Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P D Luz

Festa de Barcos-Dragão em Macau e a origem

Foto: Manuel V.Basílio

FESTA DOS BARCOS-DRAGÃO

Texto e fotografias de Manuel V. Basílio (Macau), e também fotos de Carlos Dias (Macau)

A Festa dos Barcos-Dragão (em cantonense, Tün Ng Chit ou, em pinyin[1], Duānwǔ Jié) celebra-se no quinto dia do quinto mês do calendário lunar, que, este ano (2017), coincide com o dia 30 de Maio.

Nos dias 27, 28 e 30 de Maio de 2017, realizou-se mais uma edição das Regatas Internacionais de Barcos-Dragão no Centro Náutico de Nam Van, com boa assistência e muita animação, nas quais participaram mais de cem equipas, quer locais, quer da China e de outros países.

Muitos acreditam que a Festa dos Barcos-Dragão se originou na antiga China, devido ao suicídio do poeta e estadista, Wât Yün ( 屈原 ), do Reino de Chu.

Foto: Manuel V.Basílio

Wât Yün foi um poeta patriótico …

Wât Yün ( 屈原 , em pinyin, Qu Yuan) foi um poeta patriótico e um funcionário leal do Estado ou Reino de Chu, durante o Período dos Estados Combatentes ou Reinos Combatentes ( 戰 國 時 代 , Chin Kwók Si Tói, em pinyin, Zhànguó Shídài), ocorrido entre meados do século V a.C. até à unificação da China por Qin Shi Huang, em 221 a.C. Wât Yün era o principal conselheiro do Estado de Chu, e dedicou a sua vida a ajudar o rei para que Estado de Chu fosse poderoso. Em dada altura, aconselhou o rei para se aliar com o Estado de Qi (um dos sete estados em guerra: Qi, Chu, Yan, Han, Zhao, Wei e Qin), na luta contra o mais poderoso Estado de Qin. No entanto, ele foi caluniado por funcionários ciumentos e acusado de traição, tendo sido demitido e exilado pelo rei. Durante seu exílio, Wât Yün compôs muitos poemas, alguns dos quais ainda muito célebres, que expressam o seu grande amor e patriotismo ao Estado.

Em 278 a.C., o Estado de Qin conquistou a capital de Chu. Ao saber da derrota, Wât Yün, em grande desespero, cometeu suicídio por afogamento no rio Mêk Ló ( 汨 羅 江 , em pinyin, Miluo Jiang), no quinto dia do quinto mês do calendário lunar.

Quando as pessoas locais souberam da morte de Wât Yün ficaram muito tristes, e foram ao rio à procura do seu corpo, mas não foram capazes de o encontrar. Para preservar seu corpo, os locais remaram os seus barcos para cima e para baixo do rio, batendo na água com as pás dos remos e tocando tambores para afugentar maus espíritos, e lançaram bolinhas de arroz no rio para alimentar os peixes, de modo a não comer o corpo de Wât Yün. Esta é uma das versões das várias histórias que deram origem à tradição de uma das mais populares festas chinesas – a Festa dos Barcos-Dragão (em cantonense, Tün Ng Chit ou, em pinyin, Duānw Jié), em que se come o “chông” ( ), um bolo de arroz glutinoso, embrulhado em folhas, geralmente de lótus ou de bambú, conhecido em Macau pela designação “catupá”, dentro do qual pode haver um recheio de carne de porco assada, gema de ovo cristalizado, cogumelo, vieira seca, bem assim outras iguarias, conforme o tipo e preço do “chông” ( ). (M.V. Basílio)

O O O o o o O O O

[1]O pinyin (em chinês: 拼音, pīnyīn), ou, mais formalmente, hanyu pinyin (汉语拼音 / 漢語拼音), é o método de romanização mais utilizado atualmente para o mandarim padrão (标准普通话 / 標準普通話). Hànyǔ (汉语 / 漢語) significa língua chinesa, e pīnyīn (拼音) significa “fonética”, ou, mais literalmente, “som soletrado”. O sistema é utilizado apenas para o mandarim padrão, e não para os outros idiomas chineses, incluindo o antigo chinês oficial, guangyun (广韵 / 廣韻). O sistema é usado na China continental, em Hong Kong, Macau, partes de Taiwan, Malásia e Singapura, para o ensino do mandarim e internacionalmente, para ensinar o mandarim como segundo idioma. Também é utilizado para grafar os nomes chineses em publicações estrangeiras, e pode ser utilizado para a insas ferção de caracteres chineses (hanzi) em computadores e telefones celulares. (Fonte – Wikipédia)

(As fotos do Manuel V. Basílio foram tiradas durante as provas de qualificação, na manhã do dia 30 de Maio)

Foto: Manuel V.Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Manuel V. Basílio

Foto: Carlos Dias

Foto: Carlos Dias

Blog: Agradecimentos ao Manuel V.Basílio e ao Carlos Dias pelas fotos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 1.075.619 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Blog do Projecto Memória Macaense

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Missa e Te-Deum no Encontro das Comunidades Macaenses-Macau 2019

Como já vem acontecendo nos Encontros das Comunidades Macaenses realizadas em Macau, o programa de 2019 incluía uma missa e Te-Deum na Sé Catedral que foi celebrada no dia 26 de Novembro às 18:00 horas pelo Bispo de Macau, D. Stephen Lee Bun-sang. Uma celebração religiosa e ação de graças para agradecer por mais uma […]

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O hotel em Macau que é uma galeria de arte

O Hotel Casino (Cassino) Lisboa, de Macau, inaugurado em 3 de Fevereiro de 1970, seis anos após o início das obras em 1964, o primeiro dos tempos modernos do outrora território português na China por cerca de 440 anos, e devolvido para a China em 1999, é por excelência uma galeria de arte com peças […]

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

Num período de 52 anos, três encontros de amigos macaenses

O macaense Carlos Cordeiro, hoje residente no Canadá, enviou ao autor deste blog, três fotos que espelham bem o convívio dele com dois amigos macaenses: Fernando Placé e José (Zé) Cabral, num período de 52 anos, de 1967 a 2019. Interessante ver o cuidado de fotografar o momento na mesma posição da foto original de […]

%d blogueiros gostam disto: