Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Cataratas do Iguazú na Argentina: detalhes e como é o passeio pelo circuito inferior

Salto Bossetti contemplado de baixo no circuito inferior das Cataratas del Iguazú do lado argentino.

Um passeio completo para ver as Cataratas do Iguaçu ou Iguazú, como se chama na Argentina, além do lado brasileiro onde se permite ter uma vista panorâmica das quedas de água e uma visão mais próximo no fim da trilha pavimentada, é necessário vê-las de perto do lado argentino, que os hermanos orgulhosamente dizem proporcionar o espetáculo para os mirantes de Foz do Iguaçu, no Brasil.

Situado a cerca de 10 kms da fronteira, o Parque Nacional Iguazú em Misiones, Argentina, é o ponto de partida para esta contemplação bem de perto das quedas, que pode ser feita por três opções de circuitos a pé: o superior, inferior e a Garganta do Diabo.

Nesta postagem, vamos visitar o circuito ou passeio inferior onde você pode contemplar as quedas de baixo para cima, além de ter uma melhor visão das cataratas menos obstruída por vegetação, tanto do lado argentino como do Brasil. As fotografias dão uma ideia da sequência do seu passeio.

(Artigo e fotografia de/photos by Rogério P D Luz – clicar nas fotos para ampliar – visita em 23/12/2018)

Vista aérea das cataratas do Brasil no final do percurso dos seus mirantes, e da Argentina na região da Garganta do Diabo.

Uma visão da mata atlântica bem fechada, O lado brasileiro fica no plano inferior.

A entrada do Parque Nacional Iguazú, Argentina

Bandeira da Argentina na entrada do parque

O preço do ingresso e as condições

Para ingressar no parque e passar pela aduana argentina:

  • pagamento do ingresso somente em peso argentino ou cartão de crédito internacional (não esqueça de liberar com a operadora o uso na Argentina e no Paraguai). Reais? Nem sonhar!
  • para passar pela aduana argentina e comprar seu ingresso, é exigido carteira de identidade original (RG mesmo ou RNE para estrangeiro residente no Brasil) que comprove ser residente do Mercosul e assim obter desconto conforme o quadro da foto acima. Não serve identidade de órgãos de classe, organizações, entidades, nem do Exército ou policial etc. Só RG/RNE original;
  • se estrangeiro com passaporte apenas, há que se ver se é de país que necessita de visto e o tem válido para Argentina, caso contrário terá que voltar;
  • se for de carro tem que pagar estacionamento, pois não há vias para estacionar gratuitamente. A rigor, tem que fazer o seguro de Carta Verde, para não ter dores de cabeça em acidentes ou fiscalização da polícia argentina;

(Clicar para aumentar) O mapa do parque com passeios pelos circuitos superior e inferior, e Garganta do Diabo. O circuito inferior é o da linha azul.

O PARQUE NACIONAL IGUAZÚ

O Parque Nacional Iguazú da Argentina conta com uma superfície de aproximadamente 67.000 hectares. Em 1984 foi reconhecido pela UNESCO como Patrimônio Mundial. Com o objetivo de conservar as Cataratas do Iguaçu e a biodiversidade do seu entorno, o parque foi criado na Argentina em 1934 tornando-se uma área protegida.

As cataratas possuem 275 quedas de água, largura de 2,7 kms e altura que varia entre 60 metros e 82 metros. A sua formação deriva de uma erupção vulcânica e dois terços delas estão localizados na Argentina.

O principal atrativo é a Garganta do Diabo que é um grande abismo em forma de “U” com 82 metros de altura, 150 metros de largura e 700 metros de comprimento.

Da entrada até a estação do trem tem que fazer uma razoável caminhada.

Uma novidade que não existia na minha última visita em 2016, é de pegar uma senha com letra e número, que indica qual o seu embarque anunciado por alto-falantes (vide mais adiante). Sem nenhuma placa indicativa ou orientação, pela aglomeração de pessoas, ao indagar o motivo, soubemos do procedimento. Não saberia dizer se era devido ao grande número de visitantes, pois era domingo, ou algo definitivo. O local é esse da fila:

Fila para pegar senha para embarque no trem. Cuidado que o atendente chega a sugerir para ir a pé, numa caminhada de hora debaixo de sol forte, é só recusar.

Multidão aguardando chamada da senha para embarque no trem. Dizem que não precisa fazer fila pois o grupo da senha é da sua capacidade de passageiros.

Placa informa a saída do trem a cada 30 minutos, porém no dia, domingo, estava saindo a cada 15 minutos. Se for visitar outro circuito no dia seguinte, valide o ingresso e pague  com desconto de 50%.

A estação do trem fica assim vazia até o embarque do grupo de cada senha. Até que dessa forma fica mais seguro o ingresso no trem sem acidentes.

A caminho da 1ª parada para visita ao circuito superior ou inferior. Quem for passear na Garganta do Diabo, na 2ª parada, não precisa sair do trem,

Placa indicativa de passeio para cada circuito, superior ou inferior. No nossa caso era para o circuito inferior. Se for para a praça de alimentação ou levar lanche na mochila, cuidado com os quatis com dentes afiados, que atacam sem dó o seu sanduíche, mesmo escondido. Os bichos parecem bonitinhos mas podem causar lesões, como presenciei de um menino que foi socorrido por ambulância.

A caminho para as escadarias de acesso ao circuito inferior, há um farol no meio da mata.

O acesso só se faz por escadas, sem rampas com cerca de 80 degraus. Seria um passeio limitado a quem puder subir/descer escadas em todo percurso.

A passarela proporciona um contato próximo com a mata atlântica.

O Salto Lanusse é a primeira queda de água a ser visto no passeio

O caminho das águas do Salto Lanusse …

Logo em seguida o Salto Alvar Núñez …

Rio Iguazú. No meio do rio fica a divisa dos dois países, Argentina e Brasil. Na mata do outro lado ficam os mirantes brasileiros.

Vista da Garganta do Diabo e o Salto Union do lado argentino, e as cataratas do Brasil mais à esquerda.

Uma vista mais aproximada. O mirante mais à esquerda é do Brasil. Veja na próxima foto como é este complexo de cataratas do lado brasileiro.

O mirante visto na foto anterior é este, do lado brasileiro. As fundo as cataratas da Argentina que compõem a região da Garganta do Diabo

Esta é o primeiro mirante no circuito inferior com área de descanso.

E olha nós aqui para um selfie.

Deste mirante uma vista privilegiada e limpa, com pouca vegetação obstruindo-a. À esquerda a região da Garganta do Diabo, e à direita um complexo de cinco Saltos cujas águas caem no mesmo trecho do Rio Iguazú.

Esta é a vista do circuito superior das cataratas da foto anterior.

Acima da queda das águas, as passarelas do circuito superior.

A impressionante queda de águas do Salto San Martin, que é o ponto final com mirante (canto superior direito) do circuito superior.

Uma vista do primeiro mirante do lado brasileiro que fica na área de desembarque dos ônibus e diante do hotel cor de rosa. Está no centro pouco superior. Na próxima foto um zoom do local.

O primeiro mirante do lado brasileiro visto da Argentina.

Esta é vista do mirante brasileiro das 2 fotos anteriores e como é a vista do lado argentino,

Passeio de barco, para quem não tiver medo, perto da queda das águas do Salto San Martin. Nas próximas fotos veja como a embarcação chega perto.

À medida que vai avançando pela passarela você vai tendo uma visão mais próxima dos Saltos e um ângulo diferente. A passarela desta foto é do circuito superior.

As águas do Salto San Martin e do Salto Mbiguá afunilam neste espaço provocando uma impressionante e forte queda no rio.

Os Saltos Bossetti e Adan y Eva

E chegamos ao ponto final do passeio pelo circuito inferior com mirante olhando a queda das águas do Salto Bossetti da foto anterior.

Do circuito superior, visão de como é o mirante da fotos fotos anteriores do circuito inferior

Na volta ainda tem duas quedas de água para ver, o Salto Dos Hermanas (duas irmãs)

Fim de passeio e para retornar, a subida de escadas no forte calor de dezembro.

Fontes: Wikipédia e o site oficial argentino do parque

  • Veja numa próxima postagem o passeio pelo circuito superior;
  • Se disser que tem só um dia para ir ao lado argentino, aconselharia visitar o circuito superior. Porém se ainda tiver algum tempo de sobra, e tiver fôlego, vá para este circuito inferior, pois o passeio à Garganta do Diabo toma muito tempo. Uma visita menos cansativa seria melhor no Inverno pois no Verão é terrível o sol forte e o calor da mata. Leve água e também isotônico para se hidratar melhor, pois os preços dentro do parque são salgados.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 936.339 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (01)

Nesta postagem do que poderia chamar de uma série “Memórias de Macau de Todos os Tempos”, remetendo-me a um vídeo que publiquei no YouTube (vide no final), publico umas fotos antigas recolhidas ao acaso do meu extenso acervo, ora já publicadas no site (inativo) do Projecto Memória Macaense, ou não, e também já republicadas por […]

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

%d blogueiros gostam disto: