Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Recordações com Chau-min (macarrão chinês)

Chau-min, conhecido em São Paulo, Brasil, como yakissoba, palavra de origem japonesa para se referir ao macarrão feito à moda oriental, é tema deste texto da Cecília Jorge escrito em 1993, a recordar os seus tempos de escola no Liceu Infante Dom Henrique, em Macau.

Se frequentar os restaurantes chineses no bairro oriental de Liberdade, em São Paulo, verá que muitos brasileiros consomem fartamente este macarrão chinês de variadas misturas e preço acessível, já que o prato serve para até duas pessoas, como o oferecido no Restaurante Rei dos Reis da simpática chinesa Michele que fala português.

RECORDAÇÕES COM CHAU-MIN

um texto de Cecília Jorge publicado na Revista Macau Outubro 1993

Parte das memórias de Macau, para quem continua indissoluveimente ligado a esta terra, passa por sabores, por aromas, e pela saudade dos “chau min” e das “sopas de fita”

A propósito de Liceu, o tema principal desta edição da MACAU, veio-me à lembrança — e ocorrerá decerto a outros que passaram pelo “novo-velho” Liceu Infante D. Henrique, à vista da Praia Grande — a imagem e o gosto inesquecível de algo que os alunos da irrequieta e despreocupada geração dos anos 60 disputavam na pequena cantina então governada pela D. Lúcia Amaral: chau min.

Servida em pratinhos de plástico e em doses de cinco garfadas parcas, mas equivalentes ao preço justo de trinta avos, nunca uma simples massa nos soube tão divinamente, ainda que só frita com rebentos de feijão mungo e tisnado pelo sutate (molho de soja) na frigideira quente (era aquilo a que, precisamente por isso, se chamava tchái-min, ou seja min “de dieta”).

Atribuam-se os encómios ao entusiasmo da juventude. Ou à insaciável fome, também muito associada a ela. Mas de qualquer maneira, o gosto do humilde min (macarrão chinês) tinha decerto algo a ver com a perícia da cozinheira, porque nessa altura não existia ainda o recurso ao gosto apurado artificialmente pelo monossódio, a emprestar paladar ao que por direito não merece… e a facilitar a cirrose lenta do consumidor. Era, sim, a capacidade de fazer valer o vók, a frigideira em forma de calota que faz parte da bagagem dos macaenses.

Pois esse tchái-min, pobrezinho e simples, era uma das causas de parte dos estudantes dos pisos 2 e 3 “voarem” pelas escadarias abaixo em direcção à cantina, mal soava a sineta dos segundo e terceiro intervalos das aulas, para se pouparem ao desgosto de descobrir já deserto de pratinhos o balcão onde as empregadas habitualmente enfileiravam os ditos, a aguardar a freguesia. Ali, agarrado a mais uma garrafa de coca-cola ou de leite de soja, quem quisesse servia-se de mais molho de soja ou de mostarda e de lat-chiu chéong (molho de pimenta), a pasta de malaguetas fabricada pelos chineses que os macaenses continuam a achar inigualável e insubstituível, para o retoque especial de determinados petiscos.

E não era apenas com chau min que a D.Lúcia nos enfeitiçava, porque se fala também com muita saudade do portuguesíssimo pãozinho de leite com fiambre, ou queijo, que os dissidentes do chau-min preferiam. Outros dissidentes, com mais traquejo, arriscavam-se a processos disciplinares por violação das normas de proibição de saída do recinto durante os “chop” (a hora de folga por falta dos professores), saltando pela janela dos lavabos da cantina… por uma fumegante sopa de fitas na zona do Bazar Chinês. Fatal atracção do “Tou Ün“, hoje fechado.

Mas matar a fome ao romper do dia traduz-se também em Macau por bebinca de nabo (ló-pac kou), catupá,  apabico, e até chu-cheong-fân, massa de farinha de arroz cozida em vapor que integra o pequeno-almoço tradicional chinês, apaladada com vários molhos, de feijão doce, de amendoim, de mostarda ou com o tal lat-chiu-chéong, salpicando-se ainda com sementes de sésamo torradas.

Ao longo de décadas de diáspora, quem já levantou ferro ancorando noutros portos chora ainda pelo chu-cheong-fân — “massa enrolada em forma de tripa de porco” (na Liberdade, vendida em bandejas de isopor como massa branca de arroz)—, que se aconselha a comer, de preferência, nas tendinhas ao ar livre, junto aos mercados, acompanhada de canja feita de arroz, nata de soja e pistachio, e a mordiscar “diabinhos fritos” (iao chá kuai, no calão cantonense local). Na Horta da Mitra, uma delas, abrindo ainda hoje ao nascer do sol, está há trinta anos a servir operários, estudantes, donas de casa, e funcionários públicos de vários escalões. Gente modesta e doutores. Clientela certa. E a saudade adivinha-se tamanha que já houve quem, à partida, haja pago para se embrenhar na receita e com ela tenha emigrado, mais os necessários utensílios, para fazer reviver o hábito noutras paragens. Uma tendinha destas não dá decerto para fazer negócio, porque o preço de venda, pela singeleza da matéria prima, equivale ao da chuva, mas saber cozinhar tal iguaria poderá ser a via certa para capitalizar influências e amizades… Quando a notícia se espalha, a clientela faz bicha (fila) à porta.

Mas o min, seja ele frito, ou afogado em caldo, seja com van-tan (precursor-sucessor do ravioli italiano, ou espécie de guioza em São Paulo), ou num “tremendo” caril de tendões de vaca, ou pés de galinha, continua a ser a perdição dos macaenses. Se o chu-cheong fan nos ocupa os anseios de pequeno-almoço (café da manhã), o min é já hábito enraizado ao lanche ou à ceia (ser-se macaense, nestas paragens, é detestar ir de barriga vazia para a cama…).

E o min é vício que não se larga com facilidade, porque é vício colectivo e motivo de confraternização. Atesta-se uma grande amizade e festeja-se uma ocasião medianamente especial ”pagando” um min aos colegas. Quem não peca com min, fá-lo com hó-fân (massa branca de arroz em tiras), ou com mâi-fân (lacassá, ou em São Paulo – macarrão branco de arroz)), todas elas massas, a primeira feita de trigo e as outras de farinha de arroz, mas todas com o mesmo potencial de dependência. E o mâi-fân assume-se, neste contexto, como o último reduto dos comilões empedernidos com menor capacidade digestiva.

Chau-min e hó-fân, lacassá e bebinca de nabo, van-tan e apabicos, são memórias gravadas bem fundo em nós, macaenses, porque situadas ao nível das sensações mais puras, mais directas e duradoiras: gosto, olfacto e tacto. Não farão, afinal, parte do imaginário quotidiano, fruto do natural entendimento de culturas nesta já secular permanência dos portugueses em Macau?

Pensamentos quase profundos… a condimentar um pratinho de massa frita!

“Guioza” chinês “van tan”. A tijela é um autêntico “van tan min” num resturante em Macau

Este é o “chu-cheong fân” ou massa branca enrolada de arroz, com muito molho … uma delícia

* fotos de Rogério P.D. Luz com Mia e pratos de “min” em restaurantes de Macau

Anúncios

Um comentário em “Recordações com Chau-min (macarrão chinês)

  1. Pingback: Variedades de Mins (macarrão chinês) e receita de Chau-Min | Crónicas Macaenses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 683,154 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Vídeo ‘Macau 70’ da RTP mata saudades, assista …

Viajar ao passado de Macau, dos belos tempos dos anos 60 e 70, é o que nos proporciona o vídeo “Macau 70”, produzido pela RTP Rádio e Televisão Portuguesa. A comemorar 70 anos, a RTP disponibilizou no seu website os arquivos para consulta ‘on-line‘ e Macau está presente numa das suas seções. Na apresentação do […]

%d blogueiros gostam disto: