Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

As estátuas de Jorge Álvares em Macau e em Portugal

Postagem de M.V. Basílio (Macau) na página da Associação dos Antigos Alunos do Seminário de São José (Macau) com duas fotografias, comenta sobre a preservada estátua de Jorge Álvares em Macau, o primeiro navegador português e europeu a chegar à China, bem como de outra que está instalada na cidade de Freixo de Espada à Cinta, em Portugal, terra natal desse navegador. A publicação mereceu comentário complementar e esclarecedor de Alberto Santos (Macau), pelo que vamos ver para enriquecer nossos conhecimentos:

(Fotografias publicadas por M.V. Basílio)

Estátua de Jorge Álvares em Macau

Estátua de Jorge Álvares em Macau

M.V. Basílio escreve: Jorge Álvares, um transmontano natural de Freixo de Espada à Cinta, foi o primeiro europeu a aportar, por via marítima, em 1513, numa ilha situada na foz do Rio das Pérolas, do sul da China, a que foi dado o nome de Tamam, Tamang ou Tamão, e que, foi identificada como sendo a ilha de Lin-tin, a partir de uma pequena obra de investigação de Luís Keil, publicada em 1933. Foi na sequência dessa viagem que os portugueses deram início a trocas comerciais em diversos pontos da costa chinesa, incluindo os estabelecimentos precários em Sanchoão e em Lampacau, até que se fixaram definitivamente numa localidade a que deram o nome de Porto de Nome de Deus, Amaquã (conforme mencionada por Fernão Mendes Pinto) ou Amaquao, Amagao, Amacao, Amachao, Machoam, Machao ou, ainda, outras designações similares.

A estátua de Jorge Álvares, em Macau, é da autoria do escultor português Euclides Vaz que, além desta, fez uma outra, com postura diferente, que se encontra implantada em Freixo de Espada à Cinta, terra natal desse navegador e feitor, que faleceu nestas paragens do oriente e foi sepultado na ilha de Lin-tin, junto ao padrão que lá mandou erigir, e onde seis anos antes, em 1514, sepultou o seu filho.

A ilha de Sanchoão, acima referida, é conhecida como o local em que o missionário jesuíta S. Francisco Xavier esteve de passagem, onde adoeceu e veio a falecer, a 2 de Dezembro de 1552, antes de alcançar o continente chinês.

Estátua de Jorge Álvares em Portugal

Estátua de Jorge Álvares em Portugal

Alberto Santos complementa com seu comentário: para melhor esclarecimento, transcrevo o que disse Pe. Teixeira em Maio de 1988: Há mais de 40 anos publicamos um artigo sobre Jorge Álvares, dizendo que este homem, natural de Freixo de Espada à Cinta, fora o primeiro português que viera a China em 1513. O almirante Sarmento Rodrigues, que é natural de Freixo, ficou radiante e mandou logo fazer dois monumentos deste navegador: um para ser erecto na sua terra natal (e lá está hoje) e outro para Macau. Anos depois, descobriu-se que havia dois Jorge Álvares: um, o de 1513, outro, o grande amigo de S. Francisco Xavier, a quem entregou o japonês Angiro (que ele baptizou) e a primeira narrativa do Japão, feita por ele mesmo. Então resolveu-se o problema desta maneira: a estátua de Freixo ficou com o nome do amigo de Xavier e a de Macau com o Álvares de 1523.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 03/11/2015 por em Jorge Álvares-estátuas, M.V.Basílio e marcado , .

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 972.172 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Concurso de Cozinha Macaense no Encontro das Comunidades de 2019 repete iniciativa da edição de 2004

Após 15 anos, o Concurso de Cozinha Macaense do Encontro das Comunidades Macaenses de 2019, a ser realizado entre 23 a 29 de Novembro, repete iniciativa da edição de 2004. Na época a dupla vencedora foi da Casa de Macau de São Paulo, formada por Isabel Pedruco e Isabel Airosa. A cerimónia de entrega dos […]

Em Macau, a Procissão da Morte de Cristo é novamente realizada em 2019

Em Macau, a Procissão da Morte de Cristo é novamente realizada em 2019

PROCISSÃO DA MORTE DE CRISTO EM MACAU – 2019 Texto e fotos de Manuel V. Basílio (Macau) Integrado no programa religioso da Semana Santa, realizou-se na sexta-feira do passado dia 19 de Abril, a Procissão da Morte de Cristo, também designada por Procissão do Enterro do Senhor.  Naquele dia, o tempo estava instável, com períodos […]

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

O ‘Dia do Patuá’ festejado pela Comunidade Macaense dos EUA

‘A promoção do ‘Dia do Patuá’ é um esforço para preservar o dialecto na Comunidade Macaense da Califórnia, nos Estados Unidos da América do Norte’ é o que define Henrique Manhão da Casa de Macau dos EUA. Diz, conciliando com o pensamento de outros membros da comunidade presente, ‘enquanto houver apoio de Macau, o patuá não […]

%d blogueiros gostam disto: