Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

O papiamento do Caribe e o patuá de Macau, o ensaio de uma fantasia

O Caderno de Viagem do jornal O Estado de São Paulo (Brasil) trouxe uma reportagem “Caribe inebriante” com a seguinte chamada na sua 1ª página: “num cenário idílico recortado pela arquitetura de traços holandeses, uma bem-sucedida fusão de mundos é anunciada em papiamento: ‘bon bini’ (bem-vindo) a Curaçau”.

Curaçau

Curaçao

Como descreve a enciclopédia livre Wikipedia:  “Curaçao ou Curaçau, também conhecida em Portugal como ilha da Curação, é a maior ilha do antigo arquipélago das Antilhas Neerlandesas e um país autônomo constituinte do Reino dos Países Baixos”. Os primeiros colonizadores foram os espanhóis com a chegada em 1499, porém a ilha foi progressivamente abandonada no século XVI para colonização do norte da América do Sul.  Os holandeses em 1634 reclamaram a ilha para os Países Baixos.  Em 2010, a ilha de Curaçao ganhou certa autonomia da Holanda tornando-se um território autônomo e em 2012 elegeu seu segundo Parlamento.

onde fica Curaçau

onde fica Curaçao

O motivo de falar de Curaçao, que não estive lá ainda, é sobre a sua língua principal e oficial – o Papiamento – que é uma mistura curiosa de línguas, digamos que, seria algo como o ‘patuá’ do Caribe, e que mais abaixo poderão conhecer a sua origem que também tem, como base, a língua portuguesa. Embora pouco se parece com o ‘patuá’ de Macau mas num plano de imaginação fez-me mergulhar num mundo de fantasia.

O Papiamento é um dialecto fruto de uma mistura de línguas, tal como o Patuá de Macau.  Lá no Caribe, com a sua relativa autonomia conquistada do seu colonizador holandês, aqueles que tentaram tomar Macau (olha eles aí de novo), o seu dialecto tornou-se uma língua oficial. Daí que fiquei fantasiando após a leitura do artigo do jornal, auxiliada pela pesquisa na Internet, se, mas se, por uma situação geográfica favorável e longe do continente chinês, a Macau e aos macaenses fosse concedido o direito de alcançar a sua autonomia, para não dizer independência de Portugal, o nosso dialecto ‘Patuá de Macau’ poderia ter se tornado a língua oficial.

Numa Macau independente, não haveria necessidade de se preocupar em tornar o Patuá em ‘Patrimônio Intangível’ para preservá-lo, se passasse a ser língua oficial, tal como ocorreu com o Papiamento de Curaçao autônomo da Holanda. Vão dizer que, obviamente seria o português a língua oficial, mas, num plano de fantasia, seria permitido imaginar, embora lá no Caribe tornou-se realidade, pois a língua holandesa não prevaleceu.

Isto para fantasiar numa postagem de fim do dia 17, já próximo de virar meia-noite.

Curaçao no Caribe é famosa pelas suas praias e o mar com água cristalina

Curaçao no Caribe é famosa pelas suas praias e o mar com água cristalina

(Wikipedia) – Papiamento ou Papiamentu é uma língua crioula e é a principal língua falada nas ilhas caribenhas de Aruba, Curaçao e Bonaire. Recentemente, ganhou o status de língua oficial nas três ilhas.

O papiamento originou-se do pidgin português conhecido como guene, por ser falado pelos escravos africanos (originários das zonas de Guiné-Bissau/Cabo Verde e São Tomé/Golfo da Guiné, entre outras) trazidos pelos neerlandeses para o trabalho na lavoura de cana-de-açúcar. Após a retomada de Cabo Verde por Portugal e a reconquista da Nova Holanda pelos portugueses, alguns judeus sefarditas, portugueses de Cabo Verde e quase todos os do nordeste brasileiro foram para as antilhas neerlandesas levando consigo o idioma português. A linguagem judaico-portuguesa iria se misturar ao guene dos escravos africanos, dando origem à primeira forma do papiamento no século XVIII. Com a administração do império colonial neerlandês nas ilhas, a influência neerlandesa legou muitas palavras de seu idioma ao papiamento. No final do século XIX, a influência do castelhano ocorreu com o contato com os países vizinhos, especialmente a Venezuela. O papiamento sofreu também influência do idioma inglês pelos missionários que se estabeleceram nas ilhas e posteriormente pela presença de turistas vindos de países anglófonos.

O nome procede da palavra papiá, que significa ‘conversar’, derivada originalmente da palavra portuguesa “papear”. Origina-se igualmente deste verbo coloquial o nome do crioulo de base lusófona de Malaca, o papiá kristáng. O verbo papiâ ainda existe no crioulo cabo-verdiano e significa falar.

Já existem periódicos em papiamento e dicionários bilíngues. Alguns intelectuais portugueses interessam-se pela criação de uma rede de pesquisadores de crioulística que enlace os interessados nestas manifestações linguísticas mestiças, incluindo o papiamento.

Breve comparação entre o português, papiamento, crioulo da Guiné-Bissau e crioulo de Cabo Verde

Papiamento comparativos

*Variante de Santiago

**Escrita adoptada neste exemplo: ALUPEC

***Palavra em português usada em crioulo;

Note-se que expressões como “Vejo você depois”, “Suco” e “Eu amo Curaçao” são muito mais comuns no Brasil do que em Portugal onde é muito mais vulgar dizer-se “Até à vista, até à próxima”, “Sumo” e “Eu gosto muito (muitíssimo, mesmo muito) de Curaçao”. A razão prende-se com o uso bastante mais conservador do verbo “amar” em Portugal – quase exclusivamente dedicado a pessoas (ou a entidades abstratas, ex: a pátria, a língua portuguesa etc).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 663,018 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: