Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

As estátuas de Jorge Álvares em Macau e em Portugal

Postagem de M.V. Basílio (Macau) na página da Associação dos Antigos Alunos do Seminário de São José (Macau) com duas fotografias, comenta sobre a preservada estátua de Jorge Álvares em Macau, o primeiro navegador português e europeu a chegar à China, bem como de outra que está instalada na cidade de Freixo de Espada à Cinta, em Portugal, terra natal desse navegador. A publicação mereceu comentário complementar e esclarecedor de Alberto Santos (Macau), pelo que vamos ver para enriquecer nossos conhecimentos:

(Fotografias publicadas por M.V. Basílio)

Estátua de Jorge Álvares em Macau

Estátua de Jorge Álvares em Macau

M.V. Basílio escreve: Jorge Álvares, um transmontano natural de Freixo de Espada à Cinta, foi o primeiro europeu a aportar, por via marítima, em 1513, numa ilha situada na foz do Rio das Pérolas, do sul da China, a que foi dado o nome de Tamam, Tamang ou Tamão, e que, foi identificada como sendo a ilha de Lin-tin, a partir de uma pequena obra de investigação de Luís Keil, publicada em 1933. Foi na sequência dessa viagem que os portugueses deram início a trocas comerciais em diversos pontos da costa chinesa, incluindo os estabelecimentos precários em Sanchoão e em Lampacau, até que se fixaram definitivamente numa localidade a que deram o nome de Porto de Nome de Deus, Amaquã (conforme mencionada por Fernão Mendes Pinto) ou Amaquao, Amagao, Amacao, Amachao, Machoam, Machao ou, ainda, outras designações similares.

A estátua de Jorge Álvares, em Macau, é da autoria do escultor português Euclides Vaz que, além desta, fez uma outra, com postura diferente, que se encontra implantada em Freixo de Espada à Cinta, terra natal desse navegador e feitor, que faleceu nestas paragens do oriente e foi sepultado na ilha de Lin-tin, junto ao padrão que lá mandou erigir, e onde seis anos antes, em 1514, sepultou o seu filho.

A ilha de Sanchoão, acima referida, é conhecida como o local em que o missionário jesuíta S. Francisco Xavier esteve de passagem, onde adoeceu e veio a falecer, a 2 de Dezembro de 1552, antes de alcançar o continente chinês.

Estátua de Jorge Álvares em Portugal

Estátua de Jorge Álvares em Portugal

Alberto Santos complementa com seu comentário: para melhor esclarecimento, transcrevo o que disse Pe. Teixeira em Maio de 1988: Há mais de 40 anos publicamos um artigo sobre Jorge Álvares, dizendo que este homem, natural de Freixo de Espada à Cinta, fora o primeiro português que viera a China em 1513. O almirante Sarmento Rodrigues, que é natural de Freixo, ficou radiante e mandou logo fazer dois monumentos deste navegador: um para ser erecto na sua terra natal (e lá está hoje) e outro para Macau. Anos depois, descobriu-se que havia dois Jorge Álvares: um, o de 1513, outro, o grande amigo de S. Francisco Xavier, a quem entregou o japonês Angiro (que ele baptizou) e a primeira narrativa do Japão, feita por ele mesmo. Então resolveu-se o problema desta maneira: a estátua de Freixo ficou com o nome do amigo de Xavier e a de Macau com o Álvares de 1523.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 03/11/2015 por em Jorge Álvares-estátuas, Manuel V. Basílio e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.461.890 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Dia de Macau – 24 de Junho de 2022 celebra 400 anos da maior derrota dos holandeses no Oriente, e Manuel V. Basílio nos conta como foi

Hoje, 24 de Junho de 2022, comemora-se 400 anos de “A Maior Derrota dos Holandeses no Oriente” na sua tentativa de tomar Macau dos portugueses. Até a transição de soberania de Macau, de Portugal para a República Popular da China, em 20 de Dezembro de 1999, a data era comemorada como “DIA DE MACAU” ou “DIA DA […]

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

Macau: Bons tempos do Teatro Dom Pedro V recordados por Jorge Eduardo (Giga) Robarts

1 Aqueles bons tempos de Macau, que já não voltam mais, de peças teatrais com participação de macaenses, são recordadas por Jorge Eduardo (Giga) Robarts na sua página no Facebook. Com autorização do Giga, as imagens foram copiadas e editadas, inclusive seus textos. Fazem parte do seu acervo, bem como, partilhadas por seus amigos dessa […]

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Duas histórias de Macau por Manuel V. Basílio: ‘A 1ª viagem portuguesa no sul da China’ e ‘O 1º acordo sino-português’

Nesta postagem, divulgamos duas histórias de Macau de autoria do Manuel V. Basílio, publicadas no Jornal Tribuna de Macau-JTM e que foram extraídas dos seus livros: A primeira viagem portuguesa no sul da China O primeiro acordo sino-português Nos artigos abaixo com os textos com ligação direta no JTM , clique em “continue reading” (continue […]

%d blogueiros gostam disto: