Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

O acidente aéreo de Milton Verdi: o valor da água e de um prato de comida

 

Museu TAM Milton Verdi Cessna 140 (01)

O idiorama do acidente com o avião original do acidente no Museu TAM (foto Rogério Luz)

“…um litro d’água que é a coisa mais barata que nós temos, vale mais que todo o dinheiro do mundo e um prato de arroz com feijão não tem dinheiro que pague”. Para quem estava perdido na selva, a água e a comida era o último recurso para sobrevivência enquanto o salvamento não chegava.  Esta é a história de Milton Terra Verdi e seu cunhado Antônio Augusto Gonçalves que se acidentaram com o avião Cessna na selva da Bolívia, vindo a falecer depois por inanição.

Quando da minha visita ao Museu TAM, em São Carlos, no Estado de São Paulo, estanhei a exposição de um avião em um diorama envolto de arbustos.  Fiz as fotos e não atentei na hora para os detalhes e a história, pois havia muita coisa para se ver e fotografar, além do que tinha que seguir viagem para São José do Rio Preto, coincidentemente a cidade onde nasceu Milton Verdi.

Posteriormente na edição das fotos, fui pesquisar a seu respeito e na Wikipedia vi a tragédia e um trecho do que andou a escrever nos dias que se seguiram ao acidente até a sua morte.  Estas anotações que eram uma espécie de “diário” acabaram virando um livro com duas edições esgotadas chamado “O Diário da Morte: a tragédia do Cessna 140“.

A leitura de uma anotação do diário faz qualquer um parar por momentos e refletir sobre a vida, do valor da água e um prato tão simples de arroz e feijão. Isso para ele valia mais que um milhão de dólares, ou qualquer coisa material de maior valor que fosse.  Era sua sobrevivência! Querendo compartilhar com vocês para reflexão, vou transcrever o que está escrito na Wikipedia e não deixem de ler aquele trecho do diário.

O Diário da Morte de Milton Terra Verdi

(Wikipedia)

MiltonTerra Verdi

Milton Terra Verdi

Caso Milton Verdi foi um notório acidente aéreo ocorrido com o piloto brasileiro Milton Verdi e seu cunhado em território boliviano e posterior luta pela sobrevivência no ano de 1960. Após um pouso de emergência numa clareira na selva boliviana, Milton passou mais de dois meses tentando sobreviver à fome, sede e frio, mas faleceu de inanição, deixando uma espécie de diário feito no verso de mapas e revistas que estavam na aeronave. O caso comoveu os brasileiros graças às notícias do acidente que circularam na época. A aeronave foi recuperada apenas no ano 2000, com autorização da família do piloto, e está exposta junto a um diorama do acidente no Museu TAM, na cidade paulista de São Carlos.

Museu TAM Milton Verdi Cessna 140 (06)

Imagem do site DiarioWeb

O Acidente

No dia 29 de agosto de 1960, o piloto rio-pretense Milton Terra Verdi (08 de agosto de 1934 – 05/06 de novembro de

Museu TAM Milton Verdi Cessna 140 (05)

Antonio Augusto Gonçalves

1960) e seu cunhado Antonio Augusto Gonçalves (? – 7 de setembro de 1960) fizeram um pouso forçado com um Cessna 140 numa clareira na selva boliviana,tentando concluir o trajeto entre Corumbá e Santa Cruz de La Sierra, a fim de comprar um motor de avião. Eles haviam saído da rota e fizeram a aterrissagem forçada na referida clareira devido à falta de combustível.

Enquanto tentavam sobreviver à fome, sede e frio, o pai de Milton tentava vencer a burocracia do Estado brasileiro e conseguir ajuda por parte dos órgãos responsáveis, mas em vão. Assim, no dia 7 de setembro o cunhado de Milton não resiste às condições adversas da primeira semana após o acidente e morre, pois num momento de delírio e sede extrema decidiu beber combustível do avião.

Milton conseguiu manter-se vivo e lúcido por cerca de 70 dias após o acidente, pois logo após a morte de seu cunhado houve alguns dias chuvosos, além de eventualmente comer pássaros e jabutis que conseguia abater. Contudo, nem mesmo assim Milton sobreviveu, vindo a morrer de inanição, presumivelmente, entre os dias 5 e 6 de novembro de 1960. Os corpos foram encontrados no dia 24 de dezembro daquele mesmo ano e chegaram à cidade de São José do Rio Preto no dia 4 de janeiro de 1961, onde estão enterrados. Atualmente, a área do acidente se situa nas imediações do Parque Nacional y Área Natural de Manejo Integrado Kaa-Iya, próximo a Santa Cruz de La Sierra.

Os Registros

Milton ainda teve forças para escrever uma espécie de “diário”, escrito no verso de mapas e revistas que estavam na aeronave. Posteriormente, após os corpos terem sido encontrados, o advogado Walter Dias, tio de Milton, reuniu, organizou e publicou tais anotações em forma de folhetins no jornal sul-riograndense A Última Hora, transformando-os num segundo momento no livro “O Diário da Morte: a tragédia do Cessna 140“, que até o ano de 2010 contava com duas edições esgotadas. Nos registros de Milton, relata-se como nota do 9º dia uma mensagem direcionada a sua esposa:

Como se acabam as ilusões de um homem. Hoje para mim, um litro d’água que é a coisa mais barata que nós temos, vale mais que todo o dinheiro do mundo e um prato de arroz com feijão não tem dinheiro que pague. Se Deus nos der nova chance, temos planos de ser os homens mais humildes do mundo, querendo apenas ter nossa comida, água em abundância e o carinho das esposas, filhos e familiares. Minha querida esposa e dedicada mãe de meus filhos, primeiramente, peço que me perdoe pelos maus momentos que te fiz passar, vejo agora que tudo não passa de ilusão, o que vale mais no mundo é a água, a comida de todo dia e o carinho da nossa querida esposa e filhos. Saiba que você foi o único amor da minha vida, não duvides porque é um moribundo quem está falando. Nunca deixes ninguém passar sede, pois é a pior coisa do mundo. Eu também prefiro um estilo de vida simples, sem muito luxo, cuidando da saúde física e mental para durar muitos anos. Pergunte a um desempregado o que é importante para ele. Pergunte a um doente crônico o que é importante para ele. Pergunte a um solitário o que é importante para ele. As pessoas que se apegam muito a coisas e são ingratas com tudo em sua volta, estas não quero perto de mim por muito tempo. Já vi e convivi com muitos deste tipo na escola e na universidade. Com a certeza de que não acrescentam em nada na minha vida.”

O Reconhecimento Póstumo

Além do livro publicado por seu tio, o advogado Walter Dias, e do diorama do acidente no Museu Asas de um Sonho, na cidade paulista de São Carlos, Milton Verdi foi agraciado com o nome de um logradouro na cidade paulista de Fernandópolis, a Avenida Milton Terra Verdi. Relata-se ainda que o túmulo de Milton Verdi, localizado no Cemitério da Ercília, na cidade natal do piloto, São José do Rio Preto, tornou-se alvo de romarias e peregrinações de pessoas que levam centenas de copos d’água, simbolizando o reconhecimento por pedidos que, como acreditam, foram atendidos.

Museu TAM Milton Verdi Cessna 140 (07)

Bibliografia

DIAS, Walter. Diário da morte: a tragédia do Cessna 140. São Paulo: Edições Autores Reunidos, 1961. (duas edições esgotadas)

Museu TAM Milton Verdi Cessna 140 (03)

o idiorama do acidente (foto Rogério Luz)

Museu TAM Milton Verdi Cessna 140 (02)* Outras imagens recolhidas de divulgação no Google Imagens

* Veja mais a respeito no:

http://www.diarioweb.com.br/novoportal/Noticias/Cidades/23168,,Martirio+de+riopretenses+comecava+ha+50+anos.aspx

 

Anúncios

3 comentários em “O acidente aéreo de Milton Verdi: o valor da água e de um prato de comida

  1. Antonio Fernando Leão
    25/06/2014

    Estive no museu de São Carlos-Sp.,e visualisei este avião…
    Ao ler a sua carta,e o seu diário,não contive ás lágrimas…
    Vocês não queiram imaginar,o sofrimento que este homem passou,nos meses que sucederam ao acidente,e a saudade que sentia dos familiares…

  2. Esse livro que narra fatos verídicos de angústia, sofrimento e dor assim como a história do Dr Moscati , Esmeralda ( ex interna da antiga FEBEM) e outras tantas deveriam ser distribuídos nas escolas, hospitais, presídios…..para que fossem lidos, afinal há tantas pessoas que não valorizam a vida, não contemplam a natureza, são arrogantes e cruéis com a família, com os animais……acredito que poderiam refletir e quem sabe melhorar o jeito de ser….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 01/04/2014 por em Milton Verdi e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 724,120 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: