Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

Na 4ª parte do roteiro das Aldeias do Xisto e Históricas, em Portugal, visita à Foz d´Égua, Poço da Broca, Praia da Loriga e Lagoa Comprida

Roteiro das Aldeias do Xisto e Históricas (em Portugal) – (Parte 4 de 8)

Texto, fotografias e legenda de Jorge Basto (Portugal)

Preâmbulo:

As Aldeias do Xisto são um conjunto de 27 aldeias cujas construções são feitas de xisto, das quais as mais belas ficam na Serra de Lousã.

As Aldeias Históricas são um conjunto de 12 núcleos urbanos anteriores ao Reino de Portugal, na região das Beiras e de grande importância histórica.

Este roteiro que realizei em 8 dias faz uma passagem por essas Aldeias, bem como por outros locais que me interessaram pelo caminho

O Roteiro pelas Aldeias do Xisto e Históricas, em 8 dias (Google)

Dia 4: Piódão-Linhares da Beira

Neste dia saímos de Piodão e passamos por 3 locais encantadores, antes de subirmos à Serra da Estrela. Daqui continuamos, passando por Seia, rumo ao Norte para Linhares da Beira, a 2ª «Aldeia Histórica» a visitar.

De Piodão a Linhares da Beira (Google)

1 – Foz d´Égua, paraíso de fotógrafos

Esta aldeia fica a 4,2km de Piodão e há muita gente que para lá caminha por um trilho suave a pé.

Caracteriza-se pelo seu aspecto rural serrano, com as típicas casas de xisto e lousa, circundadas por uma natureza quase em estado puro, onde se encontra uma praia fluvial de grande beleza.

Forma-se um espelho de água no ponto de encontro da ribeira de Piódão com a ribeira de Chãs, travadas por uma represa.

Consta que o núcleo da aldeia, composto por 4 a 5 casas, é propriedade privada de dois irmãos do Barreiro. Fizeram as obras de restauro nas casas e nas 2 pontes em arco, bem como construiram a ponte suspensa, que já não se encontra funcional.

É um local muito apreciado por fotógrafos, e na Net encontramos fotos fantásticas. Não deu para ir lá abaixo vasculhar, porque na volta teria que «subir».

1.1 Foz d´Égua, zona das pontes. Foto Jorge Basto

1.2 Uma das pontes em arco muito fotografada. Foto Jorge Basto

1.3 A ponte pedestre suspensa (hoje não funcional). Foto Jorge Basto

1.4 Pormenor das 2 pontes, lá em baixo. Foto Jorge Basto

1.5 A vila, na zona montanhosa. Foto Jorge Basto

1.6 Socalcos para plantação, nas redondezas montanhosas Cascata do Poço da Broca. Foto Jorge Basto

2 – Cascata do Poço da Broca

Fica na Ribeira de Alvôco, perto de Vide, formando uma agradável praia fluvial conhecida pela sua tranquilidade, mas com águas muito frias….

A magnífica paisagem resulta da intervenção humana há mais de 200 anos, desviando o curso da água para fins agrícolas..

2.1 Poço da Broca. Foto Jorge Basto

2.2 A cascata principal. Foto Jorge Basto

2.3 Outra vista. Foto Jorge Basto

2.4 Pormenor das águas. Foto Jorge Basto

2.5 Outra cascata a juzante. Foto Jorge Basto

2.6 Pormenor a montante. Foto Jorge Basto

2.7 A zona de banhos e o restaurante. Foto Jorge Basto

3 – Praia da Loriga

Com nascente num planalto superior da Serra da Estrela, esta praia é a única que se situa num vale glaciário.

É muito procurada pelas suas águas puras, brancas e cristalinas, e foi ainda umas das finalistas das “7 Maravilhas – Praias de Portugal”.

3.1 Praia da Loriga. Foto Jorge Basto

3.2 As águas escorrem da Serra da Estrela. Foto Jorge Basto

3.3 Formam-se algumas piscinas. Foto Jorge Basto

3.4 Formam-se algumas cascatas. Foto Jorge Basto

3.5 A ponte em arco na estrada. Foto Jorge Basto

4 – Lagoa Comprida, a maior na Serra da Estrela

(Vim aqui parar por engano na estrada, mas valeu a pena. Não fiz o trajecto mostrado no mapa, que aqui simplifiquei.)

A lagoa era um antigo glaciar e aproveitando o covão, iniciou-se em 1912 a construção da barragem. Situada a 1600m de altitude, ainda se notam vestígios de neve, mesmo em Maio.

4.1 Lagoa Comprida, na Serra da Estrela. Foto Jorge Basto

4.2 Em Maio, ainda com vestígios de neve. Foto Jorge Basto

4.3 Na outra extremidade. Foto Jorge Basto

4.4 Um espelho. Foto Jorge Basto

4.5 O muro da barragem de 1912. Foto Jorge Basto

5 – Seia, e o Restaurante «O Camelo»

Seia merece este realce porque aqui existe esse restaurante carismático, bem apreciado em Portugal pelo «O Camelo». O nome vem do facto que o antigo proprietário tinha por apelido Camelo, e por acharem graça assim ficou.

Eis os pratos simples de comida tradicional, de entre outros mais, escolhidos para continuar a viagem.

4.1 O antigo restaurante (aberto desde 1935), hoje ampliado para hotel. Foto Jorge Basto

4.2 Bifinhos de porco, com açorda de farinheira. Foto Jorge Basto

4.3 Coelho no forno, com molho de laranja e alecrim. Foto Jorge Basto

5 – Linhares da Beira, nos jardins do hotel (ao final da tarde)

Nesta aldeia medieval do séc. XII, o hotel encontra-se no outrora Solar dos Corte Real, um imponente edifício de séc. XVIII, com brasão na frontaria. Os jardins são mesmo convidativos para degustar «uma boa colheita» (de tinto, óbvio) ao pôr-do-sol.

6.1 Fachada do hotel em Linhares da Beira. Foto Jorge Basto

6.2 Os jardins. Foto Jorge Basto

6.3 Vistas dos jardins. Foto Jorge Basto

6.4 Outras vistas dos jardins. Foto Jorge Basto

7 – Linhares da Beira, na aldeia museu (na manhã seguinte)

A história de Linhares tem origem no contexto gerado com a reconquista Cristã, e o seu castelo fez parte do sistema defensivo da Bacia do Mondego.

A existência de um Pelourinho é muito importante em qualquer aldeia (como depois irei mostrando) e está relacionada com a concessão dum foral do Rei – como símbolo de personalidade jurídica e o consequente direito a uma justiça própria.

Hoje é também conhecida como a Capital do Parapente, sendo frequentemente procurada por vários adeptos da modalidade.

7.1 Pelourinho quinhentista de ornamentação manuelina. Foto Jorge Basto

7.2 Ruas labirínticas, onde predomina o granito. Foto Jorge Basto

7.3 Largo e Igreja da Misericórdia (séc XIII). Foto Jorge Basto

7.4 O Castelo (séc XIII), a mais de 800m de altitude. Foto Jorge Basto

Foto Jorge Basto

Foto Jorge Basto

Foto Jorge Basto

Dia 5: Linhares de Baixo-Castelo Rodrigo

Fica para o próximo episódio, quando prosseguirmos mais para o Norte, e chegarmos a Castelo Rodrigo: outro vencedor do Concurso «As 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias» (Jorge Basto).

Anúncios

Um comentário em “Na 4ª parte do roteiro das Aldeias do Xisto e Históricas, em Portugal, visita à Foz d´Égua, Poço da Broca, Praia da Loriga e Lagoa Comprida

  1. Pingback: Castelo Rodrigo, vencedor de concurso em Aldeias Autênticas, Dólmen de Matança, Necrópole das Forcadas, Trancoso, Marialva estão no 5º roteiro de Aldeias de Xisto e Históricas de Portugal | Cronicas Macaenses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 833.889 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: