Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Lap Cheong (chouriço chinês), por Jorge Basto

Recebi do Jorge Basto (macaense residente em Portugal) esta excelente matéria sobre uma das maiores delícias da culinária chinesa, o << Lap Cheong>>, chouriço chinês ou chouriço china como dizem os macaenses. E, vamos ao que interessa:

(ao público brasileiro, veja a dica do blog no final da matéria)

 LAP CHEONG (CHOURIÇO CHINÊS)

por Jorge Basto

O Melhor «Lap Cheong» do Mundo, existe ainda em Macau!

1. O que é o «lap cheong»?

«Lap cheong», termo em cantonense que traduzido à letra quer dizer «intestino encerado», mais conhecido por chouriço chinês, é como tal um enchido, seco e rígido, ligeiramente adocidado, feito usualmente com carne de porco picada (podendo incluir como variedades fígado de porco, pato ou perú que o escurecem) e gorduras, envolvido numa pele comestível, feita de tripa. Como condimentos, contém água de rosa, aguardente de arroz e molho de soja.

lap cheong 1
Foto 1 – «Lap cheong» seco (cerca de 15cm de comprimento por 1,5cm de diâmetro, de 40 gramas)

Existem 2 variedades básicas – magro ou gordo, consoante o teor de gorduras, e depois vermelho vivo ou escuro, consoante o teor de fígado e soja. O mais tradicional é o vermelho vivo e magro, e também o mais saboroso.

Pode ser cozinhado directamente em água, banho-maria, ou juntamente enquanto se coze o arroz, dando-lhe assim um sabor e um aroma deliciosos, assim que se destapa a panela…

Foto 2 – O saboroso e aromático «lap cheong fan» (arroz com chouriço chinês)
Foto 2 – O saboroso e aromático «lap cheong fan» (arroz com chouriço chinês)

Serve-se depois de cozido, cortado às rodelas, não perpendicularmente mas em diagonal, para melhor apresentação na mesa.

Como se vê, pode ser preparado por qualquer leigo em culinária! Tal como está basta, mas claro… pode ser misturado em pratos mais sofisticados, mas isso já fica para entendidos.

2. Como se compra e aonde?

2.1. Em Macau

Em Macau, existem diversas lojas que vendem «lap cheong», quase todas concentradas na zona do Mercado de S. Domingos.

Foto 4 – Nas lojas, em seco e aos pares, pendurado por cordéis de cores diferentes, em muitas variedades
Foto 4 – Nas lojas, em seco e aos pares, pendurado por cordéis de cores diferentes, em muitas variedades

Vende-se a peso, não em gramas ou libras, mas antes numa medida tradicional chinesa, o «can» (em cantonense). Este peso, que em macaense se chama «cate» corresponde a 604,8 gramas, ou 1,333 libras.

Mais ainda, o produto vendido não é pesado numa balança que um ocidental espera encontrar num super-mercado, mas antes numa balança tradicional chinesa, que o vendedor apresenta à frente do comprador, bem alto à sua vista, para garantir o rigor da medida.

Claro…, para um ocidental de nada serve, porque não entende aquelas marcações que se veem na régua horizontal, enquanto o vendedor desliza muito habilmente o contrapeso para mostrar, o mais honestamente possível para quem entender, o equilíbrio e horizontalidade da balança. Complicado, não é?

Foto 5 – Balança tradicional chinesa, com o prato, régua e contrapeso
Foto 5 – Balança tradicional chinesa, com o prato, régua e contrapeso

Chega-se agora à meta final que se pretende – onde encontrar o melhor «lap cheong» do Mundo?

Esse é o do tipo vermelho vivo e magro, com gordura quanto basta, portanto com reduzido colesterol e menos calorias, apenas «ligeiramente» adocicado, e por isso o mais saboroso.

Pois fica em Macau, junto ao Mercado de S. Domingos, na Rua dos Mercadores, transversal à Av. Almeida Ribeiro!

Foto 6 – Lojas em Macau de «lap cheong», na Rua dos Mercadores, vendo-se ao fundo o Hotel Central (foto Google-2008)
Foto 6 – Lojas em Macau de «lap cheong», na Rua dos Mercadores, vendo-se ao fundo o Hotel Central (foto Google-2008)

Essa loja, fazendo esquina com a Rua dos Mercadores e a Travessa da Porta (22º11’40.29’’ N, 113º21’40.31’’ E), existe desde os anos 50s e, pelo que se sabe, felizmente ainda existe! Tem uma área de apenas 3mx10m aproxidamente, e nunca foi modificada ou modernizada! Para que, pergunta-se?

Foro 7 – O melhor «lap cheong» do Mundo! (foto Google-2008)

Foro 7 – O melhor «lap cheong» do Mundo! (foto Google-2008)

O «lap cheong» de Macau apenas se vende no Inverno, de Dezembro a Março (por altura do Ano Novo Chinês), pois o calor de Verão não permite a sua produção, com a frescura, sabor e aroma necessários, tão exigentes na gastronomia chinesa e macaense! Felizmente, pode-se conservar em frigorífico durante longos meses.

A sua fama não se limita a Macau!

Assim, em jeito de conto, recordo-me de, depois de reuniões de trabalho com chineses de Hong Kong, eles me pedirem para os levar lá comprar «lap cheong» antes de apanharem o «jet-foil» de volta a HK.

Perguntava eu, surpreso: – Como conhecem essa loja?

Respondiam-me: –  Já é famosa e em HK não há assim! Levo para mim e para amigos que me pediram…

Mas acautelem-se os leitores! O tal «lap cheong» de boa-excelente qualidade não é barato… podendo hoje chegara 150 patacas ou mais (cerca de 14 euros, 19 US dólares) o tal «can» de 0,6 kg, que tem cerca de 14 chouriços, ou melhor 7 pares, pois não se vende à peça!

Foto 8 – Preços em HK$ (HK, ano 2011)
Foto 8 – Preços em HK$ (HK, ano 2011)

2.2. Em Lisboa

Para a comunidade macaense que reside em Lisboa, já existiu bom «lap cheong» até cerca de 2009, do tipo vermelho vivo e razoavelmente magro. Era produzido em França e exportado mundialmente, embalado em pacotes de plástico de 500 gramas, alguns sob vácuo,

Foto 9 – Exemplar de pacote de «lap cheong» fabricado em França
Foto 9 – Exemplar de pacote de «lap cheong» fabricado em França

Existem 3 mercearias da especialidade na Rua da Palma, junto ao Largo Martim Moniz, em Lisboa.

Foto 10 – Mercearias de «lap cheong» em Lisboa, na Rua da Palma (foto Google-2009)
Foto 10 – Mercearias de «lap cheong» em Lisboa, na Rua da Palma (foto Google-2009)

Depois dessa data, apenas se encontram essas embalagens com o mesmo aspecto exterior, mas que depois de abertas e cozidas revelam um resultado desolador –  a pele do chouriço é em plástico, e por conseguinte não comestível. Uma pena… para quem o aprecia, na sua integralidade!

Torna-se portanto necessário retirar primeiro a pele de plástico antes de o cozinhar, correndo-se o risco de o desfazer durante a cozedura…

Ou então, coze-se assim mesmo com o plástico, que se retira depois.

Em conclusão, chegamos a esse fabuloso…

Foto 12 – O fabuloso «lap cheong fan» caseiro de Macau! Ficaram os leitores com «água na boca»?
                                    Foto 12 – O fabuloso «lap cheong fan» caseiro de Macau! Ficaram os leitores com «água na boca»?
Jorge Basto
(fontes – fotos da internet e Google mapas)
Jorge Basto-2009

Quem é Jorge Basto? Conheça-o numa próxima postagem com recordações da sua casa no Tap Seac, ele que foi o autor do cd “Macau em Palavras” de 1998 e da tradicional família macaense Basto.

* Nota do blog ao público brasileiro:

Se deu água na boca e a vontade de experimentar, este chouriço chinês <lap cheong> é facilmente encontrado nas mercearias chinesas do bairro da Liberdade. Duas delas ficam na Praça da Liberdade, em São Paulo, uma Tou Wa ao lado do Bradesco e outra ao lado do McDonald.  Anote o nome em chinês. Há atendentes brasileiros que entendem de todas as guloseimas chinesas.  Particularmente, dentre as variedades, umas nacionais, prefiro os fabricados no Canadá (com pele comestível). São mais gostosos.  Isto, se o seu paladar aceitar alimentos adocicados.  Não é barato como diz a matéria, inclusive em São Paulo, mas comparados com as boas linguiças está por aí, preços parecidos. Dois chouriços e você está jantado! Vale experimentar sem medo, e se gostar … xiiii !

Anúncios

2 comentários em “Lap Cheong (chouriço chinês), por Jorge Basto

  1. Pedro Coimbra
    06/03/2013

    Passo a seguir o seu blogue, que só hoje descobri, desde Macau.
    Lap cheong em Macau, comprado nos mercados, é uma tentação!!

    • Uma satisfação ter-te como leitor Pedro. Lap cheong é mesmo uma tentação deliciosa, se não fosse a preocupação com o colesterol. Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 717,454 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: