Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

De bondinho ao Pão de Açúcar com vista panorâmica do Rio

Pão de Açúcar/vista do Corcovado/Cristo Redentor

Ir ao Rio de Janeiro e não visitar as duas principais atrações turísticas, o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar, pode parecer que o passeio ficou incompleto. Digamos que andar de bondinho ou teleférico, o único meio para chegar aos morros do complexo Pão de Açúcar, pode ser um desestímulo, mas abaixo você vai ver um dos meios que pode ajudar a superar esse medo de alturas aliado a ambientes fechados.

Siga conosco os passos da nossa visita ao Pão de Açúcar, finalmente, após a Mia se preparar por uns tempos para superar o medo de andar no bondinho. Já para o Corcovado não havia problemas e a visita consta desta postagem. E valeu muito a pena pois do alto vendo a bela paisagem do Rio de Janeiro, acaba esquecendo aquela cidade que frequentemente aparece nos noticiários policiais.

Fotografia de/photos by Rogério P D Luz

Parte dos textos com dados técnicos e históricos (em itálico) extraídos da enciclopédia livre Wikipédia

A Praça General Tibúrcio onde se localiza a estação do bondinho, e o Monumento aos Heróis de Laguna. Ao fundo fica a Praia Vermelha.

Como chegamos na estação do bondinho

Estávamos hospedados no Hotel Bandeirantes, bom pelo custo/benefício, na Rua Barata Ribeiro, em Copacabana, com a estação de metrô Siqueira de Campos a menos de 10 minutos a pé. Descemos na estação Botafogo, e pela saída do acesso E (Mena Barreto) vê-se logo em frente o ponto de ônibus com destino a Urca. Peça ao motorista (nosso estava com uma má vontade) para avisar quando chegar ao ponto próximo ao teleférico, que apesar de estar numa enorme praça, o ônibus não transita por lá. Coisas de falta de estrutura e atenção para o turismo por meios mais populares.

A estação do bondinho localizada na Praia Vermelha

Vista do Morro da Urca, a 1ª estação do bondinho e do lado direito o Morro do Pão de Açúcar.

A estação inicial vista do Morro da Urca. Vê-se a Praia Vermelha à esquerda.

Quando e qual horário ideal para fazer o passeio

Dizia o blog Viaje na Viagem que o horário ideal para visita seria na parte da manhã, período que os turistas escolhem para ir ao Corcovado. E assim fizemos. Não havia filas e pouca gente, embora julgo que seria por estar em no inverno de agosto, a baixa temporada. E quando fomos embora por volta das 14:00 horas, ainda continuava quase vazia.

Não compramos ingressos antecipadamente para avaliar as condições do tempo e no dia pareciam boas embora não 100%. E lá no topo a paisagem era um tanto prejudicada por uma leve névoa pairando sobre a cidade, o que exigiu um pouco mais de trabalho para editar as fotos aqui publicadas. Enquanto que do morro do Pão de Açúcar podia-se ver o morro do Corcovado coberto de nuvens. Coitado dos turistas que lá estavam. Assim, a visita a esses dois pontos turísticos deve ser avaliada pelas condições do tempo e a presença de nuvens cobrindo os morros.

Como enfrentar o medo de andar de bondinho

Até o dia anterior à visita, não sabia se seria possível o passeio pelo “terror” que a Mia tinha de andar de teleférico. Raciocinei que nele cabiam 65 passageiros e era relativamente grande, além do que a viagem só durava 3 minutos cada trecho. Assim, recomendei que ela ficasse no centro do bondinho, fechasse os olhos e segurasse firme nos gradis de alumínio, e aí torcer para ter muita gente. Foi tranquilo e a suavidade que o bondinho desliza pelos cabos de aço ajudaram bem. Nem deu para sentir a viagem! E na etapa final da viagem de volta, a Mia até esboçava um sorriso ainda no interior do teleférico, tanto de alívio e a vitória sobre o medo.

Apreensão no início

Ainda bem que o bondinho partiu lotado na 1ª viagem

O embarque para a 2ª viagem para o Morro do Pão de Açúcar já não causava tanta apreensão

Na viagem final de retorno um sorriso de alívio e superação do medo, e pronta para uma revisita.

1ª parada – Morro da Urca

A plataforma do Morro da Urca é maior que o próximo, o do Pão de Açúcar. Os dois possuem lojas de souvenirs e vestuário, e uma de jóias (?), além de lanchonetes. O morro tem 220 metros e o acesso também pode ser feito por uma trilha, além de escalada pelos praticantes de montanhismo. O ponto de partida fica no sítio ao lado da Praia Vermelho, no sopé do Morro de Babilônia. Esta primeira linha possui extensão de 600 metros e a velocidade máxima durante a viagem é de 6 metros por segundo (21,6 quilômetros por hora). Abaixo fotos do que é possível visualizar do Rio a partir deste morro.

Em 27/outubro/1912 foi inaugurado este bondinho de madeira que ia inicialmente da Praia Vermelha até o Morro da Urca. Somente em janeiro de 1913 é que foi inaugurada a estação do Morro do Pão de Açúcar. Operou por 60 anos sendo substituído pelo carro da foto abaixo.  A estátua é do idealizador do bondinho, engenheiro Augusto Ferreira Ramos.

O bonde que começou a operar em 1973 se assemelha com os atuais. Foi substituído em 2008 na ligação da praia Vermelha ao Morro da Urca. Somente 2011 é que os novos começaram a operar na ligação para o Morro do Pão de Açúcar.

O heliporto no Morro da Urca de onde sai o helicóptero para passeio panorâmico pelo Rio de Janeiro contratado à parte.

O Morro da Babilônia e a estação inicial da Praia Vermelha.

Praia de Botafogo

O Corcovado do Cristo Redentor ficou nesse dia todo encoberto por nuvens o que deve ter prejudicado bastante a visão dos turistas.

Aeronave em procedimento de pouso no Aeroporto Santos Dumont passa sobre o Parque do Flamengo, a nível do Morro da Urca.

O Aeroporto Santos Dumont destinado a vôos domésticos é um dos dez mais movimentados do Brasil. O início das obras para sua construção ocorreu em 1934 e já no ano seguinte pequenas aeronaves começaram a pousar nele. Ao fundo, a Ponte Rio-Niterói, de nome oficial Ponte Presidente Costa e Silva e aberta ao tráfego em 1974, de 13,29 kms de extensão é a sexta maior do mundo. Do lado centro-esquerda vê-se a Ilha Fiscal aberta a visitação pública, ao lado da Ilha das Cobras da Marinha.

Parque do Flamengo e a sua praia à direita e à esquerda a de Botafogo

O bairro da Urca à direita conhecido como um dos lugares mais tranquilos do Rio

Bateria de Comando e Serviços da Fortaleza de São João e a Praia do Forte, no bairro da Urca

Abaixo da aeronave da Latam a Praia do Flamengo

O Morro da Urca possui lojas, restaurantes, quiosques e praça para alimentação.

2ª parada – Morro do Pão de Açúcar

O Morro do Pão de Açúcar tem 396 metros de altitude. O morro constituído por um bloco único de gnaisse-granito com mais de seiscentos milhões de anos de idade, que surgiu da separação entre os continentes sul-americano e o africano e que sofreu alterações por pressão e temperatura. A segunda linha possui extensão de 850 metros e a velocidade máxima durante a viagem é de 10 metros por segundo (36 km/h).

Morro do Pão de Açúcar

Vista do Morro da Urca

A vista no morro é mais ampla, e o morro do Cristo Redentor está todo encoberto.

Ao fundo, o município de Niterói com vista do Forte da Laje (ilha) e o Forte de Santa Cruz (centro-direita)

Vista do Parque e Praia do Flamengo

Na Enseada do Botafogo está localizado o Iate Clube do Rio de Janeiro

O Morro do Pão de Açúcar também possui lojas, restaurantes e quiosques.

A área militar do bairro do Urca, a Fortaleza de São João e a Praia do Forte

Do morro consegue-se ter uma melhor visão de Copacabana e a sua famosa praia. Na ponta à esquerda o Forte de Copacabana com uma filial da Confeitaria Colombo.

As residências da Urca e à direita um lugar gostoso e tranquilo, a Mureta da Urca (vide também foto abaixo), o ponto final do ônibus Urca que você toma para ir ao Pão de Açúcar. Você contempla a Baía de Guanabara, sentado na mureta, com as águas tranquilas batendo nela e os barcos ancorados.

À esquerda a tranquila Mureta da Urca e a Praia de Dentro, lugar tranquilo, ao lado da Fortaleza de São João.

Á esquerda, a Praia de Copacabana. No centro a Praia Vermelha e estação inicial do bondinho.

Praia Vermelha

Forte da Laje

Forte Tamandaré (Forte da Laje): Foi construído sobre um rochedo quase plano que divide a entrada da Baía de Guanabara em duas partes desiguais. Dista 1.250 m da Fortaleza de Santa Cruz e 500m da Fortaleza de São João (vide fotos acima). Sua história remonta ao ano de 1555, quando Villegagnon ali montou uma bateria conhecida com o nome de Bateria Ratier. Em carta régia de 1644, foi autorizada a construção de uma fortaleza, logo abandonada e artilhada em 1690. Somente em 1710 começa a ser edificada a Fortaleza de Laje, cujo término se deu por volta de 1716.
A Fortaleza da Laje cruzava seus fogos com os demais fortes da Baía, em proteção à cidade e ao porto, tornando inacessível qualquer desembarque de invasores. Posteriormente, foi projetada uma cúpula encouraçada de ferro endurecido, aço e níquel, pesando 3.060 toneladas, para proteger os poderosos canhões. Após a Revolta da Armada, em 1893, foram consertadas as avarias causadas pelos bombardeios e montados alguns canhões Krupp.
Em 1895, um novo projeto foi aprovado e suas obras foram iniciadas em 1896. Devido ao recinto relativamente exíguo onde estas se operavam, alongaram-se até 1906, quando a Fortaleza foi inaugurada. Em 1909, ainda eram executadas obras complementares, com todo o rigor de uma fortificação moderna e convenientemente guarnecida. Durante a Segunda Guerra Mundial, a Fortaleza da Laje possuía uma rede antimina submersa, que se estendia para São João e Santa Cruz, impedindo, se necessário, a entrada no canal. Em 1953, passou a ter o nome de Forte Almirante Tamandaré. Atualmente, encontra-se sem efetivo e desartilhada, estando os seus bens materiais sob a responsabilidade da Fortaleza de São João. (Texto do site do Comando Militar do Leste)

Fortaleza de Santa Cruz

Fortaleza de Santa Cruz (Niterói/RJ): Em 1555, Villegagnon instalou, no local onde hoje se encontra a Fortaleza de Santa Cruz, as primeiras peças de artilharia. Mem de Sá melhorou suas instalações em 1567. Posteriormente, a pequena fortificação foi batizada com o nome de Bateria de Nossa Senhora da Guia. No ano de 1599, a pequena bateria abriu fogo contra corsários holandeses que tentavam penetrar na Baía de Guanabara. Seu armamento, em 1612, era de vinte canhões.
Quase cem anos depois, em 1710, a fortaleza impediu com sua artilharia a entrada do francês Duclerc. Entretanto, no ano seguinte, não impediu com sua artilharia a entrada do francês Duguay Touin, pois estava desguarnecida. Contava, então, com 44 canhões. Em meados do século XVIII contava já com 135 peças. Durante o Período Regencial teve seu armamento reduzido à metade. Entre 1863 e 1865, foram construídas várias casamatas na fortaleza, contando, nessa época, com 104 peças de artilharia. Em 1874, a fortaleza foi guarnecida com o 1º Batalhão de Artilharia a Pé. No início do século XX, passou a ser guarnecida pelo 1º Grupo de Artilharia de Costa e era armada com canhão 150mm Krupp. Hoje, a Fortaleza de Santa Cruz (visitação: 3ª feira a domingo) abriga o Comando da Artilharia Divisionária da 1ª Divisão de Exército. (Texto do site do Comando Militar do Leste)

 

 

No topo da montanha, o Forte Duque de Caxias (acesso pelo Leme-final da Praia de Copacabana, sentido centro)

Um pouco de história e curiosidades

A origem do nome ‘Pão de Açúcar’. A Wikipédia explica: Há várias versões sobre a origem do nome. Uma das mais conhecidas indica os portugueses como responsáveis. Durante o apogeu do cultivo da cana-de-açúcar no Brasil (séculos XVI e XVII), após a cana ser espremida e o caldo fervido e apurado, os blocos de açúcar eram colocados em uma forma de barro cônica (para transportá-los para a Europa), denominada “pão de açúcar”. A semelhança do penhasco carioca com aquela forma de barro teria originado o nome.

À direita, o Morro da Babilônia onde se situa a estação do bondinho. A seguir o menor morro é da Urca e o mais alto, o Morro do Pão de Açúcar.

O bondinho: O seu nome vem da semelhança dos carros do teleférico com os bondes que circulavam no Rio de Janeiro à época de sua inauguração. A vista da Baía da Guanabara, considerada uma das paisagens mais belas do mundo, era o atrativo que levava curiosos e alpinistas a escalar o Pão de Açúcar, já em fins do século XIX. O desenvolvimento das técnicas de engenharia e a realização da Exposição Nacional em Comemoração ao Primeiro Centenário da Abertura dos Portos do Brasil ao Comércio Internacional, em 1908, no bairro da Urca, motivaram o engenheiro Augusto Ferreira Ramos a idealizar um sistema teleférico que facilitasse o acesso ao cume do monte. Quando o bondinho foi construído, só existiam dois no mundo: o teleférico de Monte Ulia, na Espanha, com uma extensão de 280 metros e que foi construído em 1907; e o teleférico de Wetterhorn, na Suíça, com um extensão de 560 metros, construído em 1908.

Os primeiros carrinhos com capacidade para 22 pessoas, foram importados da Alemanha. À inauguração do bondinho, em 27 de outubro de 1912, o teleférico só subia da Praia Vermelha até o morro da Urca. Três meses depois, em 18 de janeiro de 1913, já ia até o alto do Pão de Açúcar. A capacidade atual é de 65 passageiros por viagem. Como o trajeto de cada linha é realizado em aproximadamente 3 minutos, a capacidade do teleférico é de 1.200 passageiros por hora. Mais de 40 milhões de passageiros já circularam no bondinho.

O projeto original previa uma terceira ligação entre os morros de Urca e o da Babilônia, no Leme, descartada por cruzar uma área considerada de segurança nacional.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 851.969 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: