chineses à procura de abrigo pela aproximação de um tufão que assola Macau no Verão principalmente

Colina e Farol da Guia

Ermida da Penha e residência do Bispo de Macau (anos 60)

Pesca na Praia Grande. Veja como a mulher se equilibra bem na estreita tábua

O canal do Rio das Pérolas que separa Macau da Ilha da Lapa (ao fundo) da China, patrulhado por embarcações (corvetas) dos dois lados. Muitos chineses do lado da China atravessavam a nado para se refugiarem em Macau, alguns morriam a tiros ou por outras causas como afogamento.

Pesca no Porto Exterior

Este grande cachimbo de bambú é enchido com água do mar para filtrar a espessa fumaça. O barco é a moradia da pescadora.

As Ruínas de São Paulo. Observe a placa que está escrito “Leal Senado – Estação de Jerinxás” (Leal Senado é a Câmara Municipal ou Prefeitura)

Macao, by Harry Redl edited by Lee Peters, layout by Laurence Kearney and Lee Peters.  Published by Dragonfly Books, Hong Kong.  Printed by South China Photo-Process Printing Co. Ltd., Hong Kong, 1963

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 17/08/2012 por em História, MACAU, Macau-memórias e marcado , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 695,172 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: