Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Ubatuba em São Paulo com mais de 100 praias, um lugar gostoso para passear ou morar

O Farol da Barra dedicado aos pescadores na praia central de Iperoig (ou do Cruzeiro)

Considerada por muitos como o paraíso do litoral norte de São Paulo, Ubatuba, distante cerca de 230 kms da capital paulista (via Rodovia dos Tamoios) é daquelas cidades praianas que dá gosto de visitar e até de lá morar. No município há 102 praias conforme informa a prefeitura. A sua costa, na parte continental, tem uma extensão de 125,40 km. Além disso, a cidade possui algumas ilhas, como a Ilha das Couves e a Ilha Anchieta que possui um presídio desativado, que, no passado, foi utilizado para manter presos políticos.

Ubatuba tem praias badaladas e com muita gente nas temporadas e feriados, como a Praia Grande ou Maranduba, mas também praias paradisíacas e com pouca gente, águas transparentes, longe do agito, cercadas por mata atlântica, íngremes montanhas, cachoeiras e grutas, e ideal para quem curte ecoturismo. Além de tudo é uma boa base para um bate-volta à histórica Parati a 74 km ou até Angra dos Reis a 166 kms, ou então a Caraguatatuba a 54 kms ou São Sebastião a 80 kms. Tudo pela boa rodovia Rio-Santos com muitas opções de paradas nas belas praias pela costa toda ou os diversos mirantes.

Muita gente viaja para conhecer as belas praias do Nordeste brasileiro, que vale muito a pena, mas deixa de conhecer o litoral norte de São Paulo cercada pelas altas montanhas da Serra do Mar que traz paisagens deslumbrantes e praias tão quanto belas que até levaria semanas para conhecer,e ainda nem tudo.

Uma orla marítima com extenso calçadão e ciclovia

A cidade não é daquelas que tem inúmeros prédios altos e modernos na orla marítima, salvo a Praia Grande a menos de 10 minutos do centro que já tem um razoável número de edificações mas bem distribuídas. Até a principal avenida central beira-mar tem aquele ar de cidade de interior sem um exagero de prédios. Em dias comuns é muito tranquila, ainda com barcos de pesca que lá estacionam e os pescadores a vender pescados no fim do dia. Mas em alta temporada ou feriados prolongados, a população aumenta significativamente.

Praça e Igreja Matriz Exaltação da Santa Cruz na região central

Fotografia de/photos by Rogério P D Luz – Visita em agosto de 2017 em pleno Inverno brasileiro, baixa temporada e em dia de semana, motivo de aspecto de cidade vazia.

Acesso

Partindo da cidade de São Paulo, uma boa opção é utilizar a boa Rodovia Ayrton Senna que emenda com a Rodovia Carvalho Pinto, depois seguir pela reformada e alargada Rodovia dos Tamoios com belas vistas e que desce a Serra do Mar para passar obrigatoriamente por dentro da agradável Caraguatatuba e seguir pela Rio-Santos, a BR-101, até Ubatuba. A distância de cerca de 230 kms pode parecer longa, mas se não tiver pressa e souber apreciar belas vistas tanto rurais como da sucessão de paisagens marítimas na Rio-Santos, que corre paralela ao mar, você nem sente a viagem. É agradável demais! Aliás na Tamoios estão em construção (agosto de 2017) túneis que evitarão e lenta e sinuosa descida de serra e a passagem por dentro de Caraguatuba, pois já conduzirão para a Rio-Santos, logo após essa cidade e deve encurtar bem o tempo de viagem e a distância. (veja foto abaixo).

Outro importante acesso pode ser feito pela Rodovia Oswaldo Cruz (SP-125), ligando Ubatuba a Taubaté, no Vale do Paraíba, em São Paulo.

Posição em agosto de 2017

Rodovia dos Tamoios

Mirante na Rodovia dos Tamoios

Praia de Maranduba – a 1ª praia de Ubatuba ao lado da BR-101 / Rio-Santos, vindo de Caraguatatuba

A praia fica a 28 kms do centro de Ubatuba e é muito frequentada em temporadas, finais de semana e feriados

Um pouco da história de Ubatuba

(Texto de VivaUbatuba no https://www.vivaubatuba.com.br/sobre/)

Os índios Tupinambá foram os primeiros habitantes da região. Eram excelentes canoeiros e dominavam o arco e flecha e aqui viviam em paz com os índios do planalto até a chegada dos portugueses e franceses, que tentaram escravizar os índios com o intuito de colonização. Naquela época Ubatuba era conhecida como Aldeia de Iperoig, passando para categoria de Vila somente em 1554 .

Os portugueses mantinham relações de amizade com os Tupiniquim. Os Tupinambá, sob o comando de Cunhambebe, fizeram a aliança conhecida por “Confederação dos Tamoios” – Os mais velhos da Terra –  e junto a outras tribos de Bertioga a Cabo Frio passaram a lutar contra o domínio lusitano.

Para evitar o conflito, os portugueses convocaram em 1563 uma dupla de negociadores, os Jesuítas Manoel da Nóbrega e José de Anchieta. Anchieta durante as negociações ficou prisioneiro por aproximadamente quatro meses, e nesse período escreveu vários poemas, dentre eles o célebre “Poema à Virgem” nas areias da Praia do Cruzeiro, enquanto Manoel da Nóbrega voltou à Aldeia de São Paulo para concluir o Tratado da Paz.

Em 14 de setembro de 1563 foi assinado o primeiro tratado de paz das Américas, conhecido por “Paz de Iperoig”, o armistício acabou não sendo cumprido o que para algumas tribos significou sua aniquilação, com os franceses sendo expulsos da região e os índios pacificados ou dizimados pelos portugueses.

Com o tratado firmado, o Governador Geral do Rio de Janeiro, Salvador Corrêa de Sá e Benevides, tomou providências para colonizar a região, enviando os primeiros moradores para garantir a posse da terra para a Coroa Portuguesa.

O povoado foi elevado à Vila em 28 de Outubro de 1637, agora se chamando Vila Nova da Exaltação à Santa Cruz do Salvador de Ubatuba, tendo como fundador Jordão Albernaz Homem da Costa, nobre português das Ilhas dos Açores.

A Av. Leovigildo Dias Vieira é a principal via beira mar com shopping, pousadas, restaurantes variados

Toponímia

(Wikipédia) Seu nome tem origem tupi e há pelo menos duas interpretações para o nome. Em tupi, ubá significa canoa, enquanto u’ubá significa cana-do-rio, que é uma gramínea que era utilizada na confecção de flechas pelos índios. Como tyba indica “ajuntamento”, o nome da cidade pode significar tanto “ajuntamento de canas-do-rio” quanto “ajuntamento de canoas”.

Atividades físicas à beira-mar no extenso calçadão e ciclovia

O Farol da Barra na Praia de Iperoig ou Cruzeiro construído em homenagem aos pescadores

 

A praça no local é um ponto de encontro de moradores e aposentados para jogo de cartas, xadrex e outros.

São Pedro, o Santo Padroeiro dos Pescadores, é o Padroeiro de Ubatuba

A imagem de São Pedro fica no Morro da Tainha ao lado do Farol da Barra. A comemoração da data ocorre em 29 de junho, desde 1923.

Praia central de Iperoig (ou do Cruzeiro) e um pouco mais de história

Iperoig e a luta contra os franceses

(Wikipédia) Os índios tupinambás estiveram entre os primeiros índios brasileiros a sofrer o impacto dos portugueses, uma vez que foram escravizados para os engenhos de cana-de-açúcar em São Vicente. Isso motivou uma firme aliança dos tupinambás com os franceses da França Antártica, que ocuparam a região da baía de Guanabara. Essa aliança, liderada por Cunhambebe, ficou conhecida como Confederação dos Tamoios.

Em 1563, José de Anchieta partiu com Manuel da Nóbrega de São Vicente para a aldeia de Iperoig, com o objetivo de pacificar os tupinambás. Anchieta permaneceu refém durante vários meses em Iperoig, enquanto Manuel da Nóbrega voltou a São Vicente acompanhado de Cunhambebe para acertar o tratado de paz conhecido como Paz de Iperoig.

Com a paz estabelecida com os índios tupinambás fronteiriços a São Vicente, os portugueses destruíram boa parte da nação tupinambá em conflitos na baía de Guanabara (em Uruçumirim – atual aterro do Flamengo) e em Cabo Frio, expulsando os franceses da região.

Nesta praia, Padre José de Anchieta, canonizado em 2014, quando era prisioneiro dos indios Tupinambás, escreveu os 4072 versos em Latim do “Poema à Virgem”.  Iperoig no dialeto Tupi quer dizer “Água que tem Tubarões”.

Os barcos pesqueiros da Ilha dos Pescadores circundada pelo Rio Grande que nasce na Serra do Mar

Ilha de Pescadores, onde você compra pescados, camarões, lula, e o bar vizinho prepara na hora

Na Ilha também tem um Mercado Municipal de pescados administrado pelos próprios pescadores que se orgulham muito dele.

Igreja Matriz Exaltação da Santa Cruz, a praça, o quiosque e o Teatro Municipal

A Igreja Matriz construída entre 1885 a 1890 ainda está inacabada possuindo apenas um torre que antes tinha um relógio.

A praça da Rua Hans Staden com construções históricas e o entorno

O prédio ao fundo é o Casarão do Porto construído em 1840, seguindo a arquitetura européia de construções ao longo do litoral que estava na moda na época. O construtor foi o armador português Manoel Baltazar da Cunha Fortes

A especulação imobiliária e turística, entretanto, contribuiu para a rápida destruição do patrimônio histórico de Ubatuba. Hoje, sobram poucas mostras da ocupação antiga: o exemplo mais destacado talvez seja o Sobradão do Porto. Hoje, Ubatuba resgata seu passado na cultura caiçara, nas ruas, nas festas de origem portuguesa e nos edifícios históricos, revelando seu potencial como estância balneária para o turismo. (Wikipédia)

Vistas do mar de Ubatuba na Praia de Itaguá e a Praia de Iperoig ou Cruzeiro na região central 

Ubatuba é cercada pela Serra do Mar e sua exuberante Mata Atlântica. Quase oitenta por cento do território da cidade de Ubatuba consiste em áreas de preservação. O Parque Estadual da Serra do Mar, criado para proteger e preservar a mata atlântica, tem três núcleos dentro de Ubatuba: Cunha-Indaiá, Santa Virgínia e Picinguaba. (Wikipédia)

 

O clima de Ubatuba é o tropical litorâneo úmido ou tropical atlântico, com chuvas bem distribuídas ao longo do ano, sem estação seca e com mês mais frio, possuindo temperatura média acima de dezoito graus centígrados. A cidade tem um clima chuvoso, com precipitação média anual de 2 600 milímetros, o que é refletido pelo apelido Ubachuva, que a cidade recebe. O mês mais quente é fevereiro, com temperatura média compensada de 25,2 °C; o mais frio é julho, com 17,7 °C. (Wikipédia)

A Rua Guarani é uma via com restaurantes, comércio, sorveterias, pousadas, hotéis, muito frequentada e badalada

Dados Gerais (VivaUbatuba)

Data de Fundação: 28/10/1637

População estimada em 2016: 87.364

Área da unidade territorial (km2): 723,829

Densidade demográfica (hab/km2): 108,87

Gentílico: ubatubano

Numa praça na orla da praia Itaguá estão expostos os ossos de uma baleia jubarte que no ano 2000 moreru encalhada na praia Grande. 

Pescadores e barcos pesqueiros que ficam estacionados na praia central de Itaguá. Os pescados são vendidos no local.

 

Anúncios

2 comentários em “Ubatuba em São Paulo com mais de 100 praias, um lugar gostoso para passear ou morar

  1. Fiz uma visita virtual muito interessante. Parece ser um local de muita paz para quem gosta do sossego e vida calma. Quanto à violência não faço a mínima ideia…

    • Olá Giga, na minha estadia não encontrei nenhum problema, passeamos à vontade, mas obviamente sempre é bom estar atento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 717,325 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: