Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

O patuá de Macau do Século 19

O patuá de Macau do Século 19 era diferente do falado no Século 20, tal como a língua portuguesa? Quem é entendido do dialecto vai poder dizer após a leitura dos dois textos desta postagem, um de 1865 e outro de 1899. Ambos foram extraídos do artigo do Pedro Mesquita publicado na Revista Nam Van de Outubro de 1985, bastante elucidativo sobre o patuá e que será posteriormente publicado neste blog.

Patuá de 1865

Patuá de 1865

Já em 1899, um leitor de uma publicação criticava em patuá o aterro da Praia Grande.  Imagine só se ele estivesse vivo para ver como esses aterros prosperaram.

Patuá de 1899

Patuá de 1899

O link para esta postagem feita no Facebook provocou os seguintes comentários:

Delano Pereira: O Patuá mais velho era mais aportuguesado. Com o tempo a “nossa” gente imersou-se com as linguas vizinhas, mormente, o malaio, o tailandes, o ingles, o holandes, o cantones…

Álvaro JoséA mutação da Língua é assim, sem perder as características essenciais do Patuá. Essa é uma língua que nasceu híbrida, no começo com traços mais aportuguesados e vai se modelando às outras línguas existentes em Macau. Tenho lido textos como o de Mariazinha Carvalho, “NÔS MAQUISTA-MAQUISTA” (São Paulo, Fevereiro de 2012) e me fascina a estrutura do Patuá.

Patuá é uma porta lingüística para conhecer as maravilhas da cultura Macaense. Poderia-se conhecê-la através do Inglês ou mesmo do Português, mas a beleza dessa língua nos leva a compartilhar as convergências e resistências de identidades, a compartilhar a mistura das alegrias e sacrifícios experimentados, vividos e contados com orgulho e saudade às novas gerações.

Macau não é China, Macau não é Portugal…

Macau sâm Macau onçom di coraçám.

Miguel S Fernandes O patuá do seculo 20 tinha que ser diferente, porque a língua vai-se adaptando a novos contextos sociais em que se utiliza, vai buscando novas estratégias de sobrevivência, enquanto veículo de comunicação. Mas a base continua a ser a mesma. Notamos a mesma estrutura gramatical, mesma construção frásica.
Há que ter em conta um outro aspecto que é mister falarmos: o patuá foi essencialmente uma língua falada. Quem escreveu os textos era intelectual e conhecedor da língua portuguesa e naturalmente falante do crioulo. O autor podia – e bem – ter “macaizado” muitas palavras portuguesas sempre que foi necessário para a descrição ou narração da realidade, para o qual o parco vocabulário oral do patuá não chegava. Aí podia ser a ‘razão’ de o crioulo paracer mais portuguesado. Seja como for – e isto dá pano para muita manga – é interessantíssimo o que está aqui reproduzido.

Sâm assi-ia!

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 02/03/2014 por em Patuá de Século 19 e marcado , , , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 696,944 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: