Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

E a “Primavera Sino-Macaense” continuou em Macau em 4 de junho

O Largo do Senado ocupado por milhares de pessoas na vigília pelo aniversário da data (foto de Manuel Cardoso/Macau)

O Largo do Senado ocupado por milhares de pessoas na vigília pelo aniversário da data (foto de Manuel Cardoso/Macau)

A população de Macau vive em estado de democracia e de liberdade de expressão apesar de fazer parte da China, desde 1999.  Na semana passada, milhares de pessoas saíram às ruas em dois dias seguidos e forçaram o mandatário da cidade a retirar um projeto que estava para ser votado na Assembléia Legislativa, e no dia 4 de junho, cerca de três mil pessoas, conforme os organizadores, fizeram vigília pelo aniversário de 25 anos dos protestos na Praça da Paz Celestial em Beijing, China, conhecido como o “massacre de Tianamen”.

Juntamente com Hong Kong, Macau faz parte do princípio de “um País, dois Sistemas”, que, ao contrário do continente chinês, pelo acordo com seus antigos colonizadores, a população goza de alto grau de liberdades individuais exceto o direito de eleger o seu governador, chamado de chefe do executivo.

Apesar das restrições na China à lembrança da data em que, há 25 anos atrás,  houve forte repressão aos protestos estudantis pela democracia realizados na Praça da Paz Celestial (Tian’anmen) resultando em muitas mortes, Macau e Hong Kong vivem o privilégio disso estar permitido com vigílias, protestos e até exposições da data em lugar público.

Não poderia deixar de fazer esta postagem pois é um registro histórico da minha terra natal.  Poderia até se pensar em censura com bloqueio de sinal de publicações do exterior, como aconteceu ao Google, já que se quer evitar exposição dos protestos, mas vejo que toda a imprensa de Macau fala livremente sobre o assunto, embora indesejadas pelos censores do continente se além das fronteiras das Portas do Cerco do ex-território português.

Foto de Manuel Cardoso/Macau

Foto de Manuel Cardoso/Macau

Foto do jornal Ponto Final/Macau

Foto do jornal Ponto Final/Macau

Foto de Manuel Cardoso/Macau

Foto de Manuel Cardoso/Macau

Exposição no Largo de São Domingos dos acontecimentos de Tianamen, que no continente chinês não seria permitida. Foto do Jornal Tribuna de Macau.

Exposição em Macau no Largo de São Domingos sobre os acontecimentos de Tianamen, que no continente chinês não seria permitida. Foto do Jornal Tribuna de Macau.

O protesto contra o governo local que deu início à Primavera Sino-Macaense. Foto de Manuel Cardoso/Macau

O protesto contra o governo local que deu início à Primavera Sino-Macaense. Foto de Manuel Cardoso/Macau

e no dia seguinte houve esta concentração pressionando a Assembleia Legislativa  de Macau. Foto de Manuel Cardoso/Macau

e no dia seguinte houve esta concentração pressionando a Assembleia Legislativa de Macau. Foto de Manuel Cardoso/Macau

PROTESTO DA PRAÇA DA PAZ CELESTIAL (TIANAMEN) EM 04/JUN/1989

fonte: Wikipédia

O Protesto na Praça da Paz Celestial (Tian’anmen) em 1989, mais conhecido como Massacre da Praça da Paz Celestial, ou ainda Massacre de 4 de Junho consistiu em uma série de manifestações lideradas por estudantes na República Popular da China, que ocorreram entre os dias 15 de abril e 4 de junho de 1989. O protesto recebeu o nome do lugar em que o Exército Popular de Libertação suprimiu a mobilização: a praça Tian’anmen, em Pequim, capital do país. Os manifestantes (em torno de cem mil) eram oriundos de diferentes grupos, desde intelectuais que acreditavam que o governo do Partido Comunista era demasiado repressivo e corrupto, a trabalhadores da cidade, que acreditavam que as reformas econômicas na China haviam sido lentas e que a inflação e o desemprego estavam dificultando suas vidas. O acontecimento que iniciou os protestos foi o falecimento de Hu Yaobang. Os protestos consistiam em marchas (caminhadas) pacíficas nas ruas de Pequim.

Devido aos protestos e às ordens do governo pedindo o encerramento dos mesmos, se produziu no Partido Comunista uma divisão de critérios (opiniões) sobre como se deveria responder aos manifestantes. A decisão tomada foi suprimir os protestos pela força, no lugar de atenderem suas reivindicações. Em 20 de maio, o governo declarou a lei marcial e, na noite de 3 de junho, enviou os tanques e a infantaria do exército à praça de Tian’anmen para dissolver o protesto. As estimativas das mortes civis variam: 400 a 800 (segundo o jornal estadunidense The New York Times ), 2.600 (segundo informações da Cruz Vermelha chinesa) e sete mil (segundo os manifestantes[carece de fontes]). O número de feridos é estimado em torno de sete mil e dez mil, de acordo com a Cruz Vermelha . Diante da violência, o governo empreendeu um grande número de arrestos para suprimir os líderes do movimento, expulsou a imprensa estrangeira e controlou completamente a cobertura dos acontecimentos na imprensa chinesa. A repressão do protesto pelo governo da República Popular da China foi condenada pela comunidade internacional.

No dia 4 os protestos estudantis se intensificam muito. No dia 5 de junho, um jovem solitário e desarmado invade a Praça da Paz Celestial e anonimamente faz parar uma fileira de tanques de guerra. O fotógrafo Jeff Widener, da Associated Press, registrou o momento e a imagem ganhou os principais jornais do mundo. O rapaz, que ficou conhecido como “o rebelde desconhecido” ou o homem dos tanques” foi eleito pela revista Time como uma das pessoas mais influentes do século XX. Sua identidade e seu paradeiro são desconhecidos até hoje.

* Para saber melhor sobre a vigília e os acontecimentos em Tianamen, leia artigos dos jornais de língua portuguesa de Macau nestes links:

Jornal Tribuna de Macau:

http://jtm.com.mo/local/esperadas-mais-de-1-000-pessoas-na-vigilia-por-tiananmen/

http://jtm.com.mo/local/estamos-aqui-em-nome-da-verdade/

Jornal Hoje Macau:

http://hojemacau.com.mo/?p=71131

http://hojemacau.com.mo/?p=71146

Jornal Ponto Final:

http://pontofinalmacau.wordpress.com/2014/06/05/a-minha-geracao-sabe-a-verdade-mas-a-do-meu-filho-nao/

http://pontofinalmacau.wordpress.com/2014/06/04/vigilia-por-tiananmen-retorna-ao-largo-do-senado/

http://pontofinalmacau.wordpress.com/2014/06/04/sou-destemido-mesmo-que-a-repressao-seja-dura/

http://pontofinalmacau.wordpress.com/2014/06/04/reviver-o-massacre-no-museu-da-memoria/

http://pontofinalmacau.wordpress.com/2014/06/04/tiananmen-os-dois-meses-de-resistencia/

http://pontofinalmacau.wordpress.com/2014/06/04/macau-viveu-e-chorou-a-primavera-proibida-de-pequim/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 06/06/2014 por em Protestos e vigília em 2014 e marcado .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 707,399 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: