Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Tamagnini Barbosa, 3 vezes Governador de Macau

Há duas postagens atrás, publiquei um relato de Jorge Remedios que recordava os tempos vividos no bairro social Tamagnini Barbosa, em Macau (ex-Portugal, na China), na qualidade de refugiado da II Guerra Mundial. Muitos conhecem o nome de Tamagnini Barbosa, mas quem foi ele? Como se tornou Governador de Macau por três vezes? Vejamos a sua biografia:

O Governador em Hong Kong, em 1927, passando revista ao Queen´s Royal Regiment, na companhia do seu homólogo britânico, Sir Cecil Clement

O Governador em Hong Kong (ex-colónia inglesa), em 1927, passando revista ao Queen´s Royal Regiment, na companhia do seu homólogo britânico, Sir Cecil Clement

(em português-Portugal)

TAMAGNINI BARBOSA: TRÊS VEZES GOVERNADOR

por Eduardo Tomé – Revista Macau Dezembro de 1996

Era um bebé de quatro meses, quando a 22 de Janeiro de 1882 desembarcou em Macau, ao colo de seus pais, o conselheiro Artur Tamagnini Abreu Barbosa e Fátima de Sousa Tamagnini. Frequentou o Seminário de S. José e o Liceu, só regressando à metrópole com 17 anos, indo estudar para Coimbra, onde se licenciou em professorado e pedagógicas.

Viria a abraçar a carreira colonial, à semelhança de seu pai, inspector-geral da Fazenda do Ultramar, de quem foi secretário, acompanhando-o em 1903 em missão de serviço a Cabo Verde, Guiné, S. Tome e Angola, viagem que repetiria em 1905, com a variante de ter sido estendida a Moçambique.

Iniciou a sua carreira dentro do Ministério das Colónias como escriturário dos serviços da Fazenda de Timor, tendo sido sucessivamente promovido, tendo chefiado diversas repartições, vindo a ser director-geral da Administração Política e Civil.

Foi chefe de gabinete do seu irmão, brigadeiro João Tamagnini Barbosa, quando este era ministro das Colónias, bem como co-proprietário de um dos mais prestigiados estabelecimentos de ensino de então, a Escola Nacional, em Lisboa, onde se ministrava o ensino básico, secundário e comercial, tendo sido seu director e professor de português, literatura portuguesa, francês e inglês.

Tamagnini Barbosa (7)

Matrimoniado com Margarida Vieira de Melo, que faleceu cedo, dela teve uma filha, Maria Amália Tamagnini, que em Macau se enamorou do comandante da canhoneira “Macau”, o primeiro-tenente Joaquim Alves Pereira da Fonseca, mais tarde almirante e comandante-geral da Armada, com quem casou, tendo já ambos falecido.

Artur Tamagnini tinha 35 anos quando, em segundas núpcias, desposou uma sua aluna, Maria Anna Acciaioli, então com 16 anos. Em Março de 1918 foi nomeado Governador de Macau, desembarcando no território a 12 de Outubro, contava a sua mulher 19 anos,  pelo que terá sido a mais jovem primeira dama. Por ter mudado o ministro das Colónias, em 21 de Julho do ano imediato, foi chamado a Lisboa e substituído.

A jovm Primeira Dama, Maria Anna Acciaioli Tamagnini, e o Governador, em finais dos anos 20

A jovem Primeira Dama, Maria Anna Acciaioli Tamagnini, e o Governador, em finais dos anos 20. Maria Anna foi a idealizadora da construção do bairro social Tamagnini Barbosa, e é autora dos poemas do livro Lin Tchi Fá – Flor de Lótus, da Colecção Poetas de Macau do Instituto Cultural de Macau

clicar para aumentar

Da segunda esposa, Tamagnini Barbosa teve cinco filhos, Artur Manuel (falecido em desastre de aviação), Mariano Alberto, Miguel Ângelo (igualmente falecido em acidente de aviação), Marco Antônio e Alberto Manuel (falecido de angina diftérica, aos 10 anos).

Novamente nomeado Governador de Macau, em Julho de 1926, chegou ao território a 8 de Dezembro, aqui permanecendo até 19 de Novembro de 1930. Menos de três anos após regressar a Portugal, sofre um rude golpe, a sua jovem esposa, com 33 anos incompletos faleceu durante o parto do seu filho Alberto Manuel, desaparecendo assim prematuramente a talentosa poetisa autora de Lin Tchi Fá.

Em Novembro de 1936, Tamagnini Barbosa foi pela terceira vez nomeado Governador de Macau, desembarcando no território em 11 de Abril do ano imediato. Foi de avião à Conferência Colonial, na metrópole, em Abril de 1939, regressando ao território em Agosto, também de avião — facto extraordinário para a época, pois as viagens aéreas ainda não estavam vulgarizadas. Viria a falecer no palacete de Santa Sancha, a 10 de Julho de 1940, contava 59 anos, vítima de uma anemia cerebral, numa altura em que Macau vivia uma situação muito difícil, com uma população acrescida de largas dezenas de milhares de refugiados, fugidos à guerra sino-nipónica e à ocupação japonesa, receando-se a todo o momento que o território pudesse ser também invadido.

Era possuidor de 16 condecorações, entre as quais a medalha de ouro de serviços distintos, a medalha de mérito naval, a Legião de Honra, a Ordem de Santiago e Espada e a Ordem Militar de Avis. Publicou o trabalho Giro Bússola e Elementos Magnéticos da Província de Moçambique.

Foi dado o seu nome a uma avenida de Macau e no Jardim da Flora existe um busto seu — que o seu filho Mariano gostaria que, após 1999*, fosse colocado no Jardim Museu Agrícola Tropical, em Lisboa, onde já existe um arruamento e um arco dedicados a Macau. Também o grande bairro social que mandou construir, e só há poucos anos foi demolido, ostentava o seu nome: Bairro Tamagnini Barbosa. É lembrado no território como um dos seus mais dedicados governadores.

*Lembrete: esta biografia foi escrita em 1996. As fotos foram publicadas nessa edição da Revista Macau cujo tema principal era “Uma missão quase impossível” sobre Mariano Tamagnini Barbosa.

Tamagnini Barbosa (2)

O funeral de Artur Tmagnini Barbosa: uma enorme manifestação de pesar pelo desaparecimento do tri-Governador . em 10 de Julho de 1940

Foto acima e as abaixo: O funeral de Artur Tamagnini Barbosa: uma enorme manifestação de pesar pelo desaparecimento do tri-Governador . em 10 de Julho de 1940.

Tamagnini Barbosa (5)

Tamagnini Barbosa (6)

Anúncios

Um comentário em “Tamagnini Barbosa, 3 vezes Governador de Macau

  1. Jorge E. Robarts
    04/02/2013

    Recordo perfeitamente deste governador e, principalmente do seu funeral, cujo caixão foi depositado na Sé Catedral de Macau, por alguns anos (devido à segunda guerra mundial). Quando aportou a Macau o primeiro navio nacional “Colonial” em l946 o féretro do governador e do 2º tenente piloto aviador Silveirinha (falecido num desastre de avião com o sargento/mecanico Girão, cujo aparelho caiu sobre umas casinhas na rua da Esperança – em Tap Siac em 1939 -, quando deitavam uns panfletos), o N/M “Colonial” transportou os caixões forrados de zinco para Portugal. Eu tinha na data 8 anos de idade, mas a minha memória diz-me que foi isso mesmo. E como era o primeiro navio nacional que aportava Macau depois de muitos anos, seguiram no mesmo as famílias de Eduardo Francisco, Diamantino Ferreira e outros funcionários “ngaus” que tinham direito à licença graciosa e alguns estudantes de Macau que iriam frequentar curso superior, entre os quais os meus cunhados Edmundo (Edi) e Henrique S. Fernandes, José (Apache) Rodrigues e outros. Giga.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 707,530 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: