Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Patuá de Mariazinha em “Chicói vai dôtor”

Mariazinha Lopes Carvalho, a dama do patuá de São Paulo

Mariazinha Lopes Carvalho, a dama do patuá de São Paulo

Em 23/06/2013, Mariazinha Lopes Carvalho fez uma apresentação em patuá de Macau em duas partes.  Na primeira, a dama do dialecto macaense em São Paulo, sózinha, a lamentar a ausência do seu antigo parceiro de patuá: Armando Ritchie, apresentou-se com um diálogo “Chicói vai dôtor” que provocou risos.

Na 2ª parte, teve como parceiro o Pedro Almeida que foi “importado” do Rio de Janeiro e que será objeto de outra postagem.  Assim, nesta vou apresentar o texto e o vídeo que gravei na festa da Casa de Macau, celebrando o Dia de Macau e o Aniversário da Casa.

Leia o texto abaixo e em seguida assista o vídeo.

“Chicói vai dôtor”

um texto em patuá de Macau de autoria e apresentado por Mariazinha Lopes Carvalho

Primeiramente gostaria de dar um recado ao nosso  grande  colaborador Armando Ritchie e com certeza nesta  festa ele faz muita falta em todas as áreas:

Uvi Armando Estopôr:

Vôs largá iou onçôm-onçôm, corê vai Macau chapá co Dóci Papiaçám fazê Teatro Patuã

Cuas vôs pensá… iou sentá atráz chupá dedo?

Vôs vai chupá ôvo estopôr.

Iou qui capaz, nunca perdê tempo, azinha-azinha já vai aranjá ôtro home

Pedro Almeida di Rio de Janeiro, contente qui contente já corê  vem São Paulo chapá co iou fazê Patuá.

Unga ucho uide grandi pa vôs di vossa sempri Mariazinha Buricida.

—————–

Uvi, nhonha-nhonha di Casa di Macau, estunga patuá qui iou iscrevê sâm pa vosôtro, prestá atenção.  24 ano já passá e nôs 24 ano más vêla.  Ai qui triste, non têm más home-home assubiá fio-fio, corê atrás di nôs!  Agora quim corê atrás di  nôs sâm:atrite/atrose/osteoporose/catarata/surdo uvi tudo ancusa trocado, taufu pa tausi.   Pió sâm ficá montông-montông, mas graças a Dios nossa cabéça sâm melhó qui home-home.  Olá,   unga dia iou já  iscutá conversa di  dôs home.  Unga perguntá:  Uvi vôs têm pressám alto?  Ôtro respondê:  Iou-sa pressám ta uide bom, somente quelóra iou fica uide excitado pressám subí alto qui alto, acabá-ia torná decê  pa basso.  Ôtro falá:  Rapaz, vôs sâm divéra pantominéro, iou nádi acreditá, co vossa idade inda pôde chuchú?

Uví amiga-amiga si vôs querê bem di vosso marido, prestá atençám, uví iou-sa conselho.  Quelóra acompanhá vosso marido vai olá dotôr non pôde dessá ele onçôm-onçôm papiá.   Olá cusa já acontecê co iou e Chicoi. Nôs dôs intrá juntado  dotôr virá falá pa ele:  Sr. Francisco, como está? Ele respondê:  Iou ta uide bom, non têm nada, sâm iou-sa mulér forçá iou vêm olá vôs.  Vontade sâm  chiquí estunga estopôr. Iou ameaçá, pa frente vôs  vai intrá mudo sai calado, iou qui vai fala tudo. Ôtro dia já caregá ele vai olá Urulogista. Sabe cusa sâm urulogista? Sâm dotôr qui examiná tudo asnéra di hone-home

Nôs dôs intrá, dotôr cumprimentá:

Então Sr. Francisco como está, está bem?

Iou  respondê:  Si ta bem dotôr cusa nôs  ta fazê aqui, olá vossa cara?

O que sente Sr. Francisco

Iou isplicá:   Mijá unchinho unchinho  tudo ora:

Quais os medicamentos que está tomando?

Iou:   bla bla bla, bla bla bla

Minha senhora, seu marido é mudo?  Iou fica cara di tacho.

Vamos então  fazer o teste de toque

Sabe cusa sâm teste di toque?  Sâm chuchú dedo na ôlo-deco.

Cusa… iou largá iou-sa Chicoi co ôlo-deco virado pa lua,  qui ancusa estunga dotôr  usá pa chuchú ele-sa ôlo-deco!  Azinha-azinha iou corê empê atrás di dotôr pa vigiá. Dedo tremê-tremê iou pensa: ta ferado, estunga dotôr nádi acertá, iou precisa ajuda..

Uvi dotôr nuncassâm pa estunga lado, vai unchinho más pa drêto, agora unchinho más pa esquerdo, ai já ultrapassá-ia, agora voltá unchinho más pa drêto…….  Iou nunca entendê, ele expulsá iou fora di sala…..

* Hoje gostaria de  prestar uma homenagem às chistosas damas minhas amigas macaenses de coração, para quem o nome de Macau tem sempre um significado muito especial. Com muita amizade e admiração, dedico este Patuá a vocês, aquelas que trabalham e lutam pela preservação da nossa tradição e cultura.

Quando me refiro às amigas macaenses ou macaístas, não são somente aquelas  que nasceram em Macau, mas todas aquelas, independente de nacionalidade, que colaboram com esta Casa e que  chamo com muito orgulho  de “Nossa Gente”.

Nota do editor: Infelizmente, o patuá de São Paulo caminha aos poucos para o seu fim.  Como podem ver nas últimas apresentações publicadas neste blog, a Mariazinha “carrega nos ombros” os últimos suspiros do dialecto macaense em São Paulo.  Os seus principais parceiros foram embora do Brasil: Armando Ritchie e Telma Antunes Brito.  Está difícil conseguir colaboradores para o teatro e não há ninguém criativo com conhecimentos do patuá para substituí-la.

Mariazinha, nem sempre devidamente reconhecida e valorizada, até esquecida em determinadas ocasiões, vai “levando” as suas apresentações, que hoje ficam restritas a diálogos, tendo até que “importar” ajuda do seu colega do Rio de Janeiro, o Pedro Almeida. Já sentindo o peso da idade e das suas limitações, não consegue, como eu, enxergar um futuro para o patuá em São Paulo.  Os jovens ou até aqueles que poderiam adquirir ou desenvolver algum conhecimento do patuá, para pelo menos manter, mesmo precariamente, alguma chama do dialecto candidato a Patrimônio Intangível pela UNESCO , simplesmente sumiram. Sejam quais os motivos do sumiço … evaporaram! Triste ter que escrever isto … mas é a pura realidade que se certifica a cada dia ou evento. Tomara que algum dia surja uma luz no fim do túnel …

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 723,128 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: