Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Macau no início: cidade habitada por estrangeiros sem chineses

“Uma cidade totalmente habitada por estrangeiros, sem chineses” é o relato de um documento chinês sobre os inícios de Macau.  Não creio que exatamente tenha sido assim, talvez o chinês tivesse ficado impressionado ao ver tantos portugueses ou estrangeiros pela primeira vez. Vamos então ler este texto do Padre Teixeira, um grande historiador de Macau:

Macau.1598.LD

Macau 1598

UM DOCUMENTO CHINÊS SOBRE MACAU

por Padre Manuel Teixeira – do Caderno Primórdios de Macau, uma edição do Instituto Cultural de Macau em 1990

O secretário da embaixada de Lord Macartney à China, Sir George Staunton, traduz o seguinte documento chinês sobre os inícios de Macau:

“No distrito de Heang-shan-hien, a uma distância de cerca de cem li (1) da cidade do mesmo nome, há um promontório que dá para o mar e está ligado à terra firme por um estreito istmo (2) como a folha do lírio da água (lótus), se apoia na sua haste.

A cidade é construída sobre este promontório e é totalmente habitada só por estrangeiros, sem nenhuns chineses entre eles; mas no limite (Portas do Cerco) está estabelecida uma alfândega para examinar todas as pessoas e mercadorias que passam dum lado para o outro.

O solo não produz arroz, sal ou vegetais, sendo tudo isto enviado do interior para lá.

Dentro da Cidade um oficial europeu preside com a categoria semelhante à dos governadores de províncias. Todos os éditos e comunicações governamentais lhe são explicadas por meio dum intérprete.

Um dos seus costumes peculiares é saudar tirando o chapéu.

Nós recebemos deles pelo comércio artigos de marfim, âmbar, tecidos finos e grosseiros, pau-brasil, sândalo, pimenta e vidro…”

Em 1568, ou seja, nove anos após a fundação de Macau, já havia cá chineses cristãos, segundo escreveu D. Melchior Carneiro a 20-11-1575: “Estou na China há cerca de 8 anos, neste Porto de Macau, chamado do Nome de Deus. Quando cheguei, havia pouquíssimas casas de portugueses e alguns cristãos da terra, mas nestes 7 anos este povo aumentou, sendo hoje uma cidade medíocre”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.075.300 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: