Cronicas Macaenses

Blog-foto-magazine de Rogério P. D. Luz,

No roteiro das Aldeias do Xisto e Históricas, em Portugal, Jorge Basto visita Gondramaz, Talasnal, Cerdeira e Lousã

P O R T U G A L

ROTEIRO DAS ALDEIAS DO XISTO E HISTÓRICAS

(Parte 2 de 8)

Texto, fotografias e legendas de Jorge Basto (Portugal)

Preâmbulo:

As Aldeias do Xisto são um conjunto de 27 aldeias cujas construções são feitas de xisto, das quais as mais belas ficam na Serra de Lousã.

As Aldeias Históricas são um conjunto de 12 núcleos urbanos anteriores ao Reino de Portugal, na região das Beiras e de grande importância histórica.

Este roteiro que realizei em 8 dias faz uma passagem por essas Aldeias, bem como por outros locais que me interessaram pelo caminho.

O Roteiro pelas Aldeias do Xisto e Históricas, em 8 dias (imagem do Google Maps)

DIA 2: PENELA-LOUSÃ

A Serra da Lousã faz parte da Cordilheira Central, juntamente com a do Açor e da Estrela, com fauna e flora abundantes. No cimo dos montes proliferam os moinhos eólicos, responsáveis por 25% da produção energética nacional.

As estradas da serra são íngremes, forçando em certos subidas a meter a 2ª velocidade. São também muito sinuosas, com curvas a cada 100 metros. Para complicar mais, encontram-se mal sinalizadas, e daí o uso quase obrigatório dum GPS, aumentando assim o prazer duma «aventura».

Das seis Aldeias que visitei, seleccionei as 3 mais bonitas.

De Penela a Lousã, pelas estreitas estradas montanhosas e sinuosas (imagem da Google Maps)

1 – GONDRAMAZ, a aldeia mais que perfeita

Gondramaz distingue-se pela tonalidade específica do xisto que nos envolve da cabeça aos pés. A aldeia estrutura-se a partir de uma rua principal, até ao limite em que o declive permitiu construir.

Os materiais de construção são aqueles que a serra oferece: xisto e madeira. As paredes têm duas camadas, uma exterior com pedras maiores e uma interior com pedras mais pequenas. Os telhados são originalmente em telhas de lousa, e têm uma ou duas águas. Posteriormente, muitos foram recobertos por telhas de barro.

1.1 Gondramaz e os montes com moinhos eólicos. Foto Jorge Basto

1.2 Beco típico. Foto Jorge Basto

1.3 Construção em xisto e madeira. Foto Jorge Basto

1.4 Pormenor dum telhado: originalmente com telhas de lousa, e posteriormente recobertas com telhas de barro. Foto Jorge Basto

1.5 Capela de N. Sra. da Conceição. Foto Jorge Basto

1.6 Loja de artesanato. Foto Jorge Basto

1.7 Rua Budas, a principal. Foto Jorge Basto

2 – TALASNAL, onde reina a natureza

Esta é, desde há muito, a Aldeia que tem dado mais visibilidade e carisma ao conjunto, pela sua dimensão e disposição.

A ruela principal acompanha o declive íngreme da encosta, da qual derivam quelhas e becos, com casas decoradas com ramos das videiras.

2.1 O largo de entrada. Foto Jorge Basto

2.1 O largo de entrada. Foto Jorge Basto

2.3 Uma das casas decoradas com vasos. Foto Jorge Basto

2.4 Casas na encosta, desafiando as regras do equilíbrio ao manterem-se em pé. Foto Jorge Basto

2.5 Casa com terraço e vista espectacular. Foto Jorge Basto

2.6 Casa intimista com varanda. Foto Jorge Basto

3 – CERDEIRA, onde mora a tranquilidade

Os edifícios foram implantados sobre um morro íngreme rochoso, com escassas áreas planas para a agricultura.

A aldeia é hoje um local de criação artística, um lugar para retiros criativos, de bem-estar, tirando partido da sua riqueza natural, silêncio e tranquilidade.

3.1 O morro íngreme rochoso. Foto Jorge Basto

3.2 O único acesso à aldeia, apenas pedestre. Foto Jorge Basto

3.3 Ponte de acesso sobre uma ribeira. Foto Jorge Basto

3.4 A entrada na aldeia. Foto Jorge Basto

3.5 Um aglomerado de casas em xisto, com varandas. Foto Jorge Basto

3.6 Algumas construções com 3 pisos, onde o espaço é diminuto. Foto Jorge Basto

3.7 As casas mais em baixo, perto da ribeira. Foto Jorge Basto

4 – LOUSÃ, seu Castelo e Santuário

O Castelo, de pequenas dimensões, apresenta planta no formato hexagonal irregular, nos estilos românico e gótico. As muralhas, em alvenaria de xisto, são reforçadas por três cubelos.

O Santuário é um importante conjunto mariano, composto por quatro capelas, construídas uma de cada vez. A imagem de N. Sra. da Piedade é levada em andor todos os anos na época da Páscoa em procissão desde a Igreja Matriz da Lousã até à Capela, subindo pelo monte acima.

4.1 Um miradouro numa típica estrada, estreita e sinuosa (Google)

4.2 Vista do miradouro, sobre o Castelo e o Santuário. Foto Jorge Basto

4.3 O Castelo de Lousã (séc XI). Foto Jorge Basto

4.4 A Torre de Menagem (séc XIV), em pormenor. Foto Jorge Basto

4.5 O Santuário de N. Sra. da Piedade (séc XV a XIX). Foto Jorge Basto

4.6 A Capela de N. Sra. da Piedade, a mais elevada. Foto Jorge Basto

4.7 E terminando… em Lousã no hotel, outrora o Palácio da Viscondessa do Espinhal (séc XIX). Foto Jorge Basto

Dia 3: Lousã-Piodão

Fica para o próximo episódio, quando começar uma outra «aventura», a das Aldeias Históricas. (Jorge Basto)

 

 

Anúncios

2 comentários em “No roteiro das Aldeias do Xisto e Históricas, em Portugal, Jorge Basto visita Gondramaz, Talasnal, Cerdeira e Lousã

  1. Pingback: Portugal maravilhoso: viagem às “Aldeias do Xisto e Históricas” num roteiro de 8 dias (1º dia) | Cronicas Macaenses

  2. Pingback: Piódão, vencedora das 7 maravilhas de aldeias remotas de Portugal, é destaque no roteiro das Aldeias do Xisto e Históricas | Cronicas Macaenses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Autoria do blog-magazine

Rogério P. D. Luz, macaense-português de Macau, ex-território português na China, radicado no Brasil por mais de 40 anos. Autor dos sites Projecto Memória Macaense e ImagensDaLuz.

Sobre

O tema do blog é genérico e fala do Brasil, São Paulo, o mundo, e Macau - ex-colônia portuguesa no Sul da China por cerca de 440 anos e devolvida para a China em 20/12/1999, sua história e sua gente.
Escrita: língua portuguesa escrita/falada no Brasil, mas também mistura e publica o português escrito/falado em Portugal, conforme a postagem, e nem sempre de acordo com a nova ortografia, desculpando-se pelos erros gramaticais.

Pesquise por tema e localidade (ordem alfabética)

Últimas 150 postagens

Estatísticas do blog

  • 820,310 hits

Monitoramento de visitas – contagem desde 01/Nov/2011

free counters

Postagens recentes: Fotoblog do Projecto Memória Macaense

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

O Ano Novo chinês celebrado pela comunidade macaense de São Paulo

Para celebrar o Ano Novo chinês de 2018, dando início ao Ano do Cão, a Casa de Macau de São Paulo reuniu a comunidade macaense e amigos para um almoço especial, recheado de boa comida chinesa de dar água na boca. Era a oportunidade para comer, infelizmente, uma vez ao ano, o chái, ou comida de […]

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

Uma foto, uma memória de 63 anos atrás em Macau

No almoço especial do Ano Novo chinês realizado na Casa de Macau de São Paulo em 18 de Fevereiro de 2018, o macaense José Noronha, 83 anos, andava a mostrar uma foto antiga para algumas pessoas que tinham mais ou menos a sua idade. Procurava ele matar as saudades dos velhos tempos em Macau. Macaense […]

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Memórias de S.Paulo 2006 – festa de aniversário da Casa de Macau

Passaram-se 11 anos, não parece muito, mas vários conterrâneos e amigos nas fotos que publico da festa do 17º aniversário da Casa de Macau de São Paulo em 2006, promovida em 29 de julho, não estão mais conosco. Ficaram os bons momentos registrados da boa confraternização. Vale um momento de reflexão para sempre procurarmos um […]

%d blogueiros gostam disto: