Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

“A Cozinha Macaense” por Maria Margarida Gomes

Em Junho de 1984, a Imprensa Nacional de Macau publicou um livreto “A Cozinha Macaense” com 24 páginas, de autoria de Maria Margarida Gomes, sendo o editor a Direcção dos Serviços de Turismo de Macau.

Veja a introdução escrita pela autora, abordando a cozinha com descrição de receitas famosas da cozinha macaense  e a sua história:

Cozinha Macaense de Maria Margarida Gomes (1)

 

A COZINHA MACAENSE

Descrições e Receitas para ilustrar a sua História

por Maria Margarida Gomes

A chamada hoje Transculturação na Cozinha Macaense principiou desde a chegada dos primeiros portugueses que se estabeleceram na «Cidade do Nome de Deus», coadjuvados pelas suas mulheres, aias, escravos e crioulas. Habitavam esses pioneiros em «armações» ou verdadeiras cidadelas, que constavam de várias casas para cada uma das famílias: para os senhores, para as crianças, para os hóspedes, casas de recepção, casas para a criadagem, caves para cozinhar, dispensas para conservar a comida, com gudões (subterrâneos), hortas, etc.

Viviam em tal abundância que as visitas, sobretudo os recém-chegados, desembarcados de outras terras, entravam e saíam, comiam e bebiam, à vontade, sem sequer ter visto os donos.

O meu tio bisavô, Chico Sardinha, mimoseava – segundo ouvi contar — os seus afilhados, no Natal e dia de anos («vai tomá benção»), puxando dos cestos de vime, escondidos debaixo da sua cama, e, ao ouvir a frase deles «benção avô,» convidava-os a tirar quanta moeda pudesse caber-lhes nas mãos (as moedas eram lâminas parecidas com dedais, de prata e de oiro).

E os solares antigos? O actual Palácio do Governo era um deles. Foi mandado construir para o Barão do Cercal. Para cada noite de baile, estavam prontos três vestidos novos, vindos de Paris, para a sua Baronesa, senhora muito culta. Ela era lavada, vestida, penteada e calçada por um colégio de criadas e costureiras. Também os penteados e modas dessa época necessitavam de tal ajuda.

Falemos da transculturação efectuada na confecção de alguns pratos da Cozinha Macaense, que é uma combinação, com adições ou subtracções, da culinária portuguesa com a das terras por onde os «reinóis» tinham passado.

Predominavam a exagerada quantidade de ovos nos seus doces, o uso do vinho (branco, tinto ou do Porto) e o refogado de cebola e tomate, na maioria dos seus salgados. Empregavam muito a canela, coentro, cominho, açafrão (a especiaria da Europa), curcuma, loureiro, limão, como condimentos; e deitavam demasiado coco nos doces.

O balichão, originário da Índia, sabendo a anchovas européias, fabricava-se de camarões crus, acabados de nascer e salgados e adubados com pimenta em grão, limão, piri-piri e aguardente. Marinados durante meses em boiões de barro, usavam-se, depois, como condimento na confecção de pratos diários.

Como o pessoal duma casa era numeroso e de proveniências variadas, passavam a vida a esmerar-se nos trabalhos de sala ou de cozinha. Por isso, muitos pratos e composições culinárias atingiam um requinte artístico e a hospitalidade era estupenda e elogiada pelos próprios mandarins e outros visitantes ilustres. Um trato fino, sincero e cordial reinava entre todos. Se os «filhos de Macau» e aqui radicados lamentam o desaparecimento das cozinheiras de outrora, mais deplorável ainda se torna o fim das maneiras fidalgas e da generosidade proverbiais dos nossos avós.

A autora após afirmar “como tristezas não pagam dívidas”,  passa a descrever alguns dos pratos famosos da Cozinha Macaense e da sua História.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 954.860 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

‘A promoção do ‘Dia do Patuá’ é um esforço para preservar o dialecto na Comunidade Macaense da Califórnia, nos Estados Unidos da América do Norte’ é o que define Henrique Manhão da Casa de Macau dos EUA. Diz, conciliando com o pensamento de outros membros da comunidade presente, ‘enquanto houver apoio de Macau, o patuá não […]

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Recordação de uma festa na Macau de 1953

Jorge Giga Robarts, macaense residente em Portugal, atendendo ao pedido de um conterrâneo, identifica as pessoas que estão numa fotografia enviada, informando ter sido tirada em Dezembro de 1953 em Macau. A 2ª imagem com legenda e que lista as pessoas da foto, foi editada para apenas mostrar o que escreveu quanto à identificação, excluindo […]

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Memórias de Macau de Todos os Tempos (02)

Imagens que trazem saudosas lembranças daquela Macau que não existe mais, mas que permanece viva na nossa memória e nas fotografias a seguir publicadas de forma aleatória, a procurar dar uma descrição a confirmar ou corrigir. O que vale mesmo é o que se diz – recordar é viver! As fotos são dos anos 50 […]

%d blogueiros gostam disto: