Cronicas Macaenses

Blog-magazine de Rogério P. D. Luz, de cara nova

Poesia em patuá (dialeto de Macau) com tradução para português: “Cidádi di Nómi Sánto”

Ruínas de São Paulo em Macau

Ruínas de São Paulo em Macau – “Cidade di Nómi Santo”

Publicada no livro do poeta macaense José dos Santos Ferreira “Adé” – Macau Jardim Abençoado – a poesia Cidádi di Nómi Sánto em patuá, dialeto de Macau, traz a tradução para português feita pelo autor, o que ajudará a compreensão daqueles que pouco ou nada o conhecem.

O dialeto dos tempos em que Macau era território português tem a pretensão de alcançar, por final, o reconhecimento como Patrimônio Cultural Imaterial pela UNESCO na forma de “teatro em patuá”, pois como do território já o obteve e espera que também seja reconhecido pela China, já que em 1999, Macau foi devolvida à nação chinesa.

José dos Santos Ferreira "Adé", poeta macaense

José dos Santos Ferreira “Adé”, poeta macaense

Cidádi di Nómi Sánto / Cidade de Nome Santo

poesia de José dos Santos Ferreira (Adé)

1 – Nôsso Macau, nómi sánto, / Nossa Macau de nome santo

Vosôtro olá! / Vede, vede todos bem

Qui ramendá unga jardim; / parece um jardim

Fula fresco na tudo cánto / Por todos os cantos flores frescas

Sã pa ispantá. / É de pasmar

Sai semeado, nom têm fim. / Saem plantadas sem fim

 

2 – Gente di Macau, na passado, / Gente de Macau, no passado

Co tánto lágri já regá / Com lágrimas amargas regou

Su fula cheroso; abençoado, / Suas perfumadas flores, abençoadas

Qui Dios já ajudá semeá. / Que Deus ajudou a plantar

Na mundo assi transtornado. / Num mundo tão perturbado

Sã fazê triste coraçám / É de entristecer corações

Olá gente faltá cuidado, / Ver gente descuidada

Dessá fula muchá na chám. / Deixá-las murchar no chão

 

3 – Macau, masquí chám pequinino, / Macau, embora torrão pequeno

Vosôtro pôde crê. / Podeis todos crer

Sã unga grándi casa cristám. / É uma grande casa cristã

Alumiado pa luz divino, / Iluminada por luz divina

Inchido di fé, / Cheia de fé

Co amor na coraçám. / Com amor no coração

 

4 – Fé co amor juntado / Fé cristã e amor juntos

Sã ancuza qui Dios más querê, / São sentimentos que mais agradam a Deus

Macau quirido, abençoado, / Macau querida, abençoada

Ne-bom, ne-bom disparecê! / Não pereças, não!

Vôs têm nga obra começado, / Tens uma obra começada

Qui mundo cristám conhecê, / Que o mundo cristão conhece

Cidádi di nómi sagrado, / Cidade de nome sagrado

Vôs nom-pode disparecê! / Tu não podes perecer

(Dezembro de 1986)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 717,325 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

Vídeo “O silêncio de um bandolim” à memória de Adalberto Remédios

O que o Adalberto Remédios mais gostava era tocar o seu bandolim. Uma paixão desde jovem nos bons tempos antigos de Macau (ex-território português na China). Costumava tocar nas festas e atividades externas da Casa de Macau de São Paulo, formando um trio com o Clemente Badaraco (viola/violão/bandolim) e Manuel Ramos (baixo/percussão), até se mudar com […]

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

O Dia de Portugal na Macau portuguesa de 1973, em vídeo da RTP

Outro vídeo da saudosa Macau sob administração portuguesa nas comemorações do Dia de Portugal em 1973, na época em que o governador era  o general Nobre de Carvalho . Faz parte dos arquivos da RTP Rádio e Televisão Portuguesa que foram disponibilizados ao público no seu aniversário de 70 anos. “Macau, Campo Desportivo 28 de […]

%d blogueiros gostam disto: