Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Bastiana, canção em patuá de Macau, na versão de Virgílio Placé César

Virgilio Place Cesar (02)

Virgílio Placé César

Virgilio Place Cesar (01)

Virgílio Placé César

Virgílio Placé César foi o 2º colocado no concurso “Cantá Bastiana” promovido pelo IIM Instituto Internacional de Macau. “Gilo”, seu apelido/alcunha, é macaense nascido em Hong Kong, filho dos também macaenses, Nanete Placé e Otaviano César. Pode-se dizer  que faz parte da nova geração consciente da necessidade de preservação do patuá, dialeto da Macau de língua portuguesa.

Assim, quis por conta própria e com alguma orientação da mãe, compor duas novas quadras de acordo com as regras do concurso, que melhor se adaptassem à canção Bastiana.  Para ele foi uma surpresa e satisfação ter contado com votos suficientes que o levaram a ganhar a segunda colocação.

Residente em São Paulo, Gilo costuma reunir-se com amigos para suas sessões musicais e também em apresentações públicas. Atualmente é diretor de criação na empresa New Brand Solution – Criação / Designer free lance. Estudou Comunicação Social – Publicidade e Propaganda na instituição de ensino UNIP – Universidade Paulista, anterior Colégio Presbiteriano Mackenzie São Paulo.

Tem-se dedicado à arte digital e está empenhado a concluir o seu primeiro livro, que provisoriamente tem o título de “Rascunhos, Pinceladas e Incisões Imprecisas”, mas que também depende de patrocínio de alguma alma ou empresa bondosa. Nesta postagem podem ver algumas de suas gravuras digitais que retirei da sua página no Facebook.

Virgílio cantou as duas quadras da canção macaense que competiram no concurso da IIM na Casa de Macau de São Paulo, no domingo passado, 28 de julho de 2014, por ocasião da festa de aniversário dos 25 anos-bodas de prata da associação macaense. Para ser fiel à versão original da canção cantada pelo Coral Dinamene, sobre a qual se baseou, cantou “a capela”, ou seja, sem acompanhamento de nenhum instrumento musical e foi muito aplaudido.

VIRGÍLIO PLACÉ CÉSAR 

canta duas quadras de sua autoria, que ganharam a 2ª colocação do concurso “Cantá Bastiana” promovido pelo Instituto Internacional de Macau – IIM

(ouça acompanhando com as letras publicadas na gravura digital abaixo de sua autoria)

Gravura digital 30 x 30cm para impressão giclée. Releitura de obra de Jean Auguste Dominique Ingres - "La Femme aux trois bras" do neoclássico para ilustrar quadras propostas para a canção folclórica popular de Macau intitulada: "Cantá Bastiana". A letra e a gravura digital é de autoria de Virgílio César Placé.

Gravura digital 30 x 30cm para impressão giclée. Releitura de obra de Jean Auguste Dominique Ingres – “La Femme aux trois bras” do neoclássico para ilustrar quadras propostas para a canção folclórica popular de Macau intitulada: “Cantá Bastiana”. A letra e a gravura digital é de autoria de Virgílio César Placé.

"Orientalice" da sua gravura digital: "Noutros Mares" - de 594mm x 250mm. Autor: Virgílio J.P. César

“Orientalice” da sua gravura digital: “Noutros Mares” – de 594mm x 250mm. Autor: Virgílio J.P. César

Virgilio Place Cesar (03)

“Dream in Stripes” gravura digital de Virgílio César

"Homens de Papel", diz o Virgílio César: "Fiz esta gravura baseada numa foto que tirei na Rua Augusta há alguns anos. Esta mesma imagem, simplificada, foi usada para um pôster prospecto de adaptação para uma proposta de filme do conto de Plinio Marcos

“Homens de Papel”, diz o Virgílio César: “Fiz esta gravura baseada numa foto que tirei na Rua Augusta há alguns anos. Esta mesma imagem, simplificada, foi usada para um pôster prospecto de adaptação para uma proposta de filme do conto de Plinio Marcos

* Na próxima postagem: o 1º colocado no concurso “Cantá Bastiana” em vídeo

 

Anúncios

Um comentário em “Bastiana, canção em patuá de Macau, na versão de Virgílio Placé César

  1. Jorge E. Robarts
    01/08/2014

    Ainda bem que temos gente da velha e tb. da nova geração que insiste em preservar o patois dos nossos avoengos. Bem haja. Jorge Robarts.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 851.965 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: