Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Os portugueses se estabeleceram em Macau sem o conhecimento do imperador

Não exatamente os portugueses se estabeleceram em Macau com o consentimento do imperador da China. Pelo menos nos primeiros vinte e cinco anos, ele não tinha conhecimento disso.  É o que Padre Manuel Teixeira, notório pesquisador e historiador de Macau, conta no seu caderno “Primórdios de Macau“:

china chineses imperador reinado

Ilustração do livro “De Longe a China” sem autor definido

ESTABELECIMENTO SEM O CONHECIMENTO DO IMPERADOR

por Padre Manuel Teixeira em “Primórdios de Macau”

Muitos historiadores afirmam que nos estabelecemos em Macau com o consentimento do rei da China. Não é verdade. Durante os vinte e cinco primeiros anos ele nem sequer deu por isso; só em 1582 é que Pequim tomou disso conhecimento e consentiu.

Sobre este ponto eis o que relatou o escrivão ou secretário da Câmara, Diogo Caldeira do Rego, em 1623, ou seja, apenas sessenta e seis anos após a fundação de Macau: “Porque os primeiros fundadores em bela paz faziam a sua mercancia com os chineses e as viagens da Índia, Japão e Sião e outras se continuaram sem temor dos inimigos, não cuidavam então que os poderiam ter ao diante, e cada um edificava para si e a seu modo aonde lhe melhor estava sem respeito ao comum, com que ficou esta cidade mui espalhada, mal armada, pouco defensável, e sendo edificada como foi sem licença nem consentimento do Rei da China, só com a dissimulação dos mandarins que governavam pelos proveitos comuns do Reino e seus particulares, havendo neles as contínuas mudanças que conforme a seu governo costuma haver, não faltaram com eles por vezes várias contrariedades aos moradores dela, os quais mostrando-se sempre leais vassalos de Sua Majestade assim como se prestavam de à custa de sua fazenda, sangue e vidas com grandes perigos e trabalhos de tão largas navegações terem descoberto tantos portos nestas partes, fundando e edificando nesta uma tal cidade, se prezam também muitos seus filhos e sucessores de a conservarem, sem nela entrar até hoje a fazenda real para gastos que se tenham feito, antes teve sempre grandes proveitos e acrescentamentos dela”.

Apenas uma observação. Eu (Padre Teixeira) estou em Macau há sessenta e cinco anos, pois vim para cá em 1924, sendo, pois, testemunha ocular do que neste tempo se tem passado. Diogo do Rego fez este relato sessenta e seis anos após a fundação de Macau. Ora, sendo secretário da Câmara, conhecia melhor que ninguém a origem desta terra.

* O Caderno Primórdios de Macau foi uma edição do Instituto Cultural de Macau em 1990 e de autoria de Padre Manuel Teixeira.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 852.959 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: