Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Macau no início: cidade habitada por estrangeiros sem chineses

“Uma cidade totalmente habitada por estrangeiros, sem chineses” é o relato de um documento chinês sobre os inícios de Macau.  Não creio que exatamente tenha sido assim, talvez o chinês tivesse ficado impressionado ao ver tantos portugueses ou estrangeiros pela primeira vez. Vamos então ler este texto do Padre Teixeira, um grande historiador de Macau:

Macau.1598.LD

Macau 1598

UM DOCUMENTO CHINÊS SOBRE MACAU

por Padre Manuel Teixeira – do Caderno Primórdios de Macau, uma edição do Instituto Cultural de Macau em 1990

O secretário da embaixada de Lord Macartney à China, Sir George Staunton, traduz o seguinte documento chinês sobre os inícios de Macau:

“No distrito de Heang-shan-hien, a uma distância de cerca de cem li (1) da cidade do mesmo nome, há um promontório que dá para o mar e está ligado à terra firme por um estreito istmo (2) como a folha do lírio da água (lótus), se apoia na sua haste.

A cidade é construída sobre este promontório e é totalmente habitada só por estrangeiros, sem nenhuns chineses entre eles; mas no limite (Portas do Cerco) está estabelecida uma alfândega para examinar todas as pessoas e mercadorias que passam dum lado para o outro.

O solo não produz arroz, sal ou vegetais, sendo tudo isto enviado do interior para lá.

Dentro da Cidade um oficial europeu preside com a categoria semelhante à dos governadores de províncias. Todos os éditos e comunicações governamentais lhe são explicadas por meio dum intérprete.

Um dos seus costumes peculiares é saudar tirando o chapéu.

Nós recebemos deles pelo comércio artigos de marfim, âmbar, tecidos finos e grosseiros, pau-brasil, sândalo, pimenta e vidro…”

Em 1568, ou seja, nove anos após a fundação de Macau, já havia cá chineses cristãos, segundo escreveu D. Melchior Carneiro a 20-11-1575: “Estou na China há cerca de 8 anos, neste Porto de Macau, chamado do Nome de Deus. Quando cheguei, havia pouquíssimas casas de portugueses e alguns cristãos da terra, mas nestes 7 anos este povo aumentou, sendo hoje uma cidade medíocre”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 805,494 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: