Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Bebinca de Nabo (“Ló Pak Kou”), segundo Jorge Basto

BEBINCA DE NABO (“LÓ PAK KOU”)

por JORGE BASTO  (macaense residente em Portugal)

Quem tendo vivido em Macau não conhece o “ló pak kou”? É um delicioso prato da cozinha tradicional,  muito apreciado, tanto pelos macaenses como pelos chineses. Porém cada um à sua maneira…, e bem diferentes.

E é isso que pretendo abordar, sobre essas diferenças de natureza cultural -de hábitos de alimentação e de convívio-, de alguns pormenores sobre os ingredientes utilizados, longe da própria “culinária” em si, sobre a qual me considero um “nabo”.

1. As duas “maneiras”

Comecemos pela maneira “chinesa”. É  um prato que se come ao pequeno-almoço ou ao almoço, no conhecido “dim sum” no dia-a-dia, mas muito popular durante o Ano Novo Chinês porque o nome soa parecido a “boa sorte”. Come-se sózinho ou acompanhado de amigos, numa tendinha da rua ou num restaurante, servido usualmente na forma de fatias fritas, ao qual se juntam molhos doces ou salgados a gosto. Continuam a existir muitíssimos restaurantes que o servem na China e pelo mundo fora.

Depois a maneira “macaense”, que eu prefiro. Come-se ao lanche, no conhecido “chá gordo”, por volta das 18h00. Come-se quase sempre em grupo e em ocasiões de convívio –aniversários, casamentos, festas, etc-, servido sem fritura prévia e à colherada, ao qual se juntam molhos salgados do tipo soja e picante (“siao” e “lat tchiu cheong”).

Tendinhas e restaurantes disso já não existem mais em lado nenhum! Quem o quiser comer “faça você mesmo” se o souber, ou então tem a sorte de encontrar alguém que o faça, em casa, numa festa ou coisa parecida.

Esta maneira “macaense” era feita com muito carinho, tudo à mão, pelas “senhoras macaenses” muito prendadas! Felizmente ainda existe uma nova geração que ainda os faz para gulosos como eu, pelo mundo fora!

2. Os seus ingredientes muito específicos

Do que conto sobre os ingredientes resulta muito da minha curiosidade de durante anos ver a minha mãe a cozinhar o “ló pak kou”. Tanto quanto me lembro, ela era considerada no seu círculo de amigos quem melhor o fazia. Então aí vai o pouco que me apercebi.

Jorge Basto Lo Pak Kou (03)

3. Os ingredientes

Obviamente temos que começar pelo mais importante, esse tal senhor “nabo”! A questão é que para esse prato ser feito como deve ser, não se utiliza o nabo, mas antes “rábano”. Aí é que está o primeiro obstáculo quando se pretende cozinhar essa delícia fora de Macau. Se não vejamos.

Segundo uma fonte (http://hortas.info/como-plantar-r%C3%A1bano), “o rábano é erroneamente conhecido como nabo japonês (“daikon”, grande raíz), nabo chinês (“ló pak”) ou nabo comprido, pois não é realmente um nabo, e sim uma variedade asiática do rabanete.” Vejamos as diferenças nas fotos abaixo.

Quem se esquecer desta dica, lembre-se pelo menos que para um bom “ló pak kou” tradicional, há mesmo que “tirar os nabos da púcara”! Já li diversas razões para isso, tais como a sua frescura, suculência, cheiro que se consegue eliminar, etc. Não há hipóteses!

A seguir, outro pormenor prende-se com as carnes que se introduzem. O conhecido chouriço chinês (“lap cheong”) é hoje vendido fora do mundo chinês, envolvido numa capa de plástico, não comestível, por razões que desconheço. Isso tira-lhe quase todo o gosto e cheiro. Mesmo assim é preferível do que substituí-lo por outro chouriço ocidental, tipo linguiça.

A outra carne, bacon chinês (“lap iôk”), talvez se encontre à venda embalado, só que tem demasiadas calorias. Como existem formas diversas de cozinhar o “ló pak kou” há quem o substitua por carne picada (porco 50%, vaca 50%, tal como no tradicional “minchi”), ou então por galinha picada que dá mais trabalho. Uma substituição fácil, gostosa e mais saudável.

Por fim, falando no “topping” quando se apresenta à mesa decorado com uns “verdes” (“tchông”) saborosos e cheirosos, cortadinhos em rodelas, há que atender a uma diferença.

A da esquerda a “verde” é mesmo a que se usa no verdadeiro “ló pak kou” e em toda a comida chinesa, o “tchông”, vendendo-se nas mercearias chinesas. A da direita a “francesa” vende-se nos grandes supermercados ocidentais. Reparem primeiro com os olhos na diferença da forma, e depois com o nariz pelo cheiro (só na loja… claro). Em casa, no gosto, não há comparação!

3. A receita

Cada cozinheiro/a tem a “sua” receita! Esta que junto é à maneira tradicional macaense, que me parece “ui de sabroso”.

http://rpdluz.tripod.com/projectomemoriamacaense/gastronomia-comunidadebr3.html

Quem se interessar, pode ver outra receita, até mesmo em patuá https://cronicasmacaenses.com/2012/02/25/patoa-receita-de-lo-pak-koubebinga-de-nabo-a-moda-da-mariazinha/

Na preparação deste prato o que dava mais trabalho era desfiar o rábano em tiras fininhas, feito à mão com um ralador. Felizmente hoje já existem aparelhos de cozinha eléctricos multifuncionais que nos poupam esse “trabalhão”, num piscar de olhos.

Mas no antigamente “ancusa nhonhônha sábi vâi chipi ancusa di butám? Istunga de cumplicaçám qui tai-pán comprâ? Iou chamâ MuiChai…”

4. Vídeo sobre como cozinhar

O vídeo que encontrei (de HK) e que melhor se aproxima do “ló pak kou” macaense encontra-se neste link

http://www.youtube.com/watch?v=jnCvQbDMQSU

5. O final na mesa

De tudo quanto escrevi, esta é a parte na qual, modéstia à parte, me considero um “expert”!

Basta-me tirar uma colherada para o prato… e acrescentar os molhos! Que saudades…

4 comentários em “Bebinca de Nabo (“Ló Pak Kou”), segundo Jorge Basto

  1. Ana Pina
    09/10/2015

    Deu saudade do bolo de nabo que minha querida vó Alzira fazia de vez em quando.

  2. Renata Santos
    17/06/2013

    Muito esclarecedores os seus comentários. Meu filho tornou-se vegetariano e pesquisando receitas fui dar com várias falando do nabo japonês. Comprei-o mas comecei a procurar receitas na internet e dei com o seu blog. Sou portuguesa mas tive parentes que moraram em Macau muitos anos. Tenho muita vontade de ir até lá para ver como está agora. De vez em quando vou voltar ao seu blog. Felicidades.
    Renata Santos

    • Muito agradecido Renata. Seja sempre bem-vinda a este blog. Esta postagem foi possível graças ao bom trabalho do colaborador Jorge Basto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.084.400 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: