Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Santana de Parnaíba, uma cidade fundada em 1580 a 35 kms de São Paulo

Santana de Parnaíba no dia de Corpus Christi em 2018, tendo ao fundo a Igreja Matriz de Santa Ana, construção do século XIX, em estilo eclético, com a fachada sendo restaurada.

A devoção que a fundadora da cidade, Suzana Dias, tinha por Santa Ana originou a primeira denominação “Santana” e associando-se ao local, onde se estabeleceu, chamado Parnahyba (depois Parnaíba), originário da palavra tupi ‘Pan-n-eei-bo’, que significa ‘rio ruim, lugar de muitas ilhas, rio difícil de navegar’, o povoado Santana de Parnaíba, em 14 de novembro de 1625, passou à condição de vila.

A cidade fundada em 1580 e localizada a 35 kms de São Paulo com fácil acesso pela Rodovia Castelo Branco, tem uma população de mais de 120 mil habitantes. No Estado de São Paulo é a que tem o maior conjunto arquitetônico preservado e tombado em 1982 pelo Patrimônio Histórico estadual, possuindo 209 edificações com quatro séculos de história no seu Centro Histórico. Os casarios e sobrados são geminados e construídos no alinhamento da rua.

A Wikipédia explica a origem da palavra – sobrado: “Um sobrado é um tipo de edificação constituída por dois ou mais andares e com relativamente grande área construída. Na época do Brasil colônia os sobrados eram as residências dos senhores nas cidades e marcaram o início de uma tímida urbanização do Brasil. No período anterior, o antagonismo existia entre a casa-grande e a senzala, enquanto aos sobrados se opunham os mucambos, que eram residências das camadas mais pobres da sociedade. A expressão surgiu de forma natural a partir dos sobrados construídos nas cidades mineiras (especialmente durante o Ciclo do Ouro), normalmente caracterizadas por uma topografia tipicamente chamada de “mar de morros”: as construções eram realizadas a partir do nível mais alto da rua, de forma que “sobrava” um espaço sob o piso principal da edificação. Com o tempo, este nível inferior passou a ser considerado o piso térreo, vindo a caracterizar os “sobrados“.

Nesta postagem trago imagens de algumas atrações do Centro Histórico de Santana de Parnaíba, no trajeto dos tapetes coloridos em 2018.

Fotografia de/photos by Rogério P D Luz (2018)

Sobrado

As edificações das 209 preservadas e tombadas.

Na foto abaixo, a edificação mais conhecida como Cine Parnahyba, ficou fechada por 18 anos sendo reaberta em 2008 após ser totalmente restaurada. Hoje é dedicada às atividades culturais da cidade. 

Casarão “Monsenhor Paulo Florêncio da Silveira Camargo”: construído no final do século XVIII, o sobrado tombado em 1958, de acordo com a Prefeitura da cidade “é um exemplar típico das construções paulistas, com paredes estruturais em taipa de pilão e coberta com telhas capa canal e portas altas com bandeiras e balcões com vestígios de muxarabi“:

Monumento a Frei Agostinho de Jesus. (Fonte -Wikipédia): Frei Agostinho de Jesus (c. 1600-1661) foi um dos primeiros escultores a trabalhar no Brasil. Possivelmente foi tudo de um discípulo do frei Agostinho da Piedade, trabalhando em estilo semelhante na produção de estatuária sacra em terracota. A maior parte de suas obras foram criadas para as congregações beneditinas do Rio de Janeiro e São Paulo. Das suas obras reconhecidas estão as estátuas em tamanho natural de São Bento e de Santa Escolástica, preservadas no Mosteiro de São Bento, e uma Nossa Senhora da Purificação, no Museu de Arte Sacra de São Paulo.

Nascido no Rio de Janeiro, passou boa parte de sua vida na cidade de Santana do Parnaíba, região onde existia um dos grandes mosteiros beneditinos da Grande São Paulo, onde, segundo estudiosos ele residiu durante a maior parte de sua vida e onde confeccionou a imagem de Nossa Senhora da Conceição em terracota, que, mais tarde fora encontrada nas águas do Rio Paraíba do sul, região de Guaratinguetá, em meados de outubro do ano de 1717, dando início a grande devoção à milagrosa santa “aparecida”, mais tarde conhecida como Nossa Senhora da Conceição Aparecida, padroeira do Brasil.

Monumento a Frei Agostinho de Jesus

A Missa campal no dia de Corpus Christi mudou de local em 2018 devido à Praça 14 de Novembro estar fechada para reformas.

Outras das 209 edificações tombadas e preservadas, o comércio e restaurantes

Decoração de uma residência para saudar o dia de Corpus Christi e a passagem da procissão

 

Largo São Bento onde está localizado o Monumento a Frei Agostinho de Jesus

No dia de Corpus Christi havia mais de 50 barracas da feira de artesanato e e da praça de alimentação

O restaurante faz propaganda do seu Leitão à Pururuca

Monumento aos Bandeirantes: Devido a sua posição estratégica no vale do rio Tietê, Santana de Parnaíba tornou-se ponto de partida das bandeiras que seguiam rumo ao Oeste Paulista e ao Mato Grosso, impossibilitados de prosseguir na navegação em vista da cachoeira existente no trecho da cidade.

O monumento acaba sendo um ponto de encontro de ciclistas em romaria no Corpus Christi.

Eventos de Santana de Parnaíba: Além da festa religiosa do dia de Corpus Christi que atrai milhares de turistas, a cidade possui vários outros eventos, como: o teatro Drama da Paixão na Semana Santa e o Grito da Noite no Carnaval. Confira no site da Prefeitura a lista completa e divita-se: http://www.santanadeparnaiba.sp.gov.br/culturaeturismo/eventos.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.019.617 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

Receitas de camarões e pimentas recheadas da gastronomia de Macau com Bosco Silva e Alex Airosa

A relembrar a aula de gastronomia realizada na Casa de Macau de São Paulo em 24/02/2008, ministrada pelos chefs João Bosco Quevedo da Silva e Herculano Alexandre (Alex) Airosa, seguem as fotos e receitas de camarões grandes recheados com ervas à moda de João Bosco Quevedo da Silva e pimenta recheada à moda do Alex Airosa. Na época, a coordenação das aulas e elaboração das […]

Procissão do Corpo de Deus em Macau

Procissão do Corpo de Deus em Macau

PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM MACAU Texto, fotografias e legendas de Manuel V. Basílio (Macau) As cerimónias do Corpo de Deus, ou Corpus Christi, ou mais precisamente, a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, decorrem habitualmente na quinta-feira seguinte a Domingo de Pentecostes, 60 dias depois da Páscoa, tendo este ano ocorrido no […]

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto. Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus […]

%d blogueiros gostam disto: